Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Entenda por que é tão difícil combater os incêndios florestais no Havaí

    Secas crescentes, ventos de furacões e geografia da ilha potencializam o alastramento do fogo

    População relatou cenas de terror devido ao incêndio; muitas se jogaram no mar para fugir do fogo
    População relatou cenas de terror devido ao incêndio; muitas se jogaram no mar para fugir do fogo Zeke Kalua County of Maui

    Ray Sanchezda CNN

    Os incêndios florestais na ilha Maui, no estado norte-americano do Havaí, se espalharam rapidamente e se tornaram mortais, atordoando as autoridades locais que foram rapidamente sobrecarregadas.

    “É muito estranho ouvir sobre incêndios florestais graves no Havaí — uma ilha tropical úmida — mas eventos estranhos estão se tornando mais comuns com as mudanças climáticas”, disse Jennifer Marlon, pesquisadora e professora da Escola de Meio Ambiente de Yale, à CNN.

    Alimentados por uma combinação de ventos fortes e condições secas — e complicados pela geografia da ilha — os incêndios mataram pelo menos 36 pessoas.

    “Para aqueles de nós que estão trabalhando neste problema, isso nos deixa enojados”, disse Clay Trauernicht, um especialista assistente que estuda incêndios tropicais na Universidade do Havaí em Manoa.

    Estes são alguns fatores que dificultam o combate aos incêndios que mergulharam um estado conhecido por suas belezas naturais em uma crise sem precedentes:

    Seca contribui para propagar o fogo

    Alguns incêndios acontecem em locais da ilha que sofrem com a seca. A seca moderada cobre mais de um terço de Maui, com algumas áreas sofrendo seca severa, segundo o US Drought Monitor.

    Terra e vegetação secas podem fornecer combustível para incêndios florestais, que podem rapidamente se tornar mortais se ventos fortes ajudarem a espalhar as chamas em direção às comunidades.

    Enquanto os cientistas tentam entender completamente como a crise climática afetará o Havaí, eles disseram que a seca vai piorar com o aumento das temperaturas globais: temperaturas mais altas aumentam a quantidade de água que a atmosfera pode absorver — o que seca a paisagem.

    As condições de seca estão se tornando mais extremas e comuns no Havaí e em outras ilhas do Pacífico, segundo a Quarta Avaliação Nacional do Clima dos EUA, divulgada em 2018. As chuvas geralmente diminuem no Havaí ao longo do tempo, com o número de dias secos consecutivos aumentando, observaram os cientistas no relatório.

    E a crise climática fez com que secas que antes ocorriam apenas uma vez a cada década agora ocorressem com 70% mais frequência, relataram cientistas globais em 2021.

    “Combinar combustíveis abundantes com calor, seca e fortes rajadas de vento é uma receita perfeita para incêndios descontrolados”, disse Marlon por e-mail.

    “Mas é isso que a mudança climática está fazendo — é um clima extremo supercarregador. Este é mais um exemplo de como a mudança climática causada pelo homem se parece cada vez mais.”

    Furacões alimentam condições climáticas de incêndio

    O furacão Dora, um poderoso e veloz furacão de categoria 4 com ventos sustentados de 225 km/h, não está ajudando em nada.

    À medida que a tempestade ruge ao sul do Havaí, um forte sistema de alta pressão permaneceu no local ao norte, com as duas forças se combinando para produzir “ventos muito fortes e prejudiciais”, conforme aponta o Serviço Nacional de Meteorologia.

    “Esses ventos fortes, juntamente com os baixos níveis de umidade, estão produzindo condições climáticas perigosas para incêndios” até a tarde de quarta-feira (9), informou o serviço meteorológico.

    Os ventos fortes, as condições de seca contínua e a umidade relativa seca são “ingredientes para desencadear esses incêndios e atiçar as chamas”, disse o meteorologista da CNN Derek Van Dam.

    “O problema é que esse vento — semelhante, digamos, aos ventos de Santa Ana no sul da Califórnia — é que ele seca e esquenta enquanto (desce) as montanhas, e cria essas condições muito secas” ele disse.

    O furacão Lane em 2018 também foi associado a grandes incêndios em Maui e Oahu, observou Abby Frazier, climatologista e geógrafa da Clark University, no estado de Massachusetts.

    “O incêndio florestal é um problema maior no Havaí do que muitas pessoas podem imaginar”, disse Frazier por e-mail do Havaí, onde ela trabalha em um projeto de pesquisa em Oahu.

    “Durante a estação chuvosa, os combustíveis são acumulados e depois secam durante a estação seca”, acrescentou ela. “Quando você combina esses combustíveis secos com os ventos fortes e a baixa umidade que temos agora do furacão Dora, temos um clima de incêndio extremamente perigoso”.

    Outro fator agravante é o El Niño, disse Frazier. O padrão climático se origina no Oceano Pacífico na Linha do Equador e afeta o clima em todo o mundo.

    “Isso significa uma atividade de furacões maior do que o normal no Pacífico central neste verão”, escreveu ela.

    “Embora tendemos a ver condições mais úmidas durante os verões do El Nino (que acumula combustíveis de incêndio), o Havaí deve esperar condições de seca prováveis ​​neste inverno, que secarão os combustíveis e geralmente levarão a um início mais cedo de nossa temporada de incêndios no próximo ano”.

    Mudanças no uso da terra

    Espécies não nativas agora cobrem quase um quarto da área total do Havaí, e gramíneas e arbustos invasores tornam-se altamente inflamáveis ​​na estação seca, disse Trauernicht.

    O Havaí também perdeu grandes plantações e fazendas, com gramíneas propensas a incêndios ocupando terras, disse ele.

    “Quando as plantações estavam ativas, os bombeiros apareciam no local e as pessoas estavam lá abrindo os portões, todas as estradas eram mantidas, havia infraestrutura e equipamentos de água. E eles teriam o apoio das pessoas que trabalham nessas plantações”, disse Trauernicht.

    “Como isso mudou, e o uso da terra mudou. Está tudo nas mãos dos bombeiros agora.”

    O Havaí também sofreu mudanças dramáticas nos padrões de chuva.

    A área queimada a cada ano no Havaí é agora cerca de 1% da área total do estado — comparável e muitas vezes superior aos 12 estados da Costa Oeste dos EUA onde os incêndios são mais comuns, de acordo com Trauernicht e o Pacific Fire Exchange.

    Geografia e recursos limitados prejudicam combate a incêndios

    A geografia do Havaí — um arquipélago no Pacífico — e os recursos limitados de combate a incêndios também complicam os esforços.

    Os funcionários da Divisão Estadual de Florestas e Vida Selvagem são, em sua maioria, gerentes de recursos naturais, silvicultores, biólogos e técnicos — e não bombeiros florestais em tempo integral, segundo o site da agência.

    “O oeste de Maui é uma espécie de (um) exemplo perfeito — uma rodovia que atravessa todo o lugar”, disse Trauernicht à CNN. “Nossos recursos são limitados ao que há na ilha. Os recursos… vão se dispersar”.

    Menos de 300 bombeiros responderam ao segundo maior incêndio do estado, na Ilha Grande em 2021, disse Trauernicht.

    “Se você comparar isso com o continente, provavelmente haveria alguns milhares de bombeiros”, disse ele.

    “Isso dá uma noção do tipo de limitações que temos aqui. Este incêndio agora, eu garanto, qualquer um que esteja disponível para responder está respondendo. Não temos condições de trazer definitivamente recursos de outros estados. Isso não está acontecendo.”

    Enquanto isso, são necessários esforços de planejamento e prevenção de longo prazo para combater o crescimento de gramíneas e arbustos invasores, disse Trauernicht.

    “Isso é algo que temos dito há décadas”, disse ele. “Podemos criar paisagens com muito menos probabilidade de queimar, muito menos sensíveis a essas flutuações no clima ou no clima que criam condições tão perigosas.”

    “Nós meio que devemos isso a esses caras que estão lutando contra isso agora.”

    Veja também – Bombeiros salvam coelho desidratado com água da mangueira durante incêndios na Romênia

    Com informações de Holly Yan, Rachel Ramirez, Eric Zerkel, Amanda Jackson, Jamiel Lynch e Chris Boyette, Derek Van Dam e Robert Shackelford

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original