Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Estados Unidos consideram sanções à China para impedir invasão a Taiwan

    Nação insular pressiona União Europeia por posicionamento, dizem fontes familiarizadas com as discussões

    Ben BlanchardJohn O'DonnellAlexandra Alperda Reuters

    Os Estados Unidos estão considerando opções para um pacote de sanções contra a China para impedi-la de invadir Taiwan, com a União Europeia (UE) sob pressão diplomática de Taipé para fazer o mesmo, segundo fontes familiarizadas com as discussões.

    As fontes disseram que as deliberações em Washington e o lobby separado de Taipé contra os enviados da UE estavam ambos em um estágio inicial — uma resposta aos temores de uma invasão chinesa que cresceram à medida que as tensões militares aumentam no Estreito de Taiwan.

    Em ambos os casos, a ideia é aplicar sanções além das medidas já tomadas no Ocidente para restringir algum comércio e investimento com a China em tecnologias sensíveis como chips de computador e equipamentos de telecomunicações. 

    As fontes não forneceram detalhes sobre o que está sendo considerado, mas a noção de sanções à segunda maior economia do mundo e um dos maiores elos da cadeia de suprimentos global levanta questões de viabilidade.

    “A possível imposição de sanções à China é um exercício muito mais complexo do que sanções à Rússia, dado o extenso envolvimento dos EUA e aliados com a economia chinesa”, disse Nazak Nikakhtar, ex-funcionário sênior do Departamento de Comércio dos EUA.

    A China reivindica Taiwan como seu próprio território e no mês passado disparou mísseis sobre a ilha e navegou embarcações de guerra em sua fronteira marítima não oficial depois que a presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, visitou Taipé — no que Pequim viu como uma provocação.

    O presidente chinês Xi Jinping prometeu reunificar Taiwan democraticamente governada com o continente e não descartou o uso da força. Ele deve garantir um terceiro mandato de liderança de cinco anos em um congresso do Partido Comunista no próximo mês.

    Presidente da China, Xi Jinping, em Pequim / Florence Lo/Reuters (08.abr.2022)

    Em Washington, autoridades estão considerando opções para um possível pacote de sanções contra a China para impedir Xi de tentar invadir Taiwan, disse uma autoridade dos EUA e uma autoridade de um país em estreita coordenação com Washington.

    As negociações dos EUA sobre sanções começaram depois que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro, mas ganharam nova urgência após a reação chinesa à visita de Pelosi, disseram as duas fontes.

    Os Estados Unidos, apoiados por aliados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), adotaram uma abordagem semelhante à Rússia em janeiro com uma ameaça de sanções não especificadas, mas isso não conseguiu dissuadir o presidente russo Vladimir Putin de lançar sua invasão da Ucrânia.

    A Casa Branca está focada em colocar os países na mesma página, incluindo a coordenação entre a Europa e a Ásia, e evitar provocar Pequim, disse a autoridade não americana.

    A Casa Branca se recusou a comentar.

    O Ministério das Relações Exteriores de Taiwan disse que discutiu os recentes jogos de guerra da China e os “grandes desafios” que a China representa para Taiwan e a região com os Estados Unidos, Europa e outros parceiros com ideias semelhantes, mas não pode divulgar detalhes.

    O Ministério das Relações Exteriores da China e a Embaixada da China em Washington não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

    Taiwan já havia abordado sanções com autoridades europeias após a invasão da Ucrânia pela Rússia, mas os recentes exercícios militares da China viram a posição de Taiwan endurecer, disseram à Reuters seis fontes informadas sobre as discussões Taiwan-Europa.

    Os pedidos de autoridades taiwanesas por preparativos de sanções se intensificaram nas últimas semanas. Um documento informativo chinês recente, que retirou a promessa de não enviar tropas ou administradores para Taiwan se Pequim assumir o controle da ilha, levou a uma redobrada de esforços com a Europa

    Taiwan não pediu nada específico, apenas que a Europa planejasse quais ações pode tomar se a China atacar, disse uma fonte informada sobre as discussões, e pediu à Europa que avise a China em particular que enfrentará consequências.

    Autoridades da UE até agora evitaram impor sanções duras à China por questões de direitos humanos, já que o país desempenha um papel muito maior na economia do bloco do que a Rússia, disse outra pessoa familiarizada com o assunto.

    As sanções europeias exigiriam que todos os 27 países membros concordassem, o que muitas vezes é evasivo; o consenso foi difícil mesmo ao isolar a Rússia após a invasão da Ucrânia, em parte porque seu gás era fundamental para a Alemanha.

    Toda a Europa, excluindo o Vaticano, tem relações diplomáticas formais com Pequim, mas não Taipé, embora autoridades taiwanesas e europeias tenham tido extensos contatos privados desde o início dos exercícios militares da China, dizem as fontes.

    A Alemanha, o motor econômico do bloco, está “cautelosa”, segundo outro funcionário familiarizado com a discussão. “Não acho que a Rússia-Ucrânia tenha mudado fundamentalmente a maneira como veem seu relacionamento com a China.”

    Mas há uma preocupação crescente no governo alemão sobre sua dependência econômica da China, com o ministro da Economia prometendo uma nova política comercial e “não mais ingenuidade” na terça-feira. 

    Um porta-voz do chanceler alemão Olaf Scholz se recusou a comentar.