Ex-policial é indiciado por ‘conduta arbitrária’ pela morte de Breonna Taylor

Nenhum dos três policiais envolvidos na morte da americana foi indiciado por homicídio

da CNN*

Ouvir notícia

O ex-policial Brett Hankinson, que atirou em Breonna Taylor, foi indiciado nesta quarta-feira (23) por três acusações de ‘conduta arbitrária’ de primeiro grau. 

A tipificação do crime, existente apenas no estado do Kentucky, se refere ao ato de colocar algo ou alguma coisa em perigo ou risco.

Em primeiro grau, a pessoa é culpada por ‘conduta arbitrária’ quando manifesta “extrema indiferença ao valor da vida humana e, arbitrariamente, age de maneira que cria perigo substancial de morte ou ferimento sério a outras pessoas”, de acordo com o site US Legal. 

Leia também:

Cidade dos EUA vai pagar US$ 12 mi a família de jovem negra morta por policiais

Os outros dois policiais envolvidos no tiroteio, o sargento John Mattingly e o detetive Myles Cosgrove, não foram acusados.

Desde a morte da jovem, são meses de protestos pedindo a prisão de todos os agentes. A maioria dos manifestantes pedem que os oficiais sejam indiciados por homicídio, um delito mais grave e com pena maior do que ‘conduta arbitrária’.

A polícia de Louisville, cidade de Taylor, se prepara para o aumento de protestos nos próximos dias, segundo o chefe interino da organização Robert Schoreder. A região já declarou estado de emergência. A polícia está montando barricadas e bloqueando a chegada de veículos ao centro da cidade.

O prefeito, Greg Fisher, se pronunciou: “Eu peço a todos que se comprometam mais uma vez com uma resposta pacífica e legal, como temos visto nos últimos meses”.

Em junho, um homem foi baleado e morto em um protesto pacífico a respeito do caso em um parque de Louisville.

Os policiais de Louisville envolvidos na morte de Breonna Taylor
Os policiais de Louisville envolvidos na morte de Breonna Taylor, Myles Cosgrrove, Brett Hankinson e Jonathan Mattingly
Foto: Divulgação/Louisville Metro Police Department

Breonna Taylor foi morta por tiros em uma operação da polícia de Louisville, que segundo o departamento, procurava por narcóticos no local. Segundo relatos de Kenneth Walker, namorado da vítima, os dois dormiam em sua casa quando a polícia adentrou repentinamente. Crendo que era um assalto, o homem armou-se de uma pistola, e os oficiais responderam com vinte e dois tiros, os quais oito atingiram e mataram Taylor.

Mais Recentes da CNN