Família real britânica: como é o Natal na casa da rainha Elizabeth

Membros mais próximos da família tradicionalmente se reúnem para comemorar a temporada de festas na fazenda de Sandringham, em Norfolk, cerca de 160 quilômetros de Londres

Rainha Elizabeth II e o Príncipe Philip deram os retoques finais em sua árvore de Natal no Castelo de Windsor em uma foto de um documentário de 1969
Rainha Elizabeth II e o Príncipe Philip deram os retoques finais em sua árvore de Natal no Castelo de Windsor em uma foto de um documentário de 1969 Fox Photos/Getty Images)

Max Foster e Lauren Said-Moorhouseda CNN

Ouvir notícia

Eles são membros, mas no fundo são uma família – e, assim como o resto de nós, os Windsor têm suas próprias tradições e diversões nas festas de final de ano.

Como acontece com a maioria das pessoas, tudo começa com uma viagem para casa. Para a rainha, isso significa ir para sua propriedade rural em Sandringham para o retiro anual de Natal da família.

Ainda não está claro se ela fará a viagem neste ano, já que a variante Ômicron do coronavírus tem causado estragos em todo o Reino Unido. Um almoço antes do Natal que a monarca oferece para a família estendida já foi cancelado por precaução, segundo uma fonte do Palácio de Buckingham disse à CNN na quinta-feira (16).

O evento anual é normalmente uma oportunidade para Elizabeth II passar algum tempo com parentes antes do Natal para depois se recolher no campo. Mas a avaliação foi que o almoço colocaria em risco os arranjos de Natal de muita gente. Embora haja “pesar” pelo cancelamento, acrescentou a fonte, a decisão foi considerada “a coisa certa a se fazer”.

Os membros mais próximos da família tradicionalmente se reúnem para comemorar a temporada de festas na fazenda de Sandringham, em Norfolk, cerca de 160 quilômetros ao norte de Londres. Apenas nos anos 60, quando os filhos do monarca ainda eram pequenos, que essa tradição se mudou temporariamente para o Castelo de Windsor.

Se a família puder se reunir, a rainha provavelmente terá grande alegria em retomar suas funções de anfitriã depois de quebrar a tradição de ter um Natal tranquilo no ano passado por causa da pandemia. Mas também será um momento triste para a matriarca, pois será a primeira temporada de final de ano desde a morte do príncipe Philip, com quem foi casada por 73 anos.

A rainha normalmente vai a Sandringham alguns dias antes do resto de seu clã para uma verificação final dos preparativos. Ainda não se sabe quando ou como a monarca vai se mudar para seu retiro rural, mas nos últimos anos ela costuma embarcar em um trem regular na estação King’s Cross em Londres para fazer a viagem.

Diferentemente do Palácio de Buckingham ou do Castelo de Windsor, Sandringham é a casa de propriedade privada da rainha. Estar lá lhe dá tempo com seus entes queridos, longe das câmeras e do olhar atento do povo. É uma oportunidade para relaxar e desfrutar da companhia um do outro. Mas, por questões de espaço, os convites para o Natal geralmente são estendidos apenas aos familiares próximos. De vez em quando a rainha abre exceções notáveis, como quando recebeu Meghan Markle na propriedade antes de ela se casar com o príncipe Harry.

Assim que os convidados chegam a Sandringham (a maioria na véspera de Natal), a diversão começa. Supõe-se que o primeiro evento seja o chá da tarde para deixar todos acomodados. Mais tarde, a realeza veste seus melhores trajes para um jantar de gala em altíssimo estilo, depois de colocar seus presentes em mesas de cavalete colocadas próximas à mesa de jantar.

A rainha, o príncipe Charles e Camilla conversam no Castelo de Windsor em 8 de dezembro de 2020 / Glyn Kirk – WPA Pool/Getty Images)

Após a refeição glamourosa, é hora de abrir os presentes, um costume alemão adotado pela tataravó da rainha, a rainha Victoria, quando ela se casou com o príncipe Albert.

A manhã de Natal traz outra tradição herdada de Victoria, que por sua vez vinha de um costume do século 16: a peregrinação da família a pé até a Igreja de Santa Maria Madalena, que também está localizada na extensa propriedade de oito mil hectares de Sandringham (a rainha vai de carro até a igreja). Embora Elizabeth II seja uma pessoa profundamente religiosa, ainda não está claro se o evento poderá ocorrer com o Reino Unido lutando para conter a disseminação da variante Ômicron. Talvez a rainha considere que a presença de sua família poderia atrair locais durante o percurso, o que não é aconselhável no momento.

Em seguida, a família volta para casa para o almoço, seguido pela tradicional transmissão pré-gravada de Natal da matriarca para a TV. A tarde traz um passeio pelo campo seguido de uma noite de jogos de salão.

O príncipe William revelou que “a comida é muito importante para mim no Natal” em uma entrevista dias atrás para uma estação de rádio. O duque disse que “sempre sobra um pouquinho de espaço no estômago em algum lugar para um pouco mais de peru ou salsicha ou um pouco de vinho”.

Ele adicionou: “Reunir a família na época do Natal é sempre adorável e ver meus filhos se encontrarem com os filhos do meu primo e todos se divertirem brincando juntos é muito especial”.

O Boxing Day (como é conhecido o dia 26 de dezembro no Reino Unido) é mais um evento de longa data, com membros da família saindo para uma caça ao faisão no local.

O período da rainha em Sandringham tende a variar. Tornou-se uma tradição que ela fique na fazenda até depois de 6 de fevereiro, o aniversário da morte de seu pai, para lembrar a data de forma privada. Mas a monarca frequentemente comparece a um compromisso local, ciente de que a data também marca o início de seu reinado.

Longe de Sandringham, existem outras tradições a serem preservadas. Familiares, amigos e membros da Casa Real geralmente recebem um dos 750 cartões com uma preciosa foto de família que a rainha envia todo ano. Outros destinatários podem incluir primeiros-ministros britânicos e do Commonwealth, governadores-gerais e altos comissários.

Dezembro de 1848: a árvore de Natal real é admirada pela rainha Victoria, o príncipe Albert e seus filhos / Hilton Archive/Getty Images)

A equipe da rainha na Casa Real também pode receber tradicionais pudins de Natal enviados pela monarca, uma convenção também adotada por seu avô George V e seu pai, o rei George VI. Em alguns anos, a rainha entrega pessoalmente os presentes a alguns de seus funcionários em propriedades reais.

Com a morte do príncipe Philip, e seu país ainda no meio da pandemia de coronavírus, a monarca passou por provações nos últimos 12 meses. Também não ajudou o fato de ela mesma ter sofrido uma crise de saúde e ter cancelado compromissos públicos no final do ano.

“Em 1992, a rainha, em um famoso discurso no Guildhall, disse ‘este é meu annus horribilis, meu ano terrível’ e eu acho que ela poderia dizer isso sobre este ano também”, disse o historiador real Michael L. Nash à CNN.

Embora alguns fiquem preocupados devido à idade avançada dela, a fuga de Elizabeth II para a privacidade e o abraço de sua família em Sandringham serão outra indicação de que ela está de volta ao normal. Não há dúvida de que ela está ansiosa para o ano que vem e esperando voltar para suas atribuições reais.

Charles e Camilla celebram

Mais membros da família real estão entrando no espírito natalino, faltando apenas uma semana para o Natal. O príncipe de Gales e sua esposa, Camilla, encontraram-se com voluntários e funcionários em um banco de alimentos no sudoeste de Londres na terça-feira (14). Durante a visita, o casal expressou sua gratidão àqueles que trabalham lá para apoiar a comunidade. Um dia depois, Camilla ajudou na decoração da árvore de Natal da Clarence House e recebeu a visita de crianças de duas instituições de caridade da qual ela é madrinha. Seus convidados especiais foram tratados com músicas festivas executadas pela Banda da Guarda Galesa. Um vídeo do evento pode ser visto aqui.

Árvores de Natal

Historicamente, a realeza adora árvores de Natal. Na verdade, a rainha Charlotte, consorte de George III, é creditada por ter apresentado o costume à família real. O fervor também se estendeu à rainha Victoria e ao príncipe Albert, que ajudaram a popularizar a tradição em todo o país. Atualmente, Elizabeth II e sua família costumam dar os retoques finais em sua árvore de Natal juntos.

A rainha também doa árvores todos os anos para a Abadia de Westminster e a Catedral de St. Paul em Londres, e a Catedral de St. Giles e Canongate Kirk em Edimburgo. Ela também envia árvores para igrejas e escolas na área de Sandringham.

Um vídeo em time-lapse no Instagram mostra a equipe de Windsor decorando a incrível peça central do castelo no St. George’s Hall. O trabalho durou 13 horas. Veja aqui.

Leitura de poema

A pandemia causou alguns transtornos graves para famílias em todo o Reino Unido no ano passado, e a família real não foi exceção. As restrições diminuíram os momentos reais durante o período festivo no ano passado, como a habitual caminhada em família no dia de Natal para a igreja.

Para 2021, o príncipe de Gales e a duquesa da Cornualha gravaram uma leitura especial do poema “Twas the Night Before Christmas”. Alguns dos rostos famosos que se juntaram à leitura repleta de estrelas incluíram os atores Maggie Smith, Ncuti Gatwa e Tom Hardy. A gravação arrecadou fundos para The Actors’ Benevolent Fund, uma instituição de caridade da qual Charles é patrono, que apoia atores e trabalhadores do teatro. O vídeo está aqui.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN