Exilados de Belarus treinam na Polônia com expectativa de lutarem contra Rússia

Aspirantes a combatentes dizem que, para libertar seu país da influência de Vladimir Putin, a Rússia deve primeiro ser derrotada na Ucrânia

A maior parte dos membros do Pohonia deixaram Belarus após uma forte repressão governamental, em 2020, a protestos contra Alexander Lukashenko - conhecido como "o último ditador da Europa"
A maior parte dos membros do Pohonia deixaram Belarus após uma forte repressão governamental, em 2020, a protestos contra Alexander Lukashenko - conhecido como "o último ditador da Europa" Li-Lian Ahlskog Hou/CNN

Salma AbdelazizSarah DeanLi-Lian Ahlskog Houda CNN

Ouvir notícia

Em uma área de floresta do lado polonês na fronteira com a Ucrânia, homens vestidos com roupas limpas de camuflagem recebem torniquetes. Eles ajoelham-se no chão lamacento e começam a aprender um treinamento básico de sobrevivência.

Eles se denominam de o Batalhão Pohonia, um grupo de menos de 30 exilados belarussos, residentes principalmente na Polônia e em outros países da Europa, que esperam se juntar a centenas de seus compatriotas já envolvidos na batalha pela Ucrânia.

Os voluntários aspirantes a combatentes dizem que, para libertar seu país do presidente russo Vladimir Putin, ele deve primeiro ser derrotado na Ucrânia.

O grupo, cuja idade varia de 19 a 60 anos, carrega réplicas de Kalashnikov. Quase ninguém tem experiência de luta. Entre eles, está um jogador profissional de pôquer, um músico de rock e um eletricista.

Eles são liderados pelo dissidente e restaurador Vadim Prokopiev. “Vemos uma janela de oportunidade”, disse Prokopiev à CNN na segunda-feira. “Eu fiz o chamado para que os belarussos se juntassem à batalha pela Ucrânia porque esse é o passo um antes do passo dois, que é a batalha por Belarus”.

A maioria dos membros, incluindo Prokopiev, foram forçados a fugir de seu país em 2020, quando o presidente belarusso Alexander Lukashenko — um aliado apoiado pelo Kremlim — reprimiu um movimento de protesto em massa após reivindicar a vitória em uma eleição amplamente disputada, manchada por fraude.

“Se a Ucrânia perder esta guerra, Belarus terá zero chances de se libertar”, disse Prokopiev. “Se a Ucrânia vencer esta guerra, isso significa que as mãos de Putin estão muito ocupadas, ele está muito enfraquecido e não apoiará Lukashenko com recursos”.

O grupo se autodenomina “Batalhão de Pohonia”; os treinos militares ocorrem na Polônia com réplicas de armas Kalashnikov / Li-Lian Ahlskog Hou/CNN

Pohonia quer se juntar à Legião Internacional de Defesa da Ucrânia, uma unidade militar composta por voluntários estrangeiros, mas no momento de escrever ainda não foram admitidos.

Centenas de outros voluntários belarussos já estão no terreno lutando ao lado das tropas ucranianas. Quatro foram mortos desde o início da guerra, disse a líder da oposição belarussa, Svetlana Tikhanovskaya.

“O povo belarusso entende que o destino de Belarus depende do destino da Ucrânia, e agora é muito importante tornar a Ucrânia livre para que seja mais fácil se livrar do regime de Lukashenko em nossa terra”, disse Tikhanovskaya à CNN na quarta-feira.

Moscou usa Minsk como base de satélite para sua guerra não-provocada contra a Ucrânia. No início do conflito, Putin ordenou a entrada de tropas na Ucrânia através das fronteiras russa e belarussa.

Belarus tem sido usado como trampolim para muitas das operações aéreas da Rússia na Ucrânia, de acordo com informações coletadas por aviões de vigilância da Otan, e os militares ucranianos dizem ter derrubado vários mísseis disparados de Belarus em direção ao seu território.

Depois que a Rússia não conseguiu ganhar o terreno que queria em torno de Kiev, as forças recuaram para Belarus para reagrupamento e redirecionamento. A Otan teme que o Kremlin possa até mesmo apelar para Lukashenko para que seu exército reforce as forças de Moscou no campo de batalha — uma perspectiva que veria exilados belarussos e o exército de Minsk em lados opostos da linha de frente.

O governo Biden puniu Minsk com sanções contra as empresas de defesa belarussas e o ministro da defesa do país suspendeu as relações comerciais normais com o país.

Mas Lukashenko não mostrou remorso por seu papel de facilitador. “Nós não começamos esta guerra, nossa consciência está limpa. Estou feliz por ter começado”, disse ele aos repórteres em março.

E no início desta semana, Putin agradeceu a Lukashenko por seu apoio inabalável, dizendo: “Nunca tivemos dúvidas de que se alguém nos oferecesse seu ombro, seria a Belarus”.

Um grupo de dissidentes de Belarus treina para se juntar aos ucranianos na guerra contra a Rússia / Li-Lian Ahlskog Hou/CNN

A resistência de Belarus, fraturada e frágil desde a repressão de 2020, disse que os combatentes voluntários fazem parte de esforços mais amplos para desestabilizar o regime de Lukashenko.

“Todos esses combatentes são verdadeiros heróis”, disse Tikhanovskaya sobre os voluntários. “Agora eles estão defendendo a Ucrânia e talvez um dia possam defender Belarus também”, disse ela, referindo-se ao desejo da oposição de ver o regime de Lukashenko derrubado.

Em Belarus, uma linha ferroviária usada pelas forças russas para transportar suprimentos para a Ucrânia foi parcialmente cortada por ativistas em abril quando a polícia bielorrussa abriu fogo e prendeu três homens que a chamavam de ato de terrorismo, de acordo com a agência de notícias estatal bielorrussa Belta.

E ativistas cibernéticos invadiram recentemente instituições estatais bielorrussas envolvidas na guerra contra a Ucrânia e continuam a combater a desinformação russa online, disse Tikhanovskaya.

Mas estas pequenas medidas ainda não representam nenhuma ameaça real à regra de 28 anos de Lukashenko, frequentemente referido como o último ditador da Europa.

“Uma longa jornada começa em algum lugar para construirmos uma pequena força para construir uma força maior”, disse Prokopiev.

Os exilados agora esperam que a confiança de Lukashenko em Moscou ligue seu futuro a Putin, e o resultado do que, até agora, é uma invasão militar vacilante da Ucrânia.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN