Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: realinhamento geracional mexe com as eleições nos EUA

    Eleitores com menos de 30 anos não votam em massa no Partido Republicano desde 1988. Já aqueles com mais de 65 anos não votam em um democrata desde 2000.

    Trump e Biden em debate na campanha de 2020
    Trump e Biden em debate na campanha de 2020 22/10/2020Morry Gash/Pool via REUTERS

    Zachary B. Wolfda CNN

    Uma velha máxima da política americana é que os eleitores mais velhos preferem o partido Republicano e os mais jovens, o Democrata.

    Foi o que aconteceu em 2020, quando o democrata Joe Biden ganhou entre eleitores com menos de 50 anos e o republicano Donald Trump ganhou entre aqueles com mais de 50 anos, de acordo com pesquisas de boca de urna. A margem de Biden entre os eleitores mais jovens (ele obteve 65% dos eleitores na faixa dos 18 aos 24 anos) ajudou-o a ultrapassar o fato de Trump ter 52% dos eleitores mais velhos, que representaram mais de metade do eleitorado.

    Em 2016, Trump derrotou Hillary Clinton no Colégio Eleitoral apesar de ela ter mais votos do que ele, mas o padrão de eleitores mais jovens apoiando os democratas se manteve. Hillary obteve mais votos entre eleitores entre 18 e 44 anos, e Trump mais entre eleitores acima dos 45, de acordo com as pesquisas.

    Em 2012, o republicano Mitt Romney perdeu as eleições, mas obteve melhor resultado que o democrata Barack Obama entre os eleitores de 45 anos ou mais.

    Os eleitores com menos de 30 anos não votam em massa no partido Republicano desde 1988, quando George H. W. Bush derrotou o democrata Michael Dukakis com grande vantagem. Os eleitores com mais de 65 anos não votam em um democrata desde 2000, quando Al Gore perdeu as eleições apesar de ter mais votos do que o republicano George W. Bush.

    No entanto, as regras antigas não parecem se aplicar nas eleições presidenciais deste ano, onde ambos os candidatos são homens idosos e a sua aptidão para servir é uma questão das mais importantes. Os eleitores mais velhos tendem a migrar para Biden e os eleitores mais jovens estão se aproximando de Trump.

    Uma nova pesquisa Marist Poll feita no estado pêndulo da Pensilvânia, por exemplo, mostrou uma corrida apertada no geral com Trump com 47% e Biden com 45%, uma diferença dentro da margem de erro.

    Trump está conquistando eleitores não brancos e está quase empatado com Biden entre eleitores com menos de 45 anos nessa pesquisa. Já os eleitores mais velhos têm andado na direção oposta, e em vez de favorecer Trump, estão quase divididos nessa mesma sondagem.

    É uma tendência que se estende a outros estados. Em uma pesquisa nacional da Quinnipiac University divulgada em maio, Biden e Trump dividiram os eleitores mais jovens, mas Biden tem uma vantagem entre os eleitores com 65 anos ou mais.

    Nem todas as pesquisas mostram o mesmo nível de mudança, mas o movimento geral entre os eleitores mais jovens e mais velhos se diferencia dos resultados anteriores.
    Biden tem enfrentado questões sobre sua idade que têm invadido a campanha de reeleição e preocupado os eleitores, de acordo com as pesquisas de opinião.

    “Joe não é um dos presidentes mais eficientes de todos os tempos apesar da sua idade, mas, sim, por causa dela”, disse a primeira-dama Jill Biden em um evento de campanha no Wisconsin nesta semana, parte de um esforço de viagens de três dias com o objetivo de aumentar o apoio a Biden entre os eleitores mais velhos.

    Os eleitores mais velhos são essencialmente da mesma época que Biden e Trump. Os dois homens nasceram nos anos 40.

    Jeff Zeleny e Eric Bradner, da CNN, notam que os eleitores mais velhos estavam “vivos no rescaldo da Segunda Guerra Mundial e da Guerra Fria, um período em que Biden tenta abordar ao lançar Trump como uma ameaça à democracia”.

    Eles também escrevem que “em 2024, os ‘baby boomers’, expressão usada para pessoas nascidas entre 1945 e 1964, agora compõem uma grande maioria do voto idoso pela primeira vez – uma mudança demográfica sedutora que a campanha Biden está tentando conquistar em Michigan e em todo o país”.

    Em Michigan, Zeleny e Bradner conversaram com Linda Van Werden, uma corretora de imóveis aposentada que só se tornou ativa na política depois da vitória de Trump em 2016.

    “Nunca pensei que seria uma daquelas pessoas que seguraria um cartaz político ou que me envolveria, mas não posso ficar sentada vendo tudo isso acontecer”, declarou.

    Apesar da mudança dos eleitores mais velhos na direção de Biden (e dos eleitores mais jovens longe dele), fiquei surpreso ao ver os eleitores mais velhos ainda terem reservas sobre a idade de Biden.

    Em uma pesquisa do New York Times/Siena College, em fevereiro, quase três quartos dos eleitores com 65 anos ou mais disseram que Biden era velho demais para ser eficaz como presidente, em comparação com menos de metade dos que disseram o mesmo sobre Trump. São números que se repetem na população em geral.

    Ronald Brownstein, da CNN, observou no ano passado que os eleitores mais velhos tinham mais probabilidade de aprovar o desempenho do trabalho de Biden e argumentou que algumas das suas vitórias políticas, como a pressão para reduzir os custos com medicamentos no Medicare, apelam diretamente aos idosos.

    Seja qual for a razão, se Biden for superar questões sobre a sua idade para manter o seu emprego, será com a ajuda de pessoas da sua própria idade.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original