Entenda como Diana ficou conhecida como “a princesa do povo”

Antes da princesa morrer em um acidente de carro, em 1997, ela disse que gostaria de ser a "rainha do coração das pessoas"

Quando as transmissões de TV começaram a noticiar o acidente mortal, a família real divulgou um breve comunicado de que estava "profundamente chocada e angustiada" com a notícia
Quando as transmissões de TV começaram a noticiar o acidente mortal, a família real divulgou um breve comunicado de que estava "profundamente chocada e angustiada" com a notícia Foto: REUTERS/Russell Boyce

Breeanna Hareda CNN*

Ouvir notícia

Em 1995, dois anos antes de Diana morrer em um acidente de carro em Paris, na França, ela disse em uma entrevista que gostaria de ser uma rainha. A princesa de Gales, no entanto, não estava falando sobre a monarquia britânica. Ela queria ser a rainha do coração das pessoas.

Nos 24 anos desde sua morte em 31 de agosto de 1997, tornou-se claro o quão bem ela cumpriu essa esperança. Todo mês de agosto, homenagens chegam para celebrar sua vida e legado.

Quando viva, Diana usou sua celebridade para aumentar a conscientização para uma série de causas, da hanseníase à violência doméstica e à saúde mental. Ela ganhou as manchetes em 1987 quando apertou a mão intencionalmente de um paciente com AIDS, trabalhando para desfazer o mito de que o HIV/AIDS poderia ser transmitido pelo toque.

Nos meses antes de morrer, ela pegou os holofotes da mídia e os colocou diretamente sobre os perigos das minas terrestres em Angola. Ela era, segundo o ex-primeiro-ministro do Reino Unido Tony Blair, “a princesa do povo”.

“As pessoas sentiam uma afinidade com ela”

Quando o ex-primeiro-ministro usou essa frase em um discurso após a morte de Diana, ele estava procurando palavras para ajudar uma nação a sofrer a perda repentina e chocante.

A princesa de Gales finalizou seu divórcio do príncipe Charles em 1996, mas a intensa cobertura da mídia ainda a perseguia quando ela saiu de férias no verão seguinte com o namorado Dodi Fayed.

Pouco depois da meia-noite de 31 de agosto, um Mercedes que transportava Diana e Fayed caiu em um túnel próximo à Torre Eiffel de Paris. O acidente matou Diana, Fayed e seu motorista, Henri Paul.

A notícia chegou à família real enquanto eles estavam na Escócia, no Castelo de Balmoral. Em poucas horas, Charles voou para Paris para recuperar o corpo de Diana antes de retornar a Balmoral para ficar com os filhos dele e de Diana, o Príncipe William e o Príncipe Harry.

“A reação imediata da família real foi dizer: ‘Devemos nos proteger e proteger as crianças; haverá formalidades que serão seguidas, mas é o que fazemos”, disse o autor Jonathan Dimbleby na Série Original da CNN Internacional sobre a família real “The Windsors”.

“A prioridade de Charles eram aqueles meninos. Ele estava desesperadamente preocupado com eles”, acrescenta a biógrafa Penny Junor. “Aos 15 e 12 anos, William e Harry “tinham uma idade muito delicada e difícil, essa foi a coisa mais chocante, terrível e medonha que aconteceu”.

Princesa Diana
Ela ganhou as manchetes em 1987 quando apertou a mão intencionalmente de um paciente com AIDS, trabalhando para desfazer o mito de que o HIV/AIDS poderia ser transmitido pelo toque/ Foto: Reprodução/Twitter

Breve comunicado não foi suficiente

Quando as transmissões de TV começaram a noticiar o acidente mortal, a família real divulgou um breve comunicado de que estava “profundamente chocada e angustiada” com a notícia.

Mas, o posicionamento “para essa população em luto, parecia nada”, lembra a historiadora Kate Williams em “The Windsors”.

Conforme as horas passavam, com britânicos notoriamente reservados em luto aberto, todos os olhos se voltaram para o Palácio de Buckingham para fazer um gesto ou declaração maior — para fazer uma conexão, como Diana sempre foi capaz de fazer.

“As pessoas se sentiram muito emocionadas com Diana, porque ela tinha uma conexão extraordinária com todo mundo”, disse Anji Hunter, ex-conselheiro de Blair, na série da CNN. “As pessoas sentiam afinidade com ela. Era como se sua própria amiga amada, mãe, irmã tivesse morrido.”

E da perspectiva do público, a rainha e toda monarquia britânica estavam silenciosas demais. “Acho que o público estava esperando a rainha liderar pela manhã”, diz Junor. “E ela não fez.”

Traduzindo a dor de um país

O então primeiro-ministro Blair entrou para essa crítica crescente, ocupando há apenas quatro meses o cargo. Em sua autobiografia, ele se lembra de estar bem ciente da dor e da raiva que estavam começando a irradiar do público.

A resposta do palácio “foi muito de acordo com o livro, mas não levou em consideração o fato de que as pessoas não davam a mínima para o livro”, disse ele, segundo a BBC, na obra que escreveu sobre o período como primeiro-ministro.

Blair disse que seu papel era “proteger a monarquia, canalizar a raiva antes que se tornasse raiva e, geralmente, fazer com que todo o negócio emergisse de uma forma positiva e unificadora, em vez de ser uma fonte de tensão, divisão e amargura”.

Assim que o então primeiro-ministro tomou o microfone, ele compartilhou a emoção que o público estava procurando. “Eu me sinto como todo mundo neste país hoje, totalmente devastado”, disse ele sobre a morte de Diana.

“Ela era um ser humano maravilhoso e caloroso. Embora sua própria vida muitas vezes fosse tristemente marcada pela tragédia, ela tocou a vida de tantas outras, na Grã-Bretanha e em todo o mundo, com alegria e conforto. Ela era a princesa do povo, e é assim que ela vai ficar, como ela vai ficar em nossos corações e em nossas memórias, para sempre

Refletindo sobre a frase “a princesa do povo” em seu livro, Blair disse que “parece algo de outra época, cafona e exagerado”.

No entanto, é difícil argumentar sobre o quão bem capturou o legado de Diana, particularmente naquele momento, ponderou o jornalista Richard Kay em “The Windsors”.

“Ele cunhou esta frase maravilhosa sobre a princesa do povo e ela tocou”, diz Kay. “Parecia resumir os sentimentos de um país paralisado de dor e choque de uma forma que a Rainha não fez.”

Reverência à nora

Antes do funeral de Diana, a Rainha Elizabeth II respondeu a um público que exigia um posicionamento mais relevante da família real sobre a morte da princesa.

Na TV ao vivo, ela abordou seus temas como uma “rainha e uma avó”, comentando sobre Diana como um “ser humano excepcional e talentoso”. E no funeral, a Rainha deu mais um passo para prestar homenagem.

“A Rainha não se curva a ninguém — nunca”, disse a historiadora Jane Ridley na série da CNN. No entanto, enquanto o cortejo fúnebre passava pelo Palácio de Buckingham, a rainha foi vista na frente, “fazendo uma reverência à nora”.

(*Esse texto foi traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN