Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Força de Kim em visita à Rússia mostra o custo da aventura militar na Ucrânia

    É significativo que Kim tenha priorizado a Rússia em detrimento da China, a mais próxima aliada da Coreia do Norte

    Lourival Sant'Annada CNN

    São Paulo

    A visita de Kim Jong-un à Rússia marca uma histórica inversão de papéis entre a Coreia do Norte e a antiga União Soviética.

    • Na Guerra da Coreia, entre 1950 e 1953, foi Josef Stalin quem forneceu armas e apoio logístico à mobilização de tropas chinesas e norte-coreanas contra as forças pró-capitalistas do Sul, apoiadas pelos Estados Unidos.
    • Agora, é a Coreia do Norte quem oferece munição e foguetes de desenho soviético para a Rússia manter seu esforço de guerra contra a Ucrânia.

    Quais são os objetivos da Coreia do Norte?

    Em troca, Kim quer tecnologia para a construção de satélites militares de espionagem e de mísseis disparados por submarinos com capacidade de transportar ogivas nucleares.

    São itens bastante sensíveis para qualquer país compartilhar. Entretanto, o formato do encontro entre Kim e Vladimir Putin, e sobretudo o local, o Cosmódromo Vostochny, no extremo leste da Rússia, indicam que o ditador norte-coreano pode conseguir o que deseja, ao menos em parte.

    Inaugurada em 2016, a base simboliza a independência do programa espacial da Rússia, que antes lançava seus foguetes de Baikonur, no Cazaquistão.

    Ao receber Kim, que desembarcou de sua limusine trazida de trem de Pyongyang, na entrada da base, Putin apertou sua mão por 40 segundos. O encontro durou 4 horas.

    Repórteres russos que acompanharam a visita disseram que o ditador norte-coreano fez perguntas detalhadas sobre o programa espacial russo.

    “A Rússia está atualmente envolvida numa luta justa contra as forças hegemônicas para defender os seus direitos soberanos, segurança e interesses”, declarou Kim. “A República Popular Democrática da Coreia sempre expressou o seu apoio total e incondicional a todas as medidas tomadas pelo governo russo, e aproveito esta oportunidade para reafirmar que estaremos sempre ao lado da Rússia na frente anti-imperialista e na frente da independência.”

    VÍDEO – Guerra entre Rússia e Ucrânia está cansando a humanidade, diz Lula

    Primeira viagem em 4 anos

    No 70.º aniversário do armistício da Guerra da Coreia, dia 27 de julho, o chanceler russo, Sergey Lavrov, visitou Pyongyang, e foi filmado numa exibição de armas do arsenal norte-coreano.

    Na visita, Lavrov convidou Kim a visitar a Rússia. Foi a primeira viagem desde 2019 do ditador norte-coreano, que isolou seu país e a si mesmo durante a pandemia.

    É significativo que ele tenha priorizado a Rússia em detrimento da China, a mais próxima aliada da Coreia do Norte. A explicação é exatamente a emergência vivida pela Rússia.

    Fator guerra

    A contra-ofensiva ucraniana realiza avanços, ainda que lentos, e atinge alvos estratégicos, como a base naval de Sevastopol, na Crimeia, nessa quarta-feira. A doutrina militar soviética é baseada no uso maciço de artilharia.

    Os estoques de munição, foguetes e mísseis, acumulados desde a época soviética, estão acabando. A Coreia do Norte tem dezenas de milhões de unidades de munição de artilharia compatível com o sistema russo, herdado da União Soviética.

    Diante disso, Kim sente que pode extrair mais concessões de Putin do que do ditador chinês, Xi Jinping.

    Além de tecnologia de satélites e mísseis, sua lista de compras inclui alimentos e energia, de que a Rússia dispõe fartamente. Os dois países são alvos das maiores sanções do Ocidente.

    A Coreia do Norte também ajuda o Irã, outro país sob sanções, no seu programa nuclear. O Irã, por sua vez, fornece drones para a Rússia, que os tem usado maciçamente para atacar a Ucrânia, suprindo a escassez de foguetes e mísseis no arsenal russo.

    Os três países são aliados da China, que agora não precisa mais se preocupar com a projeção de poder da Rússia, sua antiga adversária. O custo da aventura militar na Ucrânia e o consequente isolamento tornaram a Rússia dependente da China.