Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Em meio a testes norte-coreanos, EUA aportam submarino nuclear na Coreia do Sul pela 1ª vez em décadas

    Embarcação pode ser usada como ameaça para impedir que a Coreia do Norte ataque sua vizinha

    USS Kentucky, que fez escala na Coreia do Sul, quando partiu do Alasca em 2017
    USS Kentucky, que fez escala na Coreia do Sul, quando partiu do Alasca em 2017 Handout/Shaun Griffin/U.S. Navy/File

    Brad LendonYoonjung SeoGawon Baeda CNN

    Seul

    Pela primeira vez em décadas, um submarino de mísseis balísticos da Marinha dos Estados Unidos com capacidade nuclear fez escala na Coreia do Sul. Movimento ocorre poucos dias depois que a Coreia do Norte testou o que disse ser um míssil balístico intercontinental de combustível sólido.

    A presença do submarino de mísseis balísticos da classe Ohio na cidade portuária sul-coreana de Busan foi anunciada pelo Ministério da Defesa do país na tarde de terça-feira (18).

    Ele veio quando Kurt Campbell, coordenador para o Indo-Pacífico no Conselho de Segurança Nacional dos EUA, estava na reunião inaugural em Seul do Grupo Consultivo Nuclear (NCG).

    O NCG é um painel conjunto dos EUA e da Coreia do Sul criado pelos líderes dos países em uma cúpula em Washington em abril.

    A chegada do submarino segue um período de tensões elevadas na península, durante o qual a Coreia do Norte testou o que disse ser um míssil avançado de longo alcance e ameaçou abater aeronaves de reconhecimento militar dos EUA envolvidas no que chamou de atividades de “espionagem hostil” próximas ao seu território.

    Kim Yo Jong, irmã do líder norte-coreano Kim Jong Un e uma autoridade sênior do país por si só, disse em um comunicado na segunda-feira (17) que o envio de um submarino de mísseis balísticos dos EUA para a península danificaria as linhas de comunicação já fraturadas entre os dois lados.

    “A realidade perante a RPDC (República Popular Democrática da Coreia) não é o diálogo repetidamente elogiado pelos EUA”, disse Kim. Em vez disso, disse ela, o NCG estava “discutindo abertamente o uso de armas nucleares contra a RPDC e a entrada do submarino nuclear estratégico dos EUA nas águas da Península Coreana pela primeira vez em 40 anos”.

    “Os EUA devem saber que seu sistema de dissuasão estendido reforçado e sistema de aliança militar excessivamente estendido — uma entidade ameaçadora — apenas fará com que a RPDC se afaste ainda mais da mesa de negociações desejada por eles”, acrescentou o comunicado.

    Submarino pode transportar até 80 ogivas

    Conhecidos coloquialmente como “boomers”, cada um dos submarinos da classe Ohio pode transportar no máximo 20 mísseis balísticos Trident II.

    A Iniciativa de Ameaça Nuclear do James Martin Center for Nonproliferation Studies estima que cada míssil Trident pode carregar quatro ogivas nucleares, o que significa que cada submarino de míssil balístico dos EUA pode carregar cerca de 80 ogivas nucleares.

    A escala saiu de um acordo entre o presidente dos EUA, Joe Biden, e o presidente da Coreia do Sul, Yoon Suk Yeol, quando se encontraram na capital dos EUA em abril. A Declaração de Washington incluía um conjunto de medidas destinadas a fazer Pyongyang pensar duas vezes antes de lançar um ataque ao seu vizinho do sul.

    “Nosso tratado de defesa mútua é rígido e inclui nosso compromisso de estender a dissuasão — e isso inclui a ameaça nuclear, a dissuasão nuclear”, disse Biden na época.

    O estabelecimento do NCG surgiu dessa reunião Biden-Yoon.

    Em uma declaração conjunta na terça-feira, os dois aliados disseram que o NCG melhoraria a “dissuasão combinada e a postura de resposta”.

    “Como resultado, a força coletiva de nossas duas nações contribuirá diretamente para a manutenção da paz e estabilidade na Península Coreana e em toda a região do Indo-Pacífico”, diz o comunicado.

    “Esta reunião inaugural do NCG deu aos Estados Unidos a oportunidade de reafirmar e fortalecer o compromisso dos EUA de fornecer dissuasão estendida à Coreia do Sul, apoiada por toda a gama de capacidades dos EUA, incluindo nuclear”, acrescentou.

    Pouco valor militar

    Após a Declaração de Washington, analistas disseram que a presença de um submarino de mísseis balísticos da Marinha dos EUA em um porto sul-coreano seria puramente simbólica — e de fato reduziria o valor militar do submarino.

    “Taticamente, (os EUA e a Coreia do Sul) estão diminuindo o recurso mais poderoso do submarino; sua furtividade”, disse Carl Schuster, ex-diretor de operações do Centro de Inteligência Conjunta do Comando do Pacífico dos EUA no Havaí, em abril.

    Os mísseis Trident têm um alcance de 7,4 mil km, o que significa que são capazes de atingir um alvo na Coreia do Norte a partir de vastas faixas dos oceanos Pacífico, Índico ou Ártico.

    “Militarmente, (esses submarinos) não precisam estar perto da Coreia para atingir alvos potenciais lá”, disse Blake Herzinger, pesquisador do Centro de Estudos dos Estados Unidos, em abril.

    Uma das chaves para a dissuasão nuclear é a incerteza.

    Um submarino de míssil balístico dos EUA à espreita centenas de metros abaixo da superfície do oceano, a milhares de quilômetros da Coreia do Norte, ainda estaria dentro do alcance de ataque de Pyongyang, mas seria quase impossível para a Coreia do Norte detectá-lo.

    Um que chegue à Coreia do Sul em uma visita ao porto — que deve ser agendada com 24 a 48 horas de antecedência — seria muito mais visível, dando uma vantagem à Coreia do Norte, disse Schuster.

    “Se Kim Jong Un estava procurando fazer um ataque surpresa, nós demos a ele a localização do submarino e a hora em que ele estará lá”, disse Schuster.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original