Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: conclusões do primeiro debate republicano das primárias presidenciais dos EUA

    Donald Trump não participou do debate, mas oito candidatos do partido, entre eles Mike Pence, discutiram sobre imigração, aborto, política externa e a invasão do Capitólio; veja sete pontos

    Candidatos nas primárias do Partido Republicano fizeram primeiro debate nos EUA
    Candidatos nas primárias do Partido Republicano fizeram primeiro debate nos EUA Scott Olson, Drew Angerer/Getty Images

    Eric BradnerDaniel StraussArit JohnSteve Contornoda CNN

    Com Donald Trump faltando ao primeiro debate presidencial republicano de 2024, oito de seus rivais nas primárias – a maioria deles homens usando gravatas semelhantes à vermelha brilhante usada regularmente pelo ex-presidente – brigaram pelo status de segundo lugar na noite de quarta-feira (23).

    Vivek Ramaswamy, o empresário de 38 anos e candidato pela primeira vez, esteve ao lado do governador da Flórida, Ron DeSantis, no centro do palco – e foi a figura central durante grande parte da noite.

    Ramaswamy entrou em confronto com o ex-vice-presidente Mike Pence por causa de sua experiência, com a ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, por causa da política externa, com o ex-governador de Nova Jersey, Chris Christie, por causa de Trump e muito mais.

    E porque se posicionou como um defensor de Trump, Ramaswamy foi, por vezes, um substituto do ex-presidente, que cedeu momentaneamente o palco na noite de quarta-feira, mas o retoma na quinta-feira (24), quando se entregar na prisão do condado de Fulton, na Geórgia, enquanto enfrenta acusações de subversão eleitoral.

    Apesar de todos os fogos de artifício no confronto de duas horas, o debate parecia uma eliminatória. Trump manteve a sua enorme liderança nas sondagens, apesar dos seus problemas legais, e nada do que aconteceu na noite de quarta-feira poderá virar a corrida de cabeça para baixo.

    A ausência do ex-presidente significou que vários candidatos que se posicionaram como críticos estridentes do ex-presidente tiveram negadas oportunidades de confrontá-lo diretamente. Christie, que Ramaswamy disse estar conduzindo uma campanha “baseada na vingança e no ressentimento” contra Trump, passou mais tempo discutindo com o empresário do que com o ex-presidente. O ex-governador do Arkansas, Asa Hutchinson, passou longos períodos no debate sem ser reconhecido.

    Enquanto isso, para o governador de Dakota do Norte, Doug Burgum, o desenvolvimento mais significativo na quarta-feira foi que ele ter conseguido participar do debate. Burgum foi levado ao pronto-socorro de Milwaukee na terça-feira (22) depois de sofrer uma ruptura grave no tendão de Aquiles.

    “Acho que interpretei isso muito literalmente quando disseram: ‘Vá para Milwaukee e arrebente’”, brincou ele.

    O debate ocorreu diante de uma multidão turbulenta de cerca de 4 mil pessoas no Fórum Fiserv em Milwaukee. As reações da multidão – incluindo zombarias e vaias quando os candidatos criticavam Trump – às vezes abafavam os moderadores da Fox News.

    Aqui estão sete conclusões do primeiro debate presidencial do Partido Republicano de 2024:

    Candidatos vão atrás de Ramaswamy

    Com Trump ausente do debate de quarta-feira, o alvo da maioria dos participantes do debate não foi DeSantis ou o senador da Carolina do Sul, Tim Scott, ou qualquer candidato que já tenha ocupado um cargo eletivo.

    O alvo era o recém-chegado político Ramaswamy. O primeiro golpe contra o empresário de Ohio veio de Pence: “Vivek, você disse recentemente que um presidente não pode fazer tudo. Bem, tenho novidades para você, Vivek. Eu estive no corredor. Estive na Ala Oeste. O presidente dos Estados Unidos tem de enfrentar todas as crises que a América enfrenta”.

    Mike Pence, Ron DeSantis e Vivek Ramaswamy em debate do partido republicano para as primárias das eleições presidenciais dos EUA / Brian Snyder/Reuters

    Isso estimulou discussões acaloradas e xingamentos leves entre os dois candidatos. Mais tarde, na primeira parte do debate, o ex-governador de Nova Jersey, Chris Christie, comparou as respostas de Ramaswamy a algo produzido pelo ChatGPT.

    Christie então aproveitou Ramaswamy perguntando retoricamente o que um cara pouco conhecido com um nome engraçado estava fazendo no palco do debate, apontando que a piada parecia muito com a velha frase de Barack Obama sobre ele ser “um garoto magro com um nome engraçado que acredita que a América tem um lugar para ele”.

    Em outro momento, Pence atacou Ramaswamy quando o empresário disse: “Estamos no meio de uma crise de identidade nacional”. O ex-vice-presidente respondeu: “Não temos uma crise de identidade, Vivek. Não estamos à procura de uma nova identidade nacional”.

    As críticas dirigidas à Ramaswamy foram surpreendentes. Ele é novo na política. Ao mesmo tempo, sondagens recentes mostraram-no superior a outros candidatos que passaram, em alguns casos, décadas na política eleitoral. Para os oponentes de Ramaswamy, trata-se de minar qualquer impulso que ele esteja tendo.

    DeSantis não se destaca

    DeSantis criou a expectativa de que seria o ponto focal do debate de quarta-feira. E ele era tudo menos isso. Ele certamente não falou muito. Embora sua campanha sugerisse que seus oponentes republicanos estariam “armados” contra DeSantis, ele não foi alvo de muitos ataques.

    E num momento chave – quando foi pedido aos candidatos que levantassem a mão se apoiariam Trump caso ele fosse condenado num tribunal – DeSantis espreitou à volta do palco para ver como todos os outros tinham respondido antes de ele, sem entusiasmo, levantar sua mão direita.

    DeSantis, que conquistou o lugar central, parecia satisfeito em sair de Milwaukee sem arriscar seu segundo lugar nas pesquisas. Mas também pouco fez para apagar a impressão, confirmada pelas pesquisas, de que está mais próximo do resto do grupo do que na altura de Trump ou em um alto nível próprio.

    Quando falou, DeSantis se baseou em grande parte em versos ensaiados, familiares a qualquer pessoa que o ouviu falar nos últimos meses. Tal como faz durante a campanha, abriu o debate declarando “O nosso país está em declínio” e “Precisamos mandar Joe Biden de volta para o porão dele”.

    Ele brincou sobre as pinturas de Hunter Biden – uma piada comum quando ele visita os primeiros estados indicados. Ele disse que sob a administração DeSantis, as pessoas que cruzassem ilegalmente os Estados Unidos acabariam “mortas como pedra”, uma promessa que ele vem repetindo há semanas.

    Às vezes, os moderadores tentavam afastar DeSantis de seus comentários ensaiados. Quando DeSantis elogiou seu histórico de crimes ao declarar que estava no nível mais baixo em 50 anos na Flórida, Brett Baier da Fox interrompeu dizendo que o crime estava aumentando em Miami.

    Governador da Flórida e candidato republicano à Presidência dos EUA, Ron DeSantis / 30/07/2023 REUTERS/Reba Saldanha/File Photo

    DeSantis esclareceu: “Bem, em todo o estado”. Questionado se apoiaria a proibição federal do aborto por seis semanas, DeSantis falou sobre sua vitória eleitoral na Flórida. Pressionado a dar uma resposta, ele respondeu como tem feito há semanas, recusando-se a descartar ou apoiar o assunto.

    DeSantis tentou se livrar de sua reputação que tem de falar em debates de forma fria e rígida, se dirigindo diretamente aos americanos em casa, muitas vezes apontando para a câmera, e compartilhando anedotas de um sobrevivente do aborto e de uma mãe cujo filho morreu envenenado por fentanil.

    Ele compartilhou a sua biografia – mencionando três vezes o seu serviço militar e falando repetidamente sobre a sua jovem família – um reconhecimento de que os eleitores podem ainda não conhecer a sua história para além dos choques culturais e das políticas da Covid-19 que fizeram dele uma estrela republicana.

    Christie não brilhou em nenhum momento

    Se havia um candidato que deveria emergir na noite de quarta-feira com um nocaute momentâneo, era Christie. Há quase oito anos, o ex-governador constrangeu Marco Rubio durante o debate final antes das primárias de New Hampshire ao apontar o hábito do senador da Flórida de repetir falas. Embora Rubio tenha obtido mais votos do que Christie no Granite State – ficando em quinto lugar, contra o sexto de Christie – o senador lutou para se livrar da reputação de ser robótico.

    Christie parecia pronto para dar a Ramaswamy o mesmo tratamento. Mas embora a linha “ChatGPT” de Christie lembrasse seu desempenho em debates anteriores, ele não conseguiu abalar o empresário de Ohio. Em vez disso, Ramaswamy passou a atacá-lo por suas críticas a Trump.

    Questionado se apoiaria o ex-presidente caso ele fosse condenado por um crime, Christie disse que o partido precisa parar de “normalizar essa conduta”, arrancando vaias da multidão.

    “A sua afirmação de que Donald Trump é motivado pela vingança e pelo ressentimento seria muito mais credível se toda a sua campanha não se baseasse na vingança e no ressentimento contra um homem”, disse Ramaswamy.

    Antes do debate, Doug Mayer, conselheiro sênior da campanha de Christie, disse à CNN que o ex-governador de Nova Jersey transformaria em Trump qualquer um que defendesse Trump. Mas a tentativa de Christie de atacar o principal defensor do ex-presidente no palco foi recebida com mais críticas por parte da multidão.

    “Você me faz rir”, disse Christie antes que o som de vaias o abafasse. A ótica não ajudou: a Fox News mostrou uma tela dividida de Christie parado em silêncio enquanto Ramaswamy sorria até que os moderadores pedissem à multidão que o deixasse terminar.

    Ex-governador de Nova Jersey Chris Christie / REUTERS/Eduardo Munoz

    Candidatos fazem distinções sobre o aborto

    Alguns candidatos apoiaram a proibição federal do aborto após 15 semanas. Alguns disseