Exclusivo: “Todos precisam parar com essa luta”, diz Zelensky à CNN

Presidente ucraniano concedeu uma entrevista exclusiva à CNN diretamente do bunker em Kiev

Matthew Chanceda CNN

Ouvir notícia

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, pediu ao presidente norte-americano Joe Biden que dê uma mensagem forte e “útil” sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia em seu discurso sobre o Estado da União nesta terça-feira (1º), em uma entrevista exclusiva à CNN do bunker em Kiev de onde ele está liderando a resposta de seus militares.

“É muito sério… não estou em um filme”, disse Zelensky, ex-ator de comédia, à CNN. “Não sou um ícone, acho que a Ucrânia é um ícone […] A Ucrânia é o coração da Europa, e agora acho que a Europa vê a Ucrânia como algo especial para este mundo. É por isso que o mundo não pode perder esse algo especial”.

Zelensky afirmou que enquanto o ataque de Moscou às cidades ucranianas continuar, pouco progresso poderá ser feito nas negociações.

“Você tem que falar antes de tudo. Todo mundo tem que parar de lutar e voltar ao ponto de onde começou cinco, seis dias atrás“, disse Zelensky. “Acho que há coisas principais que você pode fazer… Se você fizer isso, e aquele lado fizer isso, significa que eles estão prontos para a paz. Se eles (não estiverem) prontos, significa que você está apenas perdendo tempo”.

Questionado se achava que a Ucrânia está perdendo tempo conversando com a Rússia, ele disse: “Vamos ver”.

“Eles decidiram a conversar a falar sobre a situação. Eu queria mesmo, primeiramente, todo mundo tem que parar com as batalhas e voltar para o ponto de partida. Onde tudo começou. Isso seis dias atrás. Acho que há coisas fundamentais que precisam ser feitas e que esse é o momento. Se esses fatores forem atendidos, se o outro lado puder atender, então eles estão prontos. Se eles não estiverem prontos, isso quer dizer que foi tudo uma perda de tempo.”

Sobre o pedido de fechamento do espaço aéreo e reforço de tropas, Zelensky declarou que já recorreu a outros líderes mundiais com esse pedido.

“Os líderes democráticos do mundo que defendem esses assuntos devem prestar atenção, tudo isso nos ajuda tremendamente. Nós conversamos várias vezes com o presidente Biden, sou grato a ele pelo apoio. Mas ele também não me ouviram. Eu tenho dito que a Ucrânia vai lutar com o máximo de suas forças. Vocês vão ver que isso a Rússia não poderia fazer.”

O líder ucraniano afirmou que resistência do país conseguiu vitórias significativas por terem conhecimento do terreno em que estão lutando e que não subestima um reforço do efetivo russo.

“Nós temos o que precisamos para nos proteger. Eles não entendem isso. Não conhecem nossas ruas, não conhecem nosso povo. Não entendem nossas filosofias e aspirações, que tipo de povo nós somos. Não conhecem nada aqui, foram simplesmente enviados para lutarem e morrerem.”

“Hoje estamos vendo como o nosso Exército funciona. Apesar de estarmos nos preparando, é importante não subestimar o nosso inimigo e antecipar as ações. É por isso que não gostávamos da situação em que colocávamos tudo em risco e dizíamos para o mundo que estávamos nos preparando para uma guerra.”

Autoridades dos dois países se reuniram pela primeira vez na segunda-feira (28) desde que a invasão russa começou na semana passada. Novos ataques abalaram Kiev nesta terça-feira, com a Rússia intensificando seu ataque à capital e outros locais importantes.

Há temores de que a Rússia esteja tentando derrubar a infraestrutura de comunicações da cidade depois de atingir uma área perto da torre de TV de Kiev, derrubando equipamentos de transmissão, de acordo com o Ministério de Assuntos Internos da Ucrânia.

Zelensky recebeu elogios da imprensa mundial por sua resposta à invasão da Rússia, tendo recusado ofertas de evacuação e, em vez disso, entregando mensagens frequentes aos ucranianos enquanto Kiev é atacada.

Na terça-feira, ele foi aplaudido de pé ao se dirigir ao Parlamento Europeu por meio de um link de vídeo, dizendo: “Estamos lutando por nossa vida”. Ele também solicitou a admissão urgente da Ucrânia na União Europeia.

Refugiados deixam a Ucrânia

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN