Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Entenda os esforços de Biden para incluir Suécia na Otan e enviar armas à Turquia

    A potencial venda de caças F-16 para Ancara está vinculada à adesão sueca na aliança; líderes se reúnem nesta quarta-feira (12) para negociações

    Da CNN

    Uma pressão em todo o tribunal pela administração do presidente americano Joe Biden nos dias que antecederam a cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) culminou em meses de diplomacia nos bastidores para fazer a Turquia avançar com a adesão da Suécia à aliança.

    Uma parte importante desse esforço diplomático: obter progresso na potencial venda de caças F-16 para Ancara, capital turca – um pedido que, apesar das reivindicações de altos funcionários dos EUA, tornou-se vinculado à questão da adesão da Suécia à Otan.

    A venda de armas dos EUA para a Turquia não é um negócio fechado, e o principal oponente, o presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, Bob Menendez, disse à CNN na tarde de terça-feira (11) que “a partir de agora” ele continua se opondo.

    O democrata de Nova Jersey há muito tempo se opõe à venda de caças para Ancara, não apenas devido aos bloqueios da Turquia para a adesão da Suécia, mas também por questões de direitos humanos e agressões regionais, incluindo tensões com a Grécia.

    No entanto, há indícios de que os esforços para mudar a posição de Menendez e abordar suas preocupações tiveram algum impacto.

    Novos detalhes relatados pela CNN mostram como meses de diplomacia estável, auxiliados pelo relacionamento próximo de dois ex-colegas do Senado, resultaram no que poderia se tornar uma das maiores realizações de política externa do governo Biden.

    Agora todos os olhos estão voltados para uma reunião nesta quarta-feira (12) entre o presidente turco Recep Tayyip Erdogan e o primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis para ver se os dois líderes podem fazer o suficiente para amenizar as preocupações do legislador dos EUA e obter a aprovação da venda do F-16.

    Antes da reunião nesta quarta-feira, o governo Biden espera que Erdogan e Mitsotakis se comprometam a manter a calma na região e possivelmente cheguem a um acordo para respeitar o espaço aéreo um do outro, após um ano de incursões turcas sem precedentes no espaço aéreo grego, segundo disse um oficial familiarizado com os esforços e um diplomata regional à CNN.

    A esperança é que tal declaração possa abordar as preocupações de Menendez.

    Mais de um ano de pressão sobre a Suécia

    Depois que a Finlândia e a Suécia foram convidadas a ingressar na Otan, começaram os esforços para garantir sua adesão à aliança defensiva. A Turquia colocou obstáculos para os dois países, mas acabou permitindo que Helsinque, capital finlandesa, seguisse em frente.

    No entanto, Ancara continuou a manter a oposição à Suécia, fazendo demandas relacionadas a grupos terroristas curdos, como o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), e vendas de armas.

    Nos bastidores, a venda do F-16 também estava operando como uma demanda implícita de Ancara, e os diplomatas dos EUA começaram a trabalhar em amplos compromissos com seus colegas e legisladores.

    Entre esses compromissos estavam várias viagens a Washington, DC, do Embaixador dos EUA na Turquia, Jeff Flake.

    A experiência de Flake como ex-senador do Arizona e seu relacionamento pessoal com Menendez foram fundamentais quando ele tentou explicar a posição de seu ex-colega às autoridades turcas.

    Ele trabalhou simultaneamente com seu ex-colega para descobrir como o democrata de Nova Jersey poderia chegar a um “sim” na venda do F-16, disse uma fonte à CNN.

    Flake, juntamente com o embaixador dos EUA na Grécia, George Tsunis, se reuniu com legisladores do Comitê de Relações Exteriores do Senado e do Comitê de Relações Exteriores da Câmara sobre as potenciais vendas de armas para os dois países, disse uma fonte familiarizada com as negociações.

    Flake também visitou o Capitólio várias vezes na primavera com o principal conselheiro de segurança nacional de Erdogan, Ibrahim Kalin, com o objetivo de apresentá-lo aos membros do Congresso, disse a fonte.

    O embaixador dos EUA queria garantir que Kalin entendesse o quão importante era a adesão da Suécia à Otan para uma ampla gama de membros do Congresso, disse a fonte.

