Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Entenda a importância da Ucrânia no mercado mundial de grãos

    Após mais de cinco meses de guerra, primeiro navio com grãos deixou porto de Odessa nesta segunda-feira (1º)

    Cargueiro Razoni, de bandeira de Serra Leoa, parte de porto de Odessa, na Ucrânia
    Cargueiro Razoni, de bandeira de Serra Leoa, parte de porto de Odessa, na Ucrânia Serviço de Imprensa do Comando das Forças Navais Ucranianas/Divulgação via Reuters (01.ago.2022)

    Germán Padingerda CNN

    Ouvir notícia

    Pouco mais de uma semana depois de um acordo entre a Ucrânia e a Rússia para permitir a exportação de grãos em meio à guerra, o primeiro navio carregado com grãos partiu nesta segunda-feira (1º) do porto de Odessa.

    O navio Razoni, com bandeira da Serra Leoa, está carregado com 26.500 toneladas métricas (o equivalente a cerca de 29 mil toneladas curtas, unidade de massa usada nos EUA) de milho ucraniano e estava navegando pelo Mar Negro em direção ao Estreito de Bósforo, através do qual chegará ao Mar Mediterrâneo e mercados globais, de acordo com o rastreador de satélite MarineTraffic. Seu destino relatado é Trípoli, no Líbano.

    O acordo entre a Ucrânia e a Rússia foi assinado em 22 de julho e mediado pela Turquia, que controla o Bósforo e monitorará o cumprimento do pacto, e sob os auspícios das Nações Unidas.

    Permite a exportação de cinco milhões de toneladas de cereais da Ucrânia por mês, através de um corredor seguro no Mar Negro, e implica um cessar-fogo entre a Ucrânia e a Rússia, em guerra desde 24 de fevereiro, em torno deste corredor marítimo.

    Gráfico: João Donnangelo/CNN

    O acordo entrou em dúvida apenas um dia depois de ter sido assinado, quando a Rússia atacou instalações portuárias em Odessa com mísseis de cruzeiro. Mas, até agora, as partes continuaram em sua implementação.

    Desde o início da guerra, estima-se que 20 milhões de toneladas de grãos ucranianos não foram exportadas após a colheita, e espera-se que o acordo permita que o cereal entre nos mercados e ajude a evitar a crise alimentar que a ONU alertou.

    Mas para onde vão os grãos produzidos na Ucrânia?

    De acordo com o Departamento de Agricultura dos EUA, a Ucrânia exportou cereais no valor de US$ 27,8 bilhões (R$ 144,4 bilhões) em 2021.

    União Europeia, China e Índia, principais destinos

    O principal mercado da Ucrânia é a União Europeia (UE), que foi responsável por US$ 7,7 bilhões (R$ 40 bilhões) em compras, seguida pela China, com US$ 4,2 bilhões (R$ 21,8 bilhões), e Índia, com US$ 2 bilhões (R$ 10,4 bilhões).

    Os três produtos agrícolas que lideram as exportações ucranianas são sementes de girassol (US$ 6,4 bilhões/R$33,2 bilhões), milho (US$ 5,9 bilhões/R$30,6 bilhões) e trigo (US$ 5,1 bilhões/R$ 26,5 bilhões). É seguido por colza (US$ 1,7 bilhão/R$ 8,8 bilhões), cevada (US$ 1,3 bilhão/R$ 6,7 bilhões) e farelo de girassol (US$ 1,2 bilhão/R$ 6,2 bilhões), um subproduto da moagem de girassol utilizado como ração animal.

    A Índia é o principal comprador de sementes de girassol ucranianas, enquanto a China é o principal comprador de milho, cevada e farelo de girassol.

    Os países da União Europeia, como um todo os maiores compradores de produtos agrícolas ucranianos, lideram a compra de sementes de colza (usadas para fazer óleo de canola), e ocupam o segundo lugar em milho, mudas de girassol e farelo de girassol.

    Egito, Indonésia e Turquia, principais compradores de trigo

    Dentro da UE, os principais destinos são Polônia (6,19% das exportações totais ucranianas), Alemanha (4,02%), Itália (3,72%), Holanda (3,44%), Hungria (2,87%) e Espanha (2,43%), segundo o Observatório da Complexidade Econômica.

    Outros grandes compradores são Egito (principal comprador de trigo e grande comprador de milho), Turquia (terceiro maior comprador de trigo e segundo maior comprador de trigo), Indonésia (segundo maior comprador de trigo), Paquistão (colmes), Arábia Saudita (cevada), Belarus (farelo de girassol) e Reino Unido (colmada).

    Qual é o acordo entre a Ucrânia e a Rússia para exportar cereais?

    Estas são algumas das principais disposições do acordo assinado em 22 de julho pela Ucrânia, Rússia e Turquia sob os auspícios da ONU:

    • Os navios ucranianos guiarão a entrada e saída de navios carregados de grãos por um corredor em águas portuárias minadas no Mar Negro;
    • No total, 5 milhões de toneladas de grãos podem ser movidas por mês;
    • A Rússia aceitará uma trégua enquanto os embarques forem feitos através de três portos ucranianos, incluindo Odessa, e em torno de quaisquer navios afetados pela transferência;
    • A Turquia inspecionará os navios para aliviar os temores da Rússia de que eles possam transportar armas contrabandeadas e estabelecer um Centro conjunto de coordenação em Istambul para atuar em caso de conflito;
    • Estima-se que possa levar semanas até o início das primeiras remessas, devido aos inúmeros detalhes logísticos que precisam ser desenhados.

    Rússia e Ucrânia são dois dos maiores exportadores mundiais de cereais, especialmente trigo e girassol, e desde o início da guerra as exportações ucranianas têm sido severamente afetadas pelo conflito, especialmente dado que a Rússia controla as águas do Mar Negro, em cuja costa ficam os principais portos ucranianos.

    Ambos os países são responsáveis por um terço das exportações globais de trigo e 60% do óleo de girassol, e de cada 100 calorias de alimentos comercializados no mundo, 12 vêm da Rússia e da Ucrânia, de acordo com dados do Instituto Internacional de Pesquisa de Política Alimentar.

    Em tempos de paz, a Ucrânia exporta três quartos de sua produção, e 90% dessas exportações ocorrem através de portos no Mar Negro, segundo informações da Comissão Europeia.

    O declínio das exportações ucranianas e a situação global causada pela guerra afetaram os preços globais dos alimentos, dado que há cerca de 20 milhões de toneladas de grãos retidos na Ucrânia.

    De acordo com dados de junho da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), os preços dos alimentos no mundo subiram 17% desde o início da guerra, em fevereiro, e 21% no caso dos grãos.

     

    *US$ 1 = R$ 5,20

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original

    Mais Recentes da CNN