Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Grupo ligado ao bilionário Charles Koch suspende doações à campanha de Nikki Haley

    E-mail do grupo disparado à equipe e obtido pela CNN aponta como justificativa para a decisão a meta de se concentrar nas principais disputas para o Senado e a Câmara dos EUA nas eleições de novembro

    Nikki Haley faz campanha na Carolina do Sul
    Nikki Haley faz campanha na Carolina do Sul 2/2/2024 REUTERS/Shannon Stapleton

    Ebony DavisAlison Mainda CNN

    O influente grupo associado ao bilionário Charles Koch não investirá mais seu dinheiro na campanha da ex-governadora da Carolina do Sul Nikki Haley nas primárias presidenciais republicanas.

    Um e-mail do grupo disparado à equipe e obtido pela CNN aponta como justificativa para a decisão a meta de se concentrar nas principais disputas para o Senado e a Câmara dos EUA nas eleições de novembro.

    “Com as primárias presidenciais da Carolina do Sul neste fim de semana e o envolvimento do Senado realmente esquentando, é hora de fazer um balanço de onde estamos e – como sempre fazemos – garantir que estamos otimizando nossos recursos para obter o máximo impacto em direção aos nossos objetivos”, escreveu a presidente e CEO da Prosperity, Emily Seidel.

    O endosso da Americans for Prosperity Action (AFP Action, na sigla em inglês) em novembro foi um impulso significativo para Haley enquanto ela buscava se tornar a principal alternativa ao ex-presidente Donald Trump nas primárias do Partido Republicano.

    O grupo conservador, que se comprometeu a apoiar um único candidato nas primárias presidenciais do Partido Republicano pela primeira vez na sua história, mobilizou os seus vastos recursos e o seu exército de ativistas em nome da antiga embaixadora dos EUA na ONU.

    Mas embora a disputa tenha se resumido a Haley e Trump, o ex-presidente continua sendo o favorito depois de uma forte vitória no estado natal de Haley, no sábado.

    Seidel enfatizou que a AFP Action ainda está ao lado de Haley, mesmo que não esteja mais gastando para impulsionar sua campanha, escrevendo que ela “nos mostrou repetidamente que tomamos a decisão certa ao apoiar sua candidatura e ela continua a ter nosso forte apoio”.

    “Ela deixou claro que continuará a lutar e nós a apoiamos de todo o coração neste esforço. Mas dados os desafios que se avizinham nos estados, não acreditamos que qualquer grupo externo possa fazer uma diferença material para alargar o seu caminho para a vitória”, acrescentou.

    A porta-voz da campanha de Haley, Olivia Perez-Cubas, agradeceu à AFP pelo seu apoio e enfatizou que a campanha tem “combustível suficiente para continuar”, já que Haley promete permanecer na corrida pela Casa Branca.

    “A AFP é uma grande organização e aliada na luta pela liberdade e por um governo conservador. Agradecemos a eles por sua tremenda ajuda nesta corrida”, disse Perez-Cubas em comunicado à CNN.

    “A nossa luta continua, e com mais de 1 milhão de dólares provenientes dos conservadores de base apenas nas últimas 24 horas, temos combustível suficiente para continuar. Temos um país para salvar”, completou.

    A decisão da rede foi reportada pela primeira vez pelo Politico.

    Os responsáveis ​​da rede já tinham destacado que o Senado, em particular, seria uma prioridade máxima para os seus investimentos, argumentando que garantir maioria na Casa representava a melhor oportunidade de se proteger contra o controle total dos Democratas em Washington.

    Ao apoiar Haley no ano passado, o grupo deixou claro que iria ignorar Trump na sua busca para encontrar o que Seidel chamou de um presidente “que represente um novo capítulo”.

    “Os últimos três ciclos eleitorais pintaram uma imagem muito clara do que podemos esperar dos eleitores que rejeitaram consistentemente Donald Trump e o seu impacto na marca do Partido Republicano”, advertiu Seidel no seu e-mail de domingo, acrescentando: “Devemos esperar que isto aumente à medida que os julgamentos criminais avançam.”