Explosão de gasoduto faz vítimas em mesquita de Bangladesh

Incidente ocorreu na noite de sexta-feira (4) no distrito de Narayanganj, nos arredores da capital Daca, quando as pessoas estavam prestes a encerrar as orações

Parentes das vítimas da explosão em Bangladesh fazem identificação dos mortos em hospital de Bangladesh
Parentes das vítimas da explosão em Bangladesh fazem identificação dos mortos em hospital de Bangladesh Foto: Mohammad Ponir Hossain - 5.ago.2020/ Reuters

Reuters

Ouvir notícia

A explosão de um gasoduto perto de uma mesquita em Bangladesh matou ao menos 17 pessoas e deixou dezenas de feridos. O incidente aconteceu no momento em que as pessoas estavam prestes a encerrar suas orações, disseram as autoridades neste sábado (5).

A explosão, que os bombeiros suspeitam ter sido causada por vazamento do oleoduto, ocorreu na noite de sexta-feira (4) em uma mesquita no distrito de Narayanganj, nos arredores da capital Daca.

Ao menos 37 pessoas foram levadas para o hospital estatal especializado em queimaduras e cirurgia plástica de Daca, a maioria com queimaduras graves.

Treze pessoas, incluindo uma criança, morreram em razão dos ferimentos causados pela explosão, disse Samanta Lal Sen, coordenadora da unidade de queimados. E o número de vítimas pode aumentar, já que muitas pessoas estão em condições críticas, disse Sen.

Assista e leia também:

Como um menino que fraturou o crânio cresceu e se tornou ‘calculadora humana’

Inundações alagam um terço de Bangladesh e matam ao menos 161 pessoas

Os bombeiros disseram que o gás que se acumulou na mesquita após o vazamento provavelmente causou a explosão.

“Suspeitamos principalmente que o gás vazou do gasoduto e se acumulou dentro da mesquita porque as janelas estavam fechadas. Quando o ar condicionado foi ligado, devido a faíscas, o gás pode ter explodido”, disse Abdullah Al Arefin, do Corpo de Bombeiros.

Todos os seis aparelhos de ar condicionado da mesquita explodiram durante o incidente, disse ele. As autoridades iniciaram uma investigação sobre o caso.

Tópicos

Mais Recentes da CNN