Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Posição de Biden se deteriora enquanto coletiva determinante se aproxima

    Importante coletiva de Biden na cúpula da Otan pode definir seu futuro político, enquanto democratas expressam preocupações sobre sua capacidade de vencer Trump em 2024

    Presidente dos EUA, Joe Biden
    Presidente dos EUA, Joe Biden Elizabeth Frantz/Reuters (01.jul.24)

    Stephen Collinsonda CNN

    As últimas 24 horas, que abalaram a base política da candidatura à reeleição de Joe Biden, o deixam enfrentando a mais alta pressão em uma coletiva de imprensa presidencial na história moderna nesta quinta-feira (11).

    A importância da aparição solo de Biden no final da cúpula da Otan aumentou a cada hora, à medida que sua posição política se desmoronava a um ritmo alarmante. Apoiadores, desde o Congresso a Hollywood, avisaram que ele precisava deixar a corrida pelo bem do partido e do país, e a ex-presidente da Câmara, Nancy Pelosi, enviou um claro sinal de que um presidente recalcitrante deveria repensar suas opções.

    A rebelião, liderada por uma pequena minoria de democratas do Congresso, mas parecendo ser mais profunda, reflete o medo que agora surge no Capitólio de que o ex-presidente Donald Trump possa provocar uma onda republicana que daria aos conservadores um monopólio de poder no Congresso, na Casa Branca e na Suprema Corte.

    Alguns democratas temem que a determinação de Biden, de 81 anos, em concorrer novamente, apesar das habilidades reduzidas expostas pelo debate, possa pôr em risco a própria democracia que ele afirma estar tentando salvar.

    O presidente – que já estava em má situação política mesmo antes do debate desastroso – está determinado a não passar a tocha a um democrata mais jovem. Mas três fatores poderiam tornar sua posição insustentável: uma fratura no apoio dentro de seu partido; o financiamento de campanha secar; e dados de pesquisas desfavoráveis.

    Enquanto Biden saudava líderes mundiais na cúpula da Otan na quarta-feira (10) e liderava discussões sobre como salvar a Ucrânia, peças estavam se encaixando para tornar essa tríade fatal uma realidade.

    Nada menos que as esperanças de Biden de um segundo mandato estarão em jogo na coletiva de imprensa exatamente duas semanas após sua performance incoerente e atordoada no debate ter jogado sua campanha em uma queda livre.

    Esse é o mais recente de uma série de eventos públicos que se transformaram em exames excruciantes da saúde e capacidade cognitiva de Biden, durante os quais qualquer deslize ou confusão poderia desencadear um desastre político.

    Qualquer sinal de que seu raciocínio ou desempenho estão atrapalhados pela idade reforçaria uma impressão de debilidade presidencial gravada na consciência nacional no debate da CNN e poderia inflamar uma revolta democrata surpreendente.

    O presidente dos EUA, Joe Biden, após desembarcar do Força Aérea Um na Base Conjunta de Andrews, Maryland, EUA / 20/05/2024 REUTERS/Elizabeth Frantz

    Terreno em mudança sob o presidente

    O dia começou com Pelosi, ainda uma importante corretora de poder do partido, contradizendo a insistência de Biden de que as questões sobre seu desempenho no debate e sua nomeação estavam encerradas.

    Aparecendo no “Morning Joe” da MSNBC, ela disse que cabia a Biden “decidir se ele vai concorrer” – comentários que todos em Washington interpretaram como um pedido para Biden mudar de ideia. A democrata da Califórnia parecia estar oferecendo ao presidente outra chance de mudar de ideia graciosamente após ele avisar no início da semana: “Não vou a lugar nenhum”.

    Durante todo o dia, legisladores enviaram sinais semelhantes. O deputado democrata Ritchie Torres – membro do Caucus Negro do Congresso, que apoia Biden – disse à CNN: “Se estamos em uma missão suicida política, então devemos pelo menos ser honestos sobre isso”.

    Seu colega de Nova York, o moderado deputado Pat Ryan, pediu a Biden que cumprisse sua promessa de ser uma ponte para uma nova geração de líderes. “Trump é uma ameaça existencial para a democracia americana; é nosso dever apresentar o candidato mais forte contra ele. Joe Biden é um patriota, mas não é mais o melhor candidato para derrotar Trump”.

    E na noite de quarta-feira, o senador de Vermont, Peter Welch, se tornou o primeiro senador democrata a pedir publicamente que Biden se retire. “Ele nos salvou de Donald Trump uma vez e quer fazer isso novamente. Mas ele precisa reavaliar se é o melhor candidato para isso. Em minha opinião, ele não é”, escreveu Welch em um artigo de opinião no Washington Post.

    Os principais oficiais da campanha de Biden devem se reunir com senadores democratas na quinta-feira para defender o caso do presidente, mas uma ata de assessores ficará bem aquém das medidas que os membros estão exigindo para mostrar que Biden tem força para vencer Trump.

    Presidente dos EUA, Joe Biden, com a então presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi / Getty Images

    Até a noite de terça-feira (9), parecia que Biden havia conseguido conter o ímpeto contra ele. Mas em 24 horas, ele estava rapidamente perdendo terreno e está se tornando difícil imaginar como o partido pode se unir em torno dele na Convenção Nacional Democrata em agosto se muitos legisladores deixarem Chicago e entrarem em uma eleição na qual acreditam que seu candidato presidencial selará sua derrota.

    As preocupações dos legisladores são tão significativas porque estão ouvindo os eleitores, lendo dados de pesquisas em seus estados e concluindo que Biden não só não pode vencer, mas – como disse o senador do Colorado, Michael Bennet, à CNN na terça-feira – poderia entregar a Trump uma vitória esmagadora que ele usaria para implementar sua agenda autoritária.

    Os principais líderes democratas no Congresso ainda não disseram que Biden deve sair. E o presidente ainda tem seus defensores.

    O senador Chris Coons, de Delaware, aliado e copresidente da campanha de Biden, disse à CNN na quarta-feira: “Ele será nosso candidato na convenção. Ele será nosso candidato no outono. Ele será o próximo presidente dos Estados Unidos“.

    O senador John Fetterman, que representa o crucial estado decisivo da Pensilvânia, disse à CNN que seria uma “desgraça descartar e expulsar um presidente incrível” e que compareceria à reunião dos senadores democratas na quinta-feira com armado com soco-inglês para defender Biden.

    Mas a frustração crescente e as indicações de que o apoio em queda do presidente poderia acabar com as esperanças do partido em novembro ajudam a explicar por que o líder da minoria democrata na Câmara, Hakeem Jeffries, disse a seus membros que transmitiria suas preocupações a Biden.

    Biden não é mais o “grande negócio” de 2010

    A deserção mais pessoalmente dolorosa de Biden veio do ator e mega doador democrata George Clooney, que apareceu em uma arrecadação de fundos com o presidente no mês passado. O diretor e estrela de “Boa Noite e Boa Sorte” disse que amava Biden, e acreditava em sua moral, caráter e presidência.

    Mas ele escreveu em um artigo de opinião no New York Times: “o Joe Biden com quem estive há três semanas na arrecadação de fundos não era mais o Joe ‘grande negócio’ Biden de 2010”. Clooney continuou: “Ele nem mesmo era o Joe Biden de 2020. Ele era o mesmo homem que todos testemunhamos no debate. Não vamos ganhar em novembro com este presidente”.

    O artigo de Clooney ressaltou como a situação de Biden não é apenas uma controvérsia política fervente, mas se tornou uma provação humana dolorosa para o presidente, que é amado por muitos democratas, mas cuja saúde e capacidades diminuídas estão agora se tornando material para um debate humilhante da forma mais pública possível.

    Clooney mantém contatos profundos com detentores de cargos democratas e doadores, então suas opiniões têm mais peso do que as de qualquer celebridade. E ele não é o único doador descontente.

    Em outro sinal de perigo para a candidatura de Biden, um estrategista democrata disse à CNN: “tudo está congelado porque ninguém sabe o que vai acontecer. Todos estão em modo de espera”, acrescentando que o dinheiro estava à espera e aguardando o resultado da coletiva de imprensa de Biden na quinta-feira e entrevistas.

    O presidente se sentará com o âncora do “Nightly News” da NBC, Lester Holt, para uma entrevista que será gravada e exibida na próxima segunda-feira (15), anunciou a rede.

    O presidente dos EUA Joe Biden fala durante uma entrevista com o âncora da ABC News, George Stephanopoulos, em Madison, Wisconsin, em 5 de julho.
    O presidente dos EUA Joe Biden fala durante uma entrevista com o âncora da ABC News, George Stephanopoulos, em Madison, Wisconsin, em 5 de julho de 2024 / ABC News via CNN Newsource

    Houve uma queda em pesquisas públicas para Biden desde o debate. E a deputada Elissa Slotkin, que está em uma disputa acirrada para o Senado em Michigan, disse a doadores em uma chamada de vídeo na terça-feira que Biden estava atrás de Trump em pesquisas privadas em seu estado, relatou o New York Times.

    Se o presidente não puder vencer em Michigan, como fez em 2020, seu caminho para os 270 votos eleitorais necessários para vencer a Casa Branca se torna insignificante.

    A crise profunda que assola o Partido Democrata não está apenas prejudicando as chances de Biden de manter a nomeação. Está também oferecendo a Trump e aos republicanos uma fonte inesgotável de anúncios de ataque contra Biden se ele for confirmado como o candidato.

    Candidatos individuais também podem esperar ser criticados por apoiar uma figura de partido que muitos democratas declararam não estar apta para servir um segundo mandato que terminaria quando ele tivesse 86 anos.

    E duas semanas de agonia sobre a idade e as faculdades mentais de Biden, combinadas com um esforço de mitigação desajeitado pela Casa Branca e pela campanha, tiraram o foco que estava sob Trump e privaram os democratas da comparação com a ilegalidade e volatilidade do ex-presidente que muitos acreditavam originalmente que ajudariam Biden a manter a Casa Branca.

    A ex-prefeita de Atlanta, Keisha Lance Bottoms, assessora sênior da campanha de Biden, alertou que os democratas precisavam acabar com suas disputas e apoiar o presidente antes que fosse tarde demais. Ela disse à CNN que era “assombroso” que seu partido estivesse em uma “missão suicida” tão perto da eleição.

    Mas à medida que a posição política de Biden continua a se deteriorar rapidamente, a questão está se tornando quanto tempo ele ainda pode insistir que é o único democrata que pode vencer Trump.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original