Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: protesto estudantil agrava um ano eleitoral já tenso nos EUA

    Manifestações inflamam ainda mais as campanhas eleitorais dos partidos republicano e democrata e ameaçam aprofundar a divisão política dos EUA, explica o analista

    Manifestantes invadem Hamilton Hall, na Universidade de Columbia
    Manifestantes invadem Hamilton Hall, na Universidade de Columbia REUTERS

    Stephen Collinsonda CNN

    Os protestos universitários estão injetando um novo elemento inflamatório em um ano eleitoral que já ameaça levar a unidade nacional ao limite.

    As tensões aumentaram na noite de terça-feira (30) após uma operação do Departamento de Polícia de Nova York para retirar manifestantes pró-Palestina do campus da Universidade de Columbia. Houve brigas, prisões e cancelamento de aulas em pelo menos 25 campi em 21 estados.

    Os protestos foram desencadeados pelo terrível custo civil da guerra de Israel contra o Hamas em Gaza, mas estão agora expondo as diferenças ideológicas do país e as novas correntes políticas. A América já estava nervosa com um ex e possivelmente futuro presidente em julgamento. E se os protestos persistirem, poderão exacerbar uma temporada de campanha que certamente agravará a divisão política nacional.

    De uma costa a outra, manifestações viram centenas de pessoas detidas. Embora a maioria seja pacífica, houve danos materiais e algum policiamento severo – no Texas, por exemplo.

    Na terça-feira, manifestantes em frente ao Hamilton Hall de Columbia gritavam “Do rio ao mar, a Palestina será livre” – uma frase vista por muitos judeus como antissemita.

    Na Universidade da Califórnia, em Los Angeles, na noite de terça-feira, eclodiu um confronto violento entre manifestantes pró-palestinos e apoiadores de Israel depois que autoridades da UCLA declararam o acampamento ilegal, relataram vários veículos de comunicação. Mas na Universidade Brown, as autoridades universitárias e os manifestantes chegaram a um acordo que levou à dissolução de um protesto no campus.

    Os protestos nacionais destacam o que poderá ser um momento histórico, à medida que os jovens americanos progressistas abraçam a causa palestina como nunca antes, evocando pressões políticas que poderão desafiar o apoio bipartidário há muito estabelecido a Israel. No entanto, também contribuíram para aumentar uma onda de antissemitismo na sociedade americana que traumatizou muitos judeus americanos que se sentem ameaçados na sua própria nação.

    Os protestos são um novo teste para o presidente Joe Biden, que procura a reeleição em um momento em que a guerra em Gaza provoca profundas divisões na sua frágil coligação eleitoral. A crescente dissidência sublinha o quanto Biden precisa impedir uma ofensiva israelense em Rafah que poderia matar um grande número de civis e alimentar protestos mais concentrados nos Estados Unidos.

    Mais de 34 mil pessoas em Gaza já foram mortas na resposta de Israel, de acordo com o ministério da Saúde, controlado pelo Hamas. Qualquer presidente dividido entre implementar o que pensa ser do interesse nacional dos EUA – nesse caso, defender Israel – e os seus próprios imperativos políticos, encontra-se em uma situação perigosa, principalmente aquele que está a seis meses de pedir aos eleitores um segundo mandato.

    Agentes do Departamento de Polícia de Nova York entram no Hamilton Hall, no campus da Universidade de Columbia
    Agentes do Departamento de Polícia de Nova York entram no Hamilton Hall, no campus da Universidade de Columbia / Spectrum News NY1

    E se os protestos se espalharem e Biden parecer que está perdendo o controle do país, as consequências políticas poderão ser desastrosas.

    Enquanto isso, imagens de acampamentos de protesto e estudantes cantando são um presente para o provável candidato republicano, Donald Trump, enquanto ele pinta um quadro distópico de uma nação devastada por protestos. A sua narrativa – adotada pelas mídias conservadoras – é enganadora, mas poderosa nas mãos de um demagogo tão competente.

    Na terça-feira, por exemplo, Trump culpou o presidente em exercício. “Temos que acabar com o antissemitismo que permeia nosso país agora, e Biden tem que fazer alguma coisa”, disse ele à Fox.

    “Biden deveria ser a voz do nosso país e certamente não é uma voz”, disse o ex-presidente, que foi acusado de usar grupos antissemitas em campanhas publicitárias anteriores e de confraternizar com grupos de supremacia branca e de extrema direita.

    As manifestações também marcam uma nova frente em uma guerra cultural cada vez mais intensa pela educação. Os republicanos, que há muito adoram atacar as universidades de elite, veem uma abertura populista para animar a sua base e esmagar um fluxo de ideias de esquerda.

    Ao mesmo tempo, os presidentes das universidades estão lutando para equilibrar os seus próprios princípios com o controle de elementos ultraprogressistas dos seus corpos estudantis, que exemplificam a missão do ensino superior questionando o status quo, mas que estão fazendo com que alguns colegas estudantes se sintam assustados e estão efetivamente paralisando as suas instituições.

    E o espectro do extremismo de esquerda está aumentando à medida que alguns protestos adotam uma retórica que soa como a do Hamas ou do Hezbollah, sem parecerem reconhecer os ataques terroristas do Hamas que mataram 1.200 pessoas em Israel em outubro do ano passado.

    Manifestantes acampam na Universidade de Columbia / REUTERS

    Os protestos estão atingindo um momento crucial. Eles começarão a desaparecer quando o ano letivo terminar e os alunos voltarem para casa? Ou irão ferver durante um verão longo e quente e arder com ainda mais intensidade no outono, quando as aulas recomeçarem e a nação estará em um estado político ainda mais frágil a semanas das eleições?

    Republicanos sentem o cheiro de uma abertura

    A deputada republicana Elise Stefanik é uma das impulsionadoras do aprofundamento da reação política contra os protestos no campus. A republicana de Nova York é uma defensora frequente das falsidades de Trump sobre a fraude eleitoral de 2020 que ameaçam a democracia.

    Mas a graduada de Harvard fez a intervenção crítica em uma audiência na Câmara no ano passado, que expôs os equívocos impressionantes de vários presidentes da Ivy League sobre o aumento do antissemitismo nos campi na sequência da guerra em Gaza.

    Stefanik esteve ao lado do presidente da Câmara, Mike Johnson, na terça-feira, quando ele lançou uma nova tentativa de atacar Biden e os democratas por causa das manifestações no campus, depois de viajar para Columbia na semana passada e exigir a intervenção da Guarda Nacional. “Esta é uma podridão moral que se enraizou nas instituições de ensino superior americanas”, disse Stefanik.

    Johnson prometeu usar os amplos poderes da maioria republicana no que parece ser um esforço organizado de um partido político para substituir as autoridades universitárias.

    “O antissemitismo é um vírus e como a administração e os reitores das universidades não estão intervindo, estamos vendo se espalhar”, disse Johnson. “Temos que agir e os republicanos da Câmara falarão sobre esse momento fatídico com clareza moral. Gostaríamos muito que os que estão na Casa Branca fizessem o mesmo”.

    Manifestantes ocupam prédio acadêmico da Universidade de Columbia / 30/04/2024 Mary Altaffer/Pool via REUTERS

    As tentativas republicanas de explorar o protesto no campus têm uma longa história. Ronald Reagan concorreu ao governo da Califórnia em 1966 prometendo “limpar a bagunça em Berkeley” e criticou os protestos contra a Guerra do Vietnã e os direitos civis como tendo mais a ver com tumultos e anarquia do que com liberdade acadêmica.

    O presidente Richard Nixon criticou frequentemente as manifestações estudantis contra a guerra, referindo-se certa vez aos radicais universitários que se opunham às suas políticas como “vagabundos”.

    O atual ataque do Partido Republicano aos protestos no campus é óbvio. As manifestações estão agora dividindo o Partido Democrata entre o ativismo que define o seu DNA e os líderes partidários que compreendem os perigos potenciais caso os eleitores moderados e indecisos – mesmo aqueles que discordam da forma como Biden lidou com a guerra – se voltem contra o que consideram ser extremismo liberal em ano eleitoral.

    Os democratas levaram anos para neutralizar principalmente o impacto político das demandas de retirada de financiamento da polícia que surgiram durante os protestos Black Lives Matter em 2020.

    Ainda assim, a abordagem do Partido Republicano também está contaminada pela hipocrisia. Os republicanos passaram anos reclamando que a liberdade de expressão no campus está ameaçada e que as causas conservadoras e os líderes estão sendo expulsos.

    Agora que os estudantes exercem esses mesmos direitos para protestar contra as políticas de Israel, os líderes do Partido Republicano apelam à repressão e exigem que os líderes universitários convoquem forças policiais externas para expulsar os manifestantes.

    Os republicanos também estão usando o drama dos protestos estudantis como escudo e para minimizar o extremismo do seu presumível candidato. Trump já disse que o comício da supremacia branca em Charlottesville, Virgínia, em 2017 – no qual os manifestantes gritaram “os judeus não nos substituirão” e uma pessoa morreu – é uma ninharia em comparação com esses protestos estudantis.

    O ex-presidente foi acusado de não condenar os extremistas e antissemitas com a força suficiente quando disse que havia “pessoas muito boas em ambos os lados”.

    Quaisquer cenas de violência nos protestos também serão benéficas para o Partido Republicano, à medida que os principais líderes do partido dissimulam o que realmente aconteceu quando os apoiadores de Trump invadiram o Capitólio dos EUA em 6 de janeiro de 2021, para tentar impedir que a vitória de Biden fosse certificada.

    Imagens de um manifestante usando um martelo para arrombar um prédio em Columbia foram reproduzidas continuamente na mídia conservadora na terça-feira. E falando fora do tribunal de Nova York que acolhe o seu julgamento criminal, Trump exigiu que os manifestantes fossem tratados tal como as centenas dos seus apoiadores condenados por invadirem violentamente o Capitólio.

    “Eu me pergunto se esse será o mesmo tipo de tratamento que eles deram ao 6 de janeiro?”, disse Trump.

    A manifestação até agora não é comparável, uma vez que não há nenhuma multidão de estudantes tentando

    destruir a democracia americana. Mas os argumentos do ex-presidente serão persuasivos para os seus milhões de apoiadores e apenas complicarão a posição de Biden sobre os protestos.

    Protesto na Universidade do Sul da Califórnia em Los Angeles / 27/4/2024 REUTERS/David Swanson

    Um despertar geracional ou uma moda passageira?

    Até agora, os protestos no campus não estão nem perto da escala das manifestações e marchas do Black Lives Matter em cidades dos EUA e no exterior após o assassinato de George Floyd por um policial branco em 2020. E ainda não estão no mesmo nível dos protestos pelos direitos civis e contra a Guerra do Vietnã nas décadas de 1960 e 1970.

    Mas, no início, esses movimentos nacionais eram minúsculos, por isso há precedentes para o crescimento dos protestos estudantis, e agora existe o poder de convocação das redes sociais que pode criar um sentido de propósito comum entre os manifestantes a centenas de quilômetros de distância.

    David Farber, professor de história da Universidade do Kansas, disse à CNN na segunda-feira (29) que os protestos da era do Vietnã “muitas vezes começaram pequenos. Muitas vezes eram considerados pessoas marginais… pessoas malucas, mas esse movimento antiguerra pegou fogo e os estudantes desempenharam um papel importante nele. E eventualmente a maré virou contra a guerra no Vietnã na opinião pública dos EUA”.

    Os estudantes radicais de meados da década de 2020 não são neófitos políticos. Eles vêm de uma geração que suportou o medo de tiroteios em massa em escolas secundárias, teve suas vidas fechadas pela pandemia de Covid-19 e organizou greves no período das Black Lives Matter.

    Também pode não ser uma coincidência que os protestos pró-Palestina liderados por estudantes estejam ocorrendo em um ano em que um homem branco de 81 anos enfrenta um homem branco de 77 anos para a presidência. Nem Trump nem Biden têm o apelo para os eleitores mais jovens de John Kennedy ou Barack Obama.

    Ao mesmo tempo, com alguns protestos estudantis de dimensão modesta em comparação com as universidades visadas, não está claro se os manifestantes são verdadeiramente representativos de uma geração inteira à beira de um despertar político.

    Ainda assim, a raiva entre os eleitores mais jovens em relação à guerra tem implicações profundas na tentativa de reeleição do presidente. Uma pesquisa da CNN revelou a insatisfação da maioria com a forma como Biden lidou com a guerra entre os eleitores registrados em todo o país – com 81% dos eleitores com menos de 35 anos desaprovando.

    Uma pesquisa mais específica realizada entre jovens de 18 a 29 anos, publicada pela Universidade de Harvard, e sugere uma visão matizada da guerra em Gaza. Cerca de um quinto vê a resposta de Israel aos ataques de 7 de outubro como justificada, enquanto 32% pensam que não foi justificada.

    As maiorias têm simpatia tanto pelos israelenses como pelos palestinos. Mas a crise Israel-Palestina vem muito atrás de questões como a inflação, saúde, habitação, violência armada, desemprego e proteção da democracia em termos da sua importância para os eleitores mais jovens.

    Ainda assim, é provável que as eleições de novembro sejam decididas por margens tão estreitas que qualquer jovem eleitor que abandone Biden ou que simplesmente não esteja motivado para comparecer poderá desempenhar um papel descomunal nos estados indecisos que escolherão o próximo presidente.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original