Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Gastos com publicidade eleitoral devem chegar a US$ 10 bilhões nos EUA

    Valores projetados englobam campanhas presidenciais, Senado, Câmara e governo dos estados americanos no ciclo eleitoral que abrange os anos de 2023 e 2024

    Placas de campanha eleitoral para candidatos presidenciais republicanos de 2024 são vistas em Salem, New Hampshire, em 4 de setembro de 2023
    Placas de campanha eleitoral para candidatos presidenciais republicanos de 2024 são vistas em Salem, New Hampshire, em 4 de setembro de 2023 Scott Eisen/Getty Images/Arquivo CNNi

    David Wrightda CNN

    O ciclo eleitoral de 2024 nos Estados Unidos é projetado para ser o mais caro até o momento, com gastos publicitários previstos em US$ 10,2 bilhões (R$ 49,68 bilhões) em todas as plataformas.

    Em um novo relatório, a empresa de monitorização de anúncios AdImpact afirmou que o ciclo eleitoral que abrange os anos de 2023 e 2024 “será o ciclo político mais caro de todos os tempos, 13% superior ao recorde do ciclo 2019-2020 de US$ 9,02 bilhões (R$ 43,93 bilhões)”.

    Detalhando suas projeções, a AdImpact disse que espera que US$ 2,7 bilhões (R$ 13,1 bilhões) sejam gastos em publicidade na corrida presidencial, que já gerou quase US$ 200 milhões (R$ 974,1 milhões) em gastos com publicidade até agora. Vários estados conhecidos como campos de batalha receberiam uma parcela significativa desses gastos, previu a AdImpact em seu relatório.

    “É esperado que os gastos nas eleições gerais presidenciais se concentrem em sete estados principais: Pensilvânia, Arizona, Geórgia, Michigan, Carolina do Norte, Nevada e Wisconsin”, disse a empresa.

    A AdImpact projetou ainda US$ 2,1 bilhões (R$ 10,2 bilhões) em gastos com publicidade em disputas para o Senado, US$ 1,7 bilhão (R$ 8,2 bilhões) em gastos com publicidade em disputas para a Câmara, US$ 361 milhões (R$ 1,7 bilhão) em gastos com publicidade para eleições para governador e US$ 3,3 bilhões (R$ 16 bilhões) gastos em anúncios em várias disputas eleitorais e outras iniciativas.

    O controle do Congresso estará em jogo no próximo ano – com os republicanos defendendo uma estreita maioria na Câmara dos EUA e os democratas tentando manter a sua pequena margem no Senado dos EUA.

    Reconhecendo o clima político carregado, a AdImpact disse que suas projeções foram baseadas em parte “devido a uma eleição presidencial altamente contestada, margens mínimas no Congresso e um tremendo crescimento na categoria de voto negativo, que consiste em todos os gastos políticos que não sejam presidenciais, da Câmara, Senado ou Governador”.

    A AdImpact também destacou a influência das medidas eleitorais relacionadas ao aborto no aumento dos gastos com publicidade. Essas iniciativas eleitorais foram votadas em vários estados desde a derrubada do caso Roe vs. Wade no ano passado, com mais esperadas neste ciclo.

    Eleições Estados Unidos EUA
    Campanha eleitoral para presidente nos EUA em 2020 / Foto: Shannon Stapleton/ Reuters

    Os eleitores de Ohio avaliarão em novembro deste ano uma proposta para consagrar o direito ao aborto na constituição do estado, o que ocorre depois que os defensores do direito ao aborto obtiveram uma vitória crítica em uma medida separada neste verão, no que foi visto como uma batalha por procuração sobre a votação de novembro.

    “As iniciativas eleitorais relacionadas ao aborto parecem ser um importante impulsionador dos gastos políticos neste ciclo”, escreveu a empresa.

    “As medidas eleitorais relacionadas ao aborto em Ohio já geraram mais de US$ 30 milhões (R$ 146,1 milhões) em 2023 e vários outros estados estão tentando colocar a questão nas urnas em 2024. Os resultados eleitorais e os totais de gastos no Kansas durante o ciclo de 2022 demonstraram que o aborto pode impulsionar os gastos com publicidade política mesmo em estados considerados seguramente vermelhos”.

    Gastos com publicidade presidencial dominam

    Até agora, neste ano, a maior parte do dinheiro para publicidade foi canalizado para a disputa presidencial. Até ao início de setembro, campanhas e grupos externos de ambos os partidos gastos combinados de mais de US$ 200 milhões (R$ 974 milhões) em publicidade para a corrida presidencial de 2024, incluindo em reservas para os próximos meses.

    Os gastos na disputa de 2024 também estão significativamente à frente do ritmo estabelecido durante as primárias presidenciais de 2020. Durante o fim de semana do Dia do Trabalho deste ano, cerca de US$ 121 milhões (R$ 589,3 milhões) em publicidade presidencial já tinham sido veiculados; durante o fim de semana do Dia do Trabalho em 2019, esse valor foi de cerca de US$ 60 milhões (R$ 292,2 milhões).

    Na corrida republicana, os super Comitês de Ação Política alinhados com cinco candidatos – o ex-presidente, Donald Trump, o governador da Flórida, Ron DeSantis, o senador da Carolina do Sul, Tim Scott, a ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, e o governador da Dakota do Norte, Doug Burgum – dominaram os gastos com publicidade no início do ciclo.

    Incluindo reservas passadas e reservas futuras, essas cinco entidades combinadas gastaram cerca de US$ 120 milhões (R$ 584,4 milhões) de um total de quase US$ 170 milhões (R$ 828 milhões) gastos em publicidade nas primárias presidenciais do Partido Republicano até agora.

    Grande parte dos gastos com publicidade até o momento concentrou-se em estados com disputas de indicação antecipadas, especialmente em Iowa e New Hampshire. Os eleitores de Iowa viram mais de US$ 37 milhões (R$ 180,2 milhões) em publicidade até agora, enquanto os eleitores de New Hampshire viram quase US$ 22 milhões (R$ 107,1 milhões).

    A maioria dos grandes anunciantes dividiu em grande parte os seus orçamentos entre os estados, com uma ligeira inclinação para Iowa.

    Várias campanhas e grupos externos também investiram dinheiro em campanhas publicitárias nacionais. Na liderança está o super Comitê de Ação Política MAGA Inc., alinhado com Trump, que gastou mais de US$ 18 milhões (R$ 87,6 milhões) em publicidade em TV a cabo nacional até agora.

    Never Back Down, o super Comitê de Ação Política pró-DeSantis, gastou mais de US$ 6 milhões (R$ 29,2 milhões) em publicidade nacional.

    Do lado democrata, a campanha do presidente Joe Biden anunciou recentemente planos de gastar US$ 25 milhões (R$ 121,7 milhões) em publicidade antecipada para a sua reeleição. Até agora, a campanha e um comitê aliado gastaram pouco mais de US$ 10 milhões (R$ 48,7 milhões), de acordo com dados da AdImpact.

    E complementando esses esforços, a Future Forward USA Action, o super Comitê de Ação Política que apoia Biden, também intensificou recentemente a sua atividade.

    Embora os candidatos republicanos estejam concentrados nos primeiros estados com primárias, a campanha de Biden e os seus aliados têm o luxo de investir em campos de batalha nas eleições gerais. Centenas de milhares de dólares em publicidade pró-Biden já foram veiculadas em estados como Pensilvânia, Michigan, Wisconsin, Arizona, Geórgia e Nevada.

    A rede de Biden – campanha, comitê aliado e super Comitê de Ação Política – foi até agora a que mais gastou em anúncios na Pensilvânia, US$ 870 mil (R$ 4,2 milhões), seguida pela Geórgia, com US$ 855 mil (R$ 4,1 milhões), e pelo Arizona, com US$ 727 mil (R$ 3,5 milhões).

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original