Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Entenda a crise de Pedro Sánchez na Espanha

    Chefe do governo vai anunciar nesta segunda-feira (29) se permanece no cargo

    Premiê da Espanha, Pedro Sánchez, faz declaração no Palácio de la Moncloa, em Madri
    Premiê da Espanha, Pedro Sánchez, faz declaração no Palácio de la Moncloa, em Madri 24/02/2022REUTERS/Jon Nazca/Pool

    Da CNN

    O presidente de Governo da Espanha, Pedro Sánchez, anunciou na quarta-feira (24) que cancelaria sua agenda pública por alguns dias para refletir se permanece no comando do governo, depois que um tribunal de Madri abriu uma investigação contra sua esposa, Begoña Gómez.

    Neste sábado (27), milhares de pessoas se manifestaram nas ruas de Madri em apoio a Sánchez, à espera de seu anúncio previsto para segunda-feira (29) sobre se continuará ou não no cargo.

    Milhares de apoiadores se reúnem para pedir permanência de Pedro Sánchez, na Espanha / Reuters

    Quem é Begoña Gómez?

    Na Espanha, a esposa do Chefe de Governo não é considerada a primeira-dama, por isso Gómez que é casada com Sánchez desde 2006, não tem um cargo público nem um escritório oficial.

    Embora não tenha presença nas redes sociais, Gómez é ativa no LinkedIn. Por lá registra sua experiência no campo de marketing e arrecadação de fundos.

    Atualmente é diretora da Cátedra Extraordinária de Transformação Social da Universidade Complutense de Madri. Também é co-diretora do Mestrado em Transformação Social Competitiva e da Direção de Fundraising Público e Privado em Organizações sem Fins Lucrativos.

    Pedro Sánchez e a esposa Begoña Gomez / WIktor Szymanowicz/NurPhoto via Getty Images

    Gómez também é sócia e coordenadora do grupo de trabalho Transformação Social empresarial desde 2018 e sócia da Associação Espanhola de Fundraising desde 2012.

    Quais são as acusações contra Begoña Gómez?

    A denúncia apresentada pela organização Mãos Limpas indica que Gómez teria utilizado o estatuto pessoal de esposa do presidente de Governo da Espanha para recomendar ou caucionar empresários que se apresentavam a concursos públicos e beneficiar um parente em outro concurso, segundo consta o documento ao qual a CNN teve acesso.

    A acusação cita informações publicadas por alguns meios de comunicação.

    A investigação contra Begoña Gómez na Justiça

    O caso está apenas em diligências prévias, que foram classificadas como secretas. Até o momento, Gómez não foi acusada de nenhum delito.

    A denúncia contra Gómez poderá chegar a lugar nenhum (como aconteceu em outros casos movidos pelas Mãos Limpas).

    A Promotoria Geral do Estado disse à CNN nesta quinta-feira (25) que promotores de Madri apelaram da decisão do tribunal e solicitaram que se arquive a investigação. E uma fonte do Ministério Público acrescentou, ao falar com a CNN, que não há indícios de qualquer delito no conteúdo da denúncia.

    O que diz Sánchez?

    Até agora, Gómez não se pronunciou sobre o caso.

    Premiê espanhol Pedro Sánchez em Bilbao / 19/4/2024 REUTERS/Vincent West

    Por sua vez, Sánchez disse na carta que publicou na quarta-feira (24) que a denúncia consiste em “falsidades” e “informações espúrias” sobre as quais sua esposa tem movido ações legais para que esses meios sejam retificados, e qualificou a Mãos Limpas como uma organização ultradireita e disse que o objetivo da denúncia é “prejudicá-lo no âmbito político e pessoal”.

    Além disso, assinalou que as acusações contra Gómez são parte de uma “estratégia de assédio” de seus opositores políticos da direita e da extrema direita. “Há meses que é perpetrada”, acrescentou. “Este ataque não tem precedentes, é tão grave e tão grosseiro que preciso parar e refletir com minha esposa. (…) Preciso entender se vale a pena, apesar da lama em que a direita e a extrema direita pretendem converter a política”, garantiu Sánchez.

    Reação da oposição

    Desde a formação da centro direita que lidera a oposição, o Partido Popular, exige que Sánchez dê explicações. “Em vez de desaparecer por cinco dias, o presidente deve aparecer com urgência para dar uma explicação fundamentada dos escândalos que envolvem seu partido, seu governo e sua parceira”, disse na noite de quarta-feira (24) a secretária-geral do PP, Cuca Gamarra.

    “Denunciamos que o presidente de Governo aposte na vitimização e na pena em vez da responsabilidade e da clareza”, acrescentava Gamarra.

    Em uma linha semelhante, o presidente da formação de ultradireita Vox, Santiago Abascal, se perguntava através de sua conta oficial do X (antigo Twitter) se este anúncio responde a uma manobra de Sánchez “para se apresentar como uma pobre vítima” e para “preparar sua defesa legal”.

    Aliados de Sánchez, composto pelos ministros que fazem parte do seu Governo, mostraram rapidamente o seu apoio ao dirigente. Um apoio que veio acompanhado de críticas às formações de direita e ultradireita, que Sánchez acusa de conduzir uma campanha de assédio contra ele e sua esposa para desgastar sua imagem política e pessoas.

    María Jesús Montero, primeira vice-presidente do governo e ministra das Finanças, e Vice-Secretária geral do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), escreveu em sua conta oficial do X: “Estamos todos contigo, presidente. A direita e a extrema direita ultrapassaram as linhas vermelhas e os ataques pessoais são inadmissíveis e devem parar de uma vez por todas. Somos milhões de pessoas que te apoiam face a uma minoria que não aceita a legitimidade das urnas”.

    “A ofensiva da direita não pode sair com a sua. Há que defender a democracia, o bloco progressista e a legitimidade do governo de coalizão que tanto melhorou a vida das pessoas”, disse Yolanda Díaz, vice-presidente segunda do governo da Espanha e ministra do Trabalho e da Economia Social.

    Mãos Limpas

    Em seu site, a organização Mãos Limpas se identifica como um “sindicato independente” que diz representar os trabalhadores da função pública. No entanto, ganhou notoriedade na imprensa, ao promover processos judiciais contra figuras importantes.

    Mãos Limpas menciona entre seus principais objetivos “alcançar a independência do Poder Judiciário”, e para consegui-lo acrescenta a organização, “interpomos todo tipo de denúncias, perante as corrupções políticas ou econômicas que prejudiquem o interesse público ou geral”.

    O líder do grupo, Miguel Bernard, admitiu em um comunicado nesta quinta-feira (25) que sua denúncia se baseou em informação possivelmente falsa publicadas em meios digitais.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original