    As autoridades turcas também receberam essa mensagem da carta bipartidária no início deste ano, liderada pela senadora democrata Jeanne Shaheen e pelo senador republicano Thom Tillis, na qual 28 senadores disseram que não apoiariam a venda do F-16 para a Turquia enquanto Ancara continuasse a impedir a entrada da Suécia na Otan, disse a fonte.

    Os compromissos do governo Biden com Hill foram além da visita dos principais diplomatas dos EUA à Grécia e à Turquia.

    O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, entrou em contato com membros do Congresso, incluindo Menendez, sobre o que seria necessário para chegar a um “sim” no envio de F-16 para a Turquia, disse um alto funcionário do Departamento de Estado.

    Ele “teve conversas com membros do Congresso, incluindo o senador Menendez, sobre esse assunto nas últimas semanas”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, na terça-feira.

    Enquanto isso, funcionários do governo também se envolveram extensivamente com seus colegas estrangeiros para tentar fazer a Turquia avançar na candidatura sueca à Otan – uma vitória que foi conquistada na segunda-feira, véspera da cúpula.

    Erdogan concordou em mover o documento de ratificação da Suécia para o parlamento turco “o mais rápido possível”, mas não há um cronograma claro para o país se tornar o próximo membro da aliança.

    A Hungria também deve avançar com a ratificação, o que se espera que faça agora que Erdogan está a bordo.

    Enquanto a Casa Branca deixou o secretário-geral da Otan Jens Stoltenberg, Erdogan e o primeiro-ministro sueco Ulf Kristersson assumirem a liderança no grande anúncio, o conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, enfatizou o papel do presidente Joe Biden em levá-los até lá.

    “Quando a Cúpula da Otan começar, nossa aliança não apenas será maior e mais forte do que nunca, mas também mais unida, mais decidida e mais energizada do que em qualquer momento da memória moderna. E isso se deve em grande parte à liderança pessoal do presidente Biden ”, disse Sullivan a repórteres na manhã de terça-feira.

    Biden telefonou para Erodgan do Air Force One a caminho de Londres no domingo para discutir a adesão de Estocolmo à Otan e a venda do F-16.

    Presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, durante entrevista coletiva na sede da Otan em Bruxelas em 2022. / 14/06/2021 REUTERS/Yves Herman/Pool0

    “O presidente Biden tem deixado claro de forma consistente que acredita que, para a aliança e para o relacionamento bilateral EUA-Turquia, avançar com a venda faz sentido”, disse Sullivan a repórteres logo após a ligação, acrescentando na terça-feira que Biden “pretende avançar com essa transferência em consulta com o Congresso.”

    Blinken falou três vezes com o ministro das Relações Exteriores da Turquia nos cinco dias que antecederam a cúpula, e Sullivan falou com seus colegas turcos e suecos na segunda-feira.

    Blinken e Biden também conversaram separadamente com Mitsotakis nas últimas semanas, enquanto o governo se preparava para esta semana, na qual esperavam realizar um intenso esforço diplomático.

    O próprio Biden sinalizou na semana passada que tal acordo poderia estar se concretizando, dizendo a Fareed Zakaria, da CNN, em uma entrevista exclusiva: “O que estou tentando, francamente, montar é um pouco de um consórcio aqui, onde estamos fortalecendo a Otan em termos de capacidade militar tanto da Grécia quanto da Turquia, e permitir a entrada da Suécia. Mas está em jogo. Não está feito.”

    Menendez disse à CNN na segunda-feira que precisa ver a Turquia se comprometer com “menos hostilidade a um colega aliado da Otan” – referindo-se à Grécia – “compromisso de que a tranquilidade que existiu nos últimos meses continue” e “sem uso de armas dos EUA contra outro aliado da Otan.”

    As tensões entre Atenas e Ancara se difundiram nos últimos meses, em parte devido ao catastrófico terremoto na Turquia, para o qual a Grécia prestou assistência. Autoridades dos EUA pediram a ambos os lados que mantenham a calma, disse a fonte familiar.

    (Por Kylie Atwood, Jennifer Hansler, Manu Raju, Betsy Klein e Arlette Saenz)

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original