Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    EUA não abordaram questões de segurança, diz assessor da presidência russa

    Assessor presidencial russo apontou lacunas no telefonema realizado neste sábado (12) entre os presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e da Rússia, Vladimir Putin

    Biden e Putin realizaram conversa telefônica neste sábado (12)
    Biden e Putin realizaram conversa telefônica neste sábado (12) The White House/Divulgação/Reuters

    Uliana PavlovaNathan Hodgeda CNN

    O assessor presidencial russo Yury Ushakov descreveu o telefonema realizado neste sábado (12) entre o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, como “equilibrado e profissional”, mas disse que os Estados Unidos e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) não conseguiram abordar as principais preocupações de segurança da Rússia.

    Ushakov disse que a conversa, que durou pouco mais de uma hora, “ocorreu em uma atmosfera de histeria sobre a supostamente iminente invasão russa da Ucrânia por autoridades americanas, todo mundo sabe disso”.

    Ushakov acrescentou: “A pressão em torno do tema da invasão foi realizada de maneira coordenada e a histeria atingiu seu clímax”.

    De acordo com Ushakov, Biden disse a Putin que estava “comprometido com o caminho diplomático e apresentou uma série de considerações que ele vê como a abordagem de muitas das preocupações da Rússia”.

    No entanto, acrescentou Ushakov, Putin disse que o Ocidente ignorou as principais preocupações de segurança da Rússia, dizendo que os Estados Unidos e seus aliados estavam “munindo” a Ucrânia com novos armamentos e encorajando provocações das forças ucranianas na região de Donbas e na Crimeia.

    “O lado russo, é claro, analisará cuidadosamente as considerações expressas por Biden e, sem dúvida, as levará em conta, mas infelizmente essas considerações não afetam os elementos centrais das iniciativas russas sobre a expansão da OTAN, sobre não enviar forças de ataque contra a Ucrânia. território, sobre o retorno da aliança [OTAN] ao estado de 1997″, disse Ushakov.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original