Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Conheça as possíveis escolhas de Trump para vice-presidente

    Dez candidatos podem disputar a Casa Branca na chapa do ex-presidente

    Ex-presidente dos EUA Donald Trump
    Ex-presidente dos EUA Donald Trump 30/05/2024Seth Wenig/Pool via REUTERS

    Kaanita Iyerda CNN

    O ex-presidente Donald Trump tem estado ocupado nas últimas semanas. Ele foi considerado culpado em seu julgamento por pagamento de suborno em Nova York, está envolvido em três outros casos legais e está em plena campanha para reconquistar a Casa Branca.

    Mas Trump tem outra tarefa: escolher um companheiro de chapa.

    Faltando apenas algumas semanas para a Convenção Nacional Republicana, quando o ex-presidente deve anunciar sua escolha para vice-presidente, fontes informaram à CNN que estes são os possíveis candidatos que estão na mente de Trump.

    Doug Burgum

    Governador da Dakota do Nore, Doug Burgum, é um dos candidatos a vice de Trump
    Governador da Dakota do Nore, Doug Burgum, é um dos candidatos a vice de Trump / X/@DougBurgum

    O governador de Dakota do Norte, Doug Burgum, disputou a nomeação presidencial republicana de 2024 contra Trump antes de suspender sua campanha em dezembro.

    Um ex-executivo da Microsoft, Burgum é um governador de segundo mandato com um histórico conservador. Ele assinou um projeto de lei no ano passado que proíbe o cuidado de afirmação de gênero para a maioria dos menores e promulgou uma proibição quase total de abortos no estado.

    No final do mês passado, Burgum – que estava entre os candidatos que receberam materiais de avaliação para vice-presidente da campanha de Donald Trump – disse a Kaitlan Collins, da CNN, que “toda a discussão sobre a escolha do vice-presidente… é meio que uma grande distração”.”

    “(Trump) pode ganhar esta eleição por conta própria”, disse Burgum, acrescentando que o “povo deste país” está “focado nas questões” e “não em quem vai ser o vice-presidente.”

    Marco Rubio

    Senador Marco Rubio / 08/11/2022 REUTERS/Joe Skipper

    Com o incentivo de vários assessores, Trump passou a considerar um companheiro de chapa hispânico e o senador da Flórida, Marco Rubio – filho de imigrantes cubanos – poderia ser uma escolha atraente.

    Rubio concorreu contra Trump em 2016, posicionando-se na época como a única pessoa que poderia parar Trump. Mas desde então, Rubio adotou o Trumpismo e defende regularmente o ex-presidente.

    O senador, eleito pela primeira vez para seu cargo em 2010, está entre os candidatos que receberam materiais de avaliação para vice-presidente da campanha de Trump. Se escolhido, Rubio seria o primeiro companheiro de chapa hispânico em uma chapa de um grande partido. O senador ajudou o ex-presidente a se preparar para o debate de junho contra o presidente Joe Biden ao participar de uma discussão de políticas.

    Mas ele enfrenta um potencial obstáculo.

    Rubio e Trump são ambos residentes da Flórida e, embora não haja nenhuma lei que impeça que um presidente e vice-presidente dos EUA sejam do mesmo estado, a Constituição impede que eleitores votem em duas pessoas do mesmo estado. Isso pode ser prejudicial se a eleição estiver próxima – e a campanha de Trump espera que seja assim, de acordo com vários conselheiros de Trump. Rubio não descartou mudar de residência.

    J.D. Vance

    O Senador J.D. Vance de Ohio, um novato no Congresso, entrou no cargo com a ajuda do ex-presidente, cujo endosso o ajudou a vencer uma disputada eleição em 2022.

    Vance criticou Trump em 2016 e, seis anos depois, Trump humilhou Vance publicamente, mesmo depois de endossá-lo na eleição de 2022.

    Ainda assim, Vance é um fervoroso apoiador de Trump no Congresso e frequentemente vota alinhado com os interesses do ex-presidente. Ele se opôs a um projeto de lei de ajuda à Ucrânia no início deste ano, adotando a crítica de Trump de fornecer mais ajuda. Ele também é próximo de Donald Trump Jr.

    Vance, ex-capitalista de risco, veterano e autor, está entre os candidatos que receberam materiais de avaliação para vice-presidente da campanha de Trump.

    Quando perguntado por Kaitlan Collins, da CNN, se ele hesitaria em ser companheiro de chapa de Trump, dado o tratamento que Trump deu a seu ex-presidente, Vance disse que está “extremamente cético de que a vida de Mike Pence estivesse em perigo” em 6 de janeiro de 2021, o dia da invasão do Capitólio dos EUA.

    Tim Scott

    Senador republicano Tim Scott / 23/10/2023 REUTERS/Jim Vondruska

    Trump disse que Tim Scott é “um cara que eu considero” quando perguntado em um programa de rádio no início deste ano se o senador da Carolina do Sul era um favorito para ser seu potencial companheiro de chapa.

    Embora Scott tenha desafiado Trump pela indicação republicana neste ciclo eleitoral, ele conduziu uma campanha que evitou críticas excessivas ao ex-presidente e frequentemente expressou apoio às políticas implementadas durante a administração Trump, posicionando-se para ser considerado como companheiro de chapa.

    Desde que ele suspendeu sua campanha em novembro, ele se alinhou com Trump e está entre os candidatos que receberam vários níveis de documentação no processo de avaliação para vice-presidente.

    Scott foi nomeado para o Senado em 2013 pela então Governadora da Carolina do Sul. Nikki Haley. Ele manteve o cargo em uma eleição especial de 2014, foi reeleito para um mandato completo em 2016 e conquistou um segundo mandato completo em 2022. Ele possui um dos registros de voto mais conservadores no Congresso e raramente discordou de Trump durante a presidência deste último.

    Elise Stefanik

    A líder da Conferência Republicana da Câmara, Elise Stefanik, é uma das candidatas a vice de Trump
    A líder da Conferência Republicana da Câmara, Elise Stefanik, é uma das candidatas a vice de Trump / X/@EliseStefanik

    A líder da Conferência Republicana da Câmara, Elise Stefanik, já foi uma cética de Trump durante a campanha de 2016 e nos primeiros dias de sua presidência. Desde então, ela emergiu como uma das apoiadoras mais ardentes do ex-presidente no Congresso.

    Stefanik fez uma forte defesa de Trump durante seu julgamento de impeachment em 2019, que a posicionou como uma “estrela republicana”, como afirmou o então presidente na época. Ela também contestou a vitória de Biden em 2020 na Câmara e promoveu mentiras sobre a eleição.

    Trump perguntou várias vezes aos doadores e aliados o que eles pensam sobre Stefanik como uma potencial vice-presidente, embora seu zelo percebido pelo cargo tenha afastado alguns dos conselheiros do ex-presidente, conforme uma fonte próxima a Trump disse anteriormente à CNN.

    Stefanik – que está entre os candidatos que receberam vários níveis de documentação no processo de avaliação para vice-presidente – expressou publicamente interesse em se tornar companheira de chapa de Trump ou ocupar um cargo no gabinete caso ele vença. A congressista, eleita pela primeira vez em 2014, disse à CNN no início deste ano que está “orgulhosa de ser uma das principais porta-vozes” e “serviria com orgulho em uma futura administração Trump”.

    Ben Carson

    O ex-secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano Ben Carson desafiou Trump pela nomeação republicana em 2016. Embora Carson, que não venceu uma única primária, não tenha endossado imediatamente Trump, ele fez uma forte defesa do homem que eventualmente se tornaria presidente.

    “Pessoas que pensam que Donald Trump seria a pior coisa que já aconteceu … cometem um erro muito grande ao tentar frustrar a vontade do povo”, disse Carson, um neurocirurgião aposentado, ao suspender sua campanha.

    Uma vez que Trump foi eleito, Carson recusou a oferta do então presidente eleito para ser seu secretário de saúde e serviços humanos. Mas ele eventualmente liderou o Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano, apesar das críticas de que ele não estava qualificado para fazê-lo.

    Carson, que está entre os candidatos que receberam vários níveis de documentação no processo de avaliação para vice-presidente, discorda da posição de Trump em um tema chave: o aborto. Em seu novo livro, “The Perilous Fight”, Carson argumentou a favor de uma legislação que “garanta o direito à vida para todos os cidadãos americanos, incluindo aqueles ainda no útero”. Trump afirmou que não assinaria uma proibição federal ao aborto se voltasse ao cargo.

    Byron Donalds

    Byron Donalds, deputado da Flórida, é um dos candidatos a vice de Trump
    Byron Donalds, deputado da Flórida, é um dos candidatos a vice de Trump / X/@ByronDonalds

    O deputado da Flórida, Byron Donalds, é um leal seguidor de Trump e um dos seus mais confiáveis porta-vozes. Ele ganhou destaque no mundo de Trump no ano passado ao endossar Trump sobre o governador da Flórida, Ron DeSantis, nas primárias presidenciais republicanas, e tem recebido elogios e apoio público rotineiros do ex-presidente.

    Ele fez parte do lançamento do grupo “Black Americans for Trump” (“Negros Americanos para Trump”, em tradução livre), destinado a atrair eleitores negros enquanto a campanha de Trump busca conquistar votos desse bloco tradicionalmente democrata. Donalds tem sido franco em questões relacionadas, incluindo comentários controversos que ele fez no início deste mês sugerindo que as famílias negras estavam “unidas” durante a era Jim Crow da segregação racial.

    Donalds está confiante de que, se selecionado como vice-presidente de Trump, ele seria capaz de assumir o papel de comandante em chefe, se necessário, e disse que apoiará Trump qualquer que seja sua decisão

    “Acho que tenho a habilidade para assumir”, disse Donalds em junho no programa “Meet the Press” da NBC. “Na verdade, sou bastante inteligente.”

    Nikki Haley

    Nikki Haley, que busca a indicação do Partido Republicano para disputar a eleição presidencial de novembro nos EUA / Faith Ninivaggi/Reuters (16.jan.24)

    A ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, foi a última oponente de Trump a permanecer na corrida presidencial do partido Republicano e, durante a campanha, ela tentou se distinguir do ex-presidente como uma alternativa melhor para atrair eleitores moderados e independentes em uma eleição geral contra Biden.

    Quando perguntado se consideraria Haley como sua companheira de chapa, Trump disse mais cedo neste mês que “ficou muito decepcionado com ela porque ela permaneceu [na disputa pela nomeação] por muito tempo”.

    Haley, que serviu como embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas sob Trump, disse durante a campanha que não sente “necessidade de beijar o anel”. Mesmo após suspender sua campanha, ela não endossou imediatamente o ex-presidente e, em vez disso, o instigou a “ganhar” o apoio dos eleitores que a apoiaram. No entanto, ela acabou dizendo no mês passado que votaria em seu ex-chefe.

    Mesmo após Haley suspender sua campanha, dezenas de milhares de eleitores continuaram a votar nela nas primárias republicanas em todo o país. Sua escolha poderia ajudar Trump a conquistar eleitores republicanos que estão buscando uma alternativa ao ex-presidente. Ainda assim, Trump mesmo disse no Truth Social que ela não está sob consideração.

    Haley foi eleita como governadora da Carolina do Sul em 2011, fazendo história como a primeira mulher e a primeira pessoa de uma minoria étnica a ocupar o cargo de governadora no estado.

    Na administração Trump, ela foi inicialmente considerada para o cargo de secretária de Estado antes de ser oferecido o cargo de embaixadora da ONU – um papel que ela disse ter aceitado sob a condição de ser membro do gabinete, estar no Conselho de Segurança Nacional e ter a capacidade de expressar sua opinião. Ela renunciou como embaixadora em outubro de 2018.

    Tom Cotton

    O Senador Tom Cotton, do Arkansas, passou meses explorando uma candidatura presidencial em 2024, mas eventualmente decidiu depois das eleições de meio de mandato de 2022 que não entraria na corrida.

    Eleito pela primeira vez para a Câmara dos EUA em 2012 e depois para o Senado dos EUA em 2014, o veterano da Guerra do Afeganistão e do Iraque estabeleceu-se como um falcão de segurança conservador. Cotton se estabeleceu como um conservador defensor da segurança nacional. Ele também colocou um longo obstáculo nas nomeações de procuradores e marechais dos EUA.

    Cotton anunciou no início deste ano que concorreria à presidência da conferência republicana do Senado, a terceira posição de liderança no ranking da liderança do partido. Mas ele disse à NBC neste mês que “qualquer grande patriota, se oferecido a chance de servir nosso país pelo presidente, teria que considerar seriamente”.

    No entanto, ele afirmou que não falou com Trump ou sua campanha sobre o papel “ou qualquer posição em sua administração”.

    Tulsi Gabbard

    A ex-deputada do Havaí, Tulsi Gabbard, é uma das candidatas a vice de Trump
    A ex-deputada do Havaí, Tulsi Gabbard, é uma das candidatas a vice de Trump / X/@TulsiGabbard

    A ex-deputada do Havaí, Tulsi Gabbard, concorreu como candidata presidencial democrata em 2020, mas deixou o partido para se tornar independente em 2022, alegando que seu antigo partido está “sob o completo controle de um grupo elitista de belicistas impulsionados por um extremismo covarde.

    Gabbard, uma veterana, foi eleita pela primeira vez para o Congresso em 2012, fazendo história como a primeira mulher samoana americana e primeira hindu praticante no Congresso. Ela também foi vice-presidente do Comitê Nacional Democrata. Gabbard deixou o Congresso em 2021.

    Como deputada, ela votou “presente” em ambos os artigos de impeachment contra Trump em 2019. Nos últimos meses, ela intensificou seus elogios e defesa do ex-presidente, alegando em uma Conferência de Ação Política Conservadora neste ano que “a elite democrata e seus comparsas” estão “usando nosso sistema criminal para processar” Trump e “minar seu apoio”.

    Gabbard expressou publicamente interesse em fazer parte da chapa presidencial, dizendo a uma plateia em resposta a uma pergunta durante um evento de lançamento de livro: “Se me pedissem para servir dessa maneira, eu ficaria honrada em fazê-lo”, de acordo com o New York Times.

    Em 2016, Gabbard foi considerada por Trump para empregos no Departamento de Defesa, no Departamento de Estado e nas Nações Unidas, disse uma fonte à CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original