EUA: Ex-presidentes criticam diretamente ataque ao Capitólio

Barack Obama, George W. Bush, Bill Clinton e Jimmy Carter criticaram os invasores que forçaram a evacuação dos plenários no Capitólio

Ex-presidentes dos EUA vivos, da esquerda para a direita: Barack Obama, George W. Bush, Bill Clinton e Jimmy Carter
Ex-presidentes dos EUA vivos, da esquerda para a direita: Barack Obama, George W. Bush, Bill Clinton e Jimmy Carter Foto: REUTERS

Paul LeBlanc,

da CNN

Ouvir notícia

Todos os quatro ex-presidentes dos Estados Unidos vivos – Barack Obama, George W. Bush, Bill Clinton e Jimmy Carter – criticaram os invasores que forçaram a evacuação dos plenário da Câmara dos Representantes e do Senado do Capitólio dos EUA. As declarações possuem palavras fortes, que enfatizaram a necessidade de uma transição pacífica do poder.

“A história se lembrará corretamente da violência de hoje no Capitólio, incitada por um presidente em exercício que continuou a mentir sem base sobre o resultado de uma eleição legal, como um momento de grande desonra e vergonha para nossa nação. Mas estaríamos nos enganando se tratássemos isso como uma surpresa total”, escreveu Obama sobre seu sucessor e o caos que envolveu a capital do país na quarta-feira (6).

Estimulados pelo presidente Donald Trump, apoiadores violaram o complexo do Capitólio na quarta-feira e colocaram em dúvida quando o Congresso retomaria a contagem dos votos do Colégio Eleitoral e declararia o presidente eleito Joe Biden como vencedor da eleição.

“No momento, os líderes republicanos têm uma escolha clara nas profanadas câmaras da democracia”, continuou o democrata Obama. “Eles podem continuar por este caminho e continuar alimentando esse fogo violento. Ou podem escolher a realidade e dar os primeiros passos para extinguir as chamas. Eles podem escolher os Estados Unidos”.

Bush, o último presidente republicano antes de Trump, disse que “é assim que os resultados das eleições são disputados em uma república das bananas, não em nossa república democrática”.

Leia também:
Trumpismo é o resquício da antidemocracia nos EUA, diz pesquisador de Harvard
Partido Republicano percebeu que deve mudar certas posturas, diz especialista
Invasão do Capitólio entra para a história dos EUA como afronta à democracia

“Estou chocado com o comportamento imprudente de alguns líderes políticos desde a eleição e com a falta de respeito demonstrada hoje por nossas instituições, nossas tradições e nossa aplicação da lei. O violento ataque ao Capitólio – e a interrupção de uma reunião do Congresso ordenada pela Constituição – foi empreendido por pessoas cujas paixões foram inflamadas por falsidades e falsas esperanças”, acrescentou. 

Clinton, que é democrata, seguiu na mesma linha, chamando a cena de “um ataque sem precedentes ao nosso Capitólio, à nossa Constituição e ao nosso país”.

“O ataque foi alimentado por mais de quatro anos de política envenenada espalhando desinformação deliberadamente, semeando desconfiança em nosso sistema e colocando os norte-americanos uns contra os outros. O fósforo foi aceso por Donald Trump e seus mais ardentes facilitadores, incluindo muitos no Congresso, para anular os resultados de uma eleição que ele perdeu”, acusou Clinton.

“A eleição foi livre, a contagem foi justa, o resultado é definitivo. Devemos concluir a transição pacífica de poder dos nossos mandatos constitucionais”.

Destaques do CNN Brasil Business:
Bolsa alcança marca histórica de 121 mil pontos durante pregão e dólar sobe
Home office veio para ficar, mas não da forma que funciona hoje
Elon Musk ultrapassa Jeff Bezos como a pessoa mais rica do mundo

Carter, também democrata, disse que ele e a ex-primeira-dama Rosalynn Carter estavam “preocupados” com os eventos do dia.

“Esta é uma tragédia nacional e não o que somos como nação”, escreveu. “Tendo observado eleições em democracias problemáticas em todo o mundo, sei que nós, o povo, podemos nos unir para caminhar de volta deste precipício para defender pacificamente as leis de nossa nação, e devemos. Nós nos juntamos a nossos compatriotas na oração por uma solução pacífica para que nossa nação possa curar e completar a transferência de poder, como fizemos por mais de dois séculos”.

Somente depois de assessores e aliados do Congresso dentro do Capitólio sitiado implorarem, Trump finalmente divulgou um vídeo instando os manifestantes a “irem para casa”, enquanto ainda espalhava suas queixas equivocadas sobre uma eleição roubada.

No vídeo, ele também elogiou a multidão, que invadiu o Capitólio usando a força, roubou itens de suas salas e posou para fotos nas câmaras legislativas. “Nós amamos vocês”, disse Trump. “Vocês são muito especiais”.

O presidente dos EUA, Donald Trump, em pronunciamento no Twitter
O presidente dos EUA, Donald Trump, em pronunciamento no Twitter
Foto: Reprodução/Twitter @donaldjtrump (6.jan.2021)

Bush, por sua vez, advertiu em sua declaração que “a insurreição pode causar graves danos à nossa nação e à nossa reputação” e pediu às pessoas que “deixem que as autoridades eleitas pelo povo cumpram seus deveres e representem nossas vozes em paz e segurança”.

Embora Clinton tenha sido um crítico vocal de Trump durante todo o seu tempo no cargo e Obama tenha apoiado Biden durante a campanha, Bush ficou em grande parte fora da política desde que deixou o cargo em janeiro de 2009.

Ainda assim, ele foi rápido para parabenizar Biden em novembro, tanto em um telefonema quanto em um comunicado que dizia que, embora Trump tenha o direito de buscar contestações legais e recontagens, a corrida foi “fundamentalmente justa” e “seu resultado é claro”.

“Embora tenhamos diferenças políticas, sei que Joe Biden é um bom homem, que ganhou a oportunidade de liderar e unificar nosso país”, disse Bush. “O presidente eleito reiterou que, embora concorra como democrata, governará para todos os norte-americanos. Ofereci a ele a mesma coisa que ofereci aos presidentes Trump e Obama: minhas orações por seu sucesso e minha promessa de ajudar de todas as maneiras que puder”.

Bush também ofereceu periodicamente críticas veladas a Trump durante seu mandato. No mês passado, Bush enviou cartões de Natal com uma mensagem direta sobre um ano novo promissor, enquanto Trump continuava a negar sua derrota nas eleições.

Obama elogiou os membros do Partido Republicano que já condenaram os eventos violentos que ocorreram na quarta-feira.

“Fiquei animado ao ver muitos membros do partido do presidente falarem com força hoje. Suas vozes se somam aos exemplos de autoridades eleitorais estaduais e locais republicanas em estados como a Geórgia, que se recusaram a ser intimidados e cumpriram suas obrigações com honra “, disse ele.

“Precisamos de mais líderes como esses – agora e nos próximos dias, semanas e meses à medida que o presidente eleito Biden trabalha para restaurar um propósito comum para nossa política. Cabe a todos nós, como norte-americanos, independentemente do partido, apoiá-lo nesse objetivo”.

(Texto traduzido. Leia o original em inglês).

Mais Recentes da CNN