Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Biden defende a democracia na Europa e Trump a enfraquece nos EUA

    O ex-presidente demonstra, em cada discurso e aparição pública, que a sedução da demagogia, a demonização de estrangeiros e a linguagem extremista são tão potentes agora quanto eram antes da Segunda Guerra Mundial.

    Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o ex-presidente Donald Trump
    Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o ex-presidente Donald Trump Getty Images

    Stephen Collinsonda CNN

    O presidente Joe Biden está na Europa, alertando sobre o mal totalitário e os perigos para a democracia. O possível candidato do partido Republicano, Donald Trump, está de volta ao país, buscando um favor do líder russo, Vladimir Putin, planejando vingança e difamando as eleições nos EUA.

    O ex-presidente está apresentando o caso de seu oponente para 2024 – que o Ocidente está sendo desafiado por ameaças sem precedentes ao Estado de direito por forças hostis tanto externas quanto internas.

    Mas a força de Trump também sugere que a peça central da viagem de Biden – uma homenagem na sexta-feira na Normandia a um dos maiores discursos do ex-presidente Ronald Reagan – pode cair em muitos ouvidos surdos na América. O ex-presidente demonstra, em cada discurso e aparição pública, que a sedução da demagogia, a demonização de estrangeiros e a linguagem extremista são tão potentes agora quanto eram antes da Segunda Guerra Mundial.

    As comemorações do 80º aniversário da invasão do Dia D, que levou à libertação da Europa, se transformaram em um ponto de encontro para os líderes ocidentais alertando que as forças mais sombrias do extremismo político estão despertando. Eles também usaram suas reuniões e discursos para traçar paralelos entre o ataque vicioso de Putin à Ucrânia e a blitzkrieg de Adolf Hitler.

    Não há nada de novo em um presidente moderno dos EUA viajando para a Europa para evocar a história compartilhada da vitória sobre a tirania. Mas nenhum outro líder fez isso depois que seu antecessor tentou destruir a democracia para permanecer no cargo. A possibilidade de Biden perder a reeleição – e a ameaça de um retorno ao caos que Trump infligiu aos aliados europeus – lançou uma sombra sinistra sobre a viagem.

    Na sexta-feira (7), Biden enviou uma mensagem inequívoca ao cooptar o legado de Reagan – um dos maiores presidentes republicanos – para sugerir que seu rival é uma afronta aos valores dos EUA e do Partido Republicano. Em 1984, no alto de um penhasco invadido pelos Rangers do Exército dos EUA em 6 de junho de 1944, conhecido como Pointe du Hoc, o 40º presidente americano denunciou o isolacionismo dos EUA. Ele também invocou a guerra contra o nazismo para convocar o Ocidente para uma luta renovada e, em última análise, bem-sucedida, contra outra forma de extremismo – o comunismo ao estilo do Kremlin. Biden implicou que Trump, com sua política externa “America Primeiro”, ataques à integridade da eleição livre e justa de 2020 e o uso da retórica extrema anti-imigrante que ecoa a dos nazistas, está convocando as mesmas forças que desencadearam a guerra global.

    Reagan pode levar Biden à vitória?

    Biden, que certamente será o último presidente dos EUA a nascer durante a Segunda Guerra Mundial, está pedindo aos americanos que reúnam o mesmo compromisso com os valores democráticos da maior geração cujos últimos representantes estão agora se afastando. “Em memória daqueles que lutaram aqui, morreram aqui, literalmente salvaram o mundo aqui, sejamos dignos de seu sacrifício”, disse Biden na quinta-feira (6), cercado pelos túmulos de mais de 9 mil americanos. “Vamos ser a geração que, quando a história for escrita sobre o nosso tempo – em 10, 20, 30, 50, 80 anos a partir de agora – será dito: ‘Quando o momento chegou, nós o enfrentamos. Ficamos firmes. Nossas alianças se tornaram mais fortes. E nós salvamos a democracia em nosso tempo também.'”

    Que um presidente precise fazer tal argumento mostra como o clima político mudou desde que Reagan ficou no mesmo local, 40 anos atrás, e encheu muitos olhos de lágrimas ao se dirigir aos veteranos e dizer: “Estes são os rapazes de Pointe du Hoc. Estes são os homens que escalaram os penhascos. Estes são os campeões que ajudaram a libertar um continente. Estes são os heróis que ajudaram a ganhar uma guerra.”

    Naquela época, o Partido Republicano era um partido internacionalista e pró-democracia. Orgulhosamente se gabava de como Reagan venceu a Guerra Fria até que Trump misturou seu coquetel de isolacionismo e populismo, que olha com mais simpatia para Putin do que para os aliados dos EUA. É essa mudança de perspectiva que pode significar que o discurso de Biden é uma peça eficaz do teatro político, mas tem apelo político limitado. A Casa Branca e a campanha de Biden não esperam que evocar o espírito de Ronald Reagan prejudique o bloqueio de Trump aos eleitores da base republicana.

    Mas o presidente está tentando conquistar republicanos descontentes com a segurança nacional, nostálgicos pelos dias em que uma política externa agressiva era vista como uma perna do lendário banquinho da política conservadora. E ele está especialmente buscando atrair parte das dezenas de milhares de republicanos que votaram na ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, nas primárias do partido muito depois de ter suspendido a campanha. A ex-embaixadora das Nações Unidas sob Trump pode ter endossado seu ex-chefe e acusado Biden de fraqueza no cenário global. Mas ela está muito mais alinhada com a visão global do atual presidente e desdém pelos ditadores do que com a marca de apaziguamento do estilo autoritário de Trump.

    Trump de volta à campanha

    A visita de Biden à Europa coincidiu com o retorno de seu antecessor à campanha após sua condenação na semana passada em um julgamento em Nova York. Trump escolheu o momento para emitir sua mais recente abertura para Putin, um acusado de crime de guerra perante o qual ele se curvou enquanto presidente. O suposto candidato republicano insistiu que ele seria capaz de libertar um repórter americano preso.

    Evan Gershkovich, repórter do The Wall Street Journal que está sendo mantido pela Rússia, será libertado quase imediatamente após a eleição”, disse Trump em um vídeo postado no Truth Social na terça-feira. “Mas definitivamente antes de assumir o cargo, ele estará em casa, ele estará seguro. Vladimir Putin, presidente da Rússia fará isso por mim … e não acredito que o faça por mais ninguém.”

    Esta não foi a primeira vez que Trump tentou demonstrar influência especial com Putin. Afinal de contas, uma vez disse, durante uma coletiva de imprensa em Helsinque, que acreditava no líder russo, que estava ao seu lado, em vez das agências de inteligência dos EUA que liderava, sobre a questão da interferência eleitoral no Kremlin.

    A politização de Trump do caso Gershkovich foi notável, pois vem depois de meses de esforços pacíficos do governo dos EUA para libertar o repórter e outro americano preso, o ex-fuzileiro naval Paul Whelan. Isso levanta a possibilidade de que os russos possam simplesmente manipular qualquer negociação na suposição de que Trump possa dar-lhes um acordo melhor ou que o governo de Biden possa estar preparado para pagar um preço mais alto antes da eleição. Se o Kremlin finalmente libertar o repórter para Trump, pode ser um golpe para ele e garantirá que ele ficasse em dívida com Moscou.

    O contato de Trump com Putin vem em um momento em que o presidente russo é isolado da comunidade internacional pelos ataques bárbaros contra civis na Ucrânia e quando ele representa a maior ameaça à integridade da Europa continental desde a guerra que Biden atravessou Atlântico para comemorar. Usar o sofrimento de um americano no cruel sistema penal russo para ganhar pontos políticos também é um dos truques de campanha mais cínicos da era moderna. A Rússia ignorou os comentários de Trump na quinta-feira, dizendo que a libertação de Gershkovich só aconteceria como resultado de reciprocidade.

    Depois que Trump se mostrou amigável com Putin, o presidente em exercício fez questão de denunciar o líder russo, que não foi convidado para os eventos do Dia D, apesar do papel decisivo da União Soviética na derrota do nazismo. “Ele não é um homem decente – ele é um ditador, e ele está lutando para garantir que ele mantenha seu país unido enquanto ainda mantém esse ataque”, disse Biden à ABC News em uma entrevista. O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky estava lá em seu lugar.

    Enquanto isso, o primeiro evento de campanha de Trump como criminoso na quinta-feira ilustrou por que a eleição pode estar tão acirrada. Ele estava diante de uma multidão de apoiadores selecionados em um Town Hall da Turning Point Action e fez um apelo demagógico que é eficaz com os eleitores da base republicana. Ele renovou suas mentiras sobre fraude nas últimas eleições, insistindo que planejava ganhar um mandato em novembro que era “grande demais para ser fraudado.” Ele atacou o sistema legal após sua condenação por um júri de seus pares, insistindo sem fundamento que o veredito foi “fraudado”.

    E no estado fronteiriço do Arizona, ele disparou a retórica anti-imigração, grande parte da qual era alarmista e falsa sobre a crise na fronteira, mas que pode se provar um contraponto eficaz à tentativa de Biden esta semana de reduzir drasticamente as reivindicações de asilo. O ex-presidente tem se recusado constantemente a garantir que aceitará o resultado da eleição de novembro. E várias vezes nesta semana, ele também insinuou que usaria o poder presidencial para processar seus oponentes políticos, ameaçando um novo ataque ao Estado de direito.

    “Bem, a vingança leva tempo, vou dizer isso, e às vezes a vingança pode ser justificada, Phil, eu tenho que ser honesto”, disse Trump durante uma entrevista com “Dr. Phil Primetime”, que foi ao ar na quinta-feira. “Você sabe, às vezes pode.”

    No Town Hall de quinta-feira, o ex-presidente se maravilhou com o fato de que muitas de suas perguntas, de uma multidão amigável, eram sobre o alto custo de vida, a luta da população do Arizona para comprar mantimentos e sua percepção de que estão inseguros devido à chegada descontrolada de imigrantes indocumentados na fronteira.

    Esta pode ser a equação eleitoral decisiva em poucas palavras: Trump usará questões econômicas e de imigração para contrariar os avisos de Biden de que as tendências antidemocráticas e autocráticas de seu rival o tornam inapto para ser presidente novamente.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original