Trump reúne partidários em Washington e descarta reconhecer vitória de Biden

Presidente afirmou que processo eleitoral foi fraudado e disse que apresentaria provas

Anna Satie e Lorena Lara, da CNN, em São Paulo
06 de janeiro de 2021 às 14:14 | Atualizado 06 de janeiro de 2021 às 14:56

 

O presidente americano, Donald Trump, falou para um grupo de apoiadores reunidos a poucos quarteirões da Casa Branca nesta quarta-feira (6). Sem apresentar provas, Trump voltou a questionar o resultado da eleição presidencial, que deu a vitória ao democrata Joe Biden.

"Nós nunca iremos desistir, nunca iremos conceder", declarou.

"Será que alguém acredita que Joe recebeu 80 milhões de votos?", questionou. Em sua fala, o presidente afirmou que a vitória do Partido Republicano foi "roubada pela esquerda radical" e afirmou que iria mostrar provas da suposta fraude.

Leia também:

Congresso dos EUA certifica hoje vitória de Biden no colégio eleitoral; entenda

Pence diz a Trump que não tem autoridade para bloquear a certificação de Biden

"Para usar as palavras que vocês usam: nós vamos parar a fraude", disse Trump. "As eleições dos países de terceiro mundo são mais honestas do que as que temos aqui", acrescentou.

Centenas de policiais foram mobilizados na capital americana, com um grande número de pessoas que rejeitam a derrota de Trump nas urnas convergindo para Washington no dia em que o Congresso se reúne para certificar a eleição.

O processo começa por volta das 15h no horário de Brasília, mas pode se arrastar se houver contestações. Até o momento, é previsto que parlamentares de ao menos três estados (Arizona, Geórgia e Pensilvânia) contestem os resultados, mas o número pode aumentar.

Fontes ouvidas pela CNN esperam que a sessão siga noite adentro e termine no início da manhã desta quinta (7), entre as 5h e 6h no horário de Brasília.

Donald Trump discursou para apoiadores nesta quarta-feira (6)
Donald Trump discursou para apoiadores nesta quarta-feira (6)
Foto: CNN Brasil (6.jan.2021)

(Com informações de Lourival Sant'Anna, da CNN em São Paulo, e da CNN Internacional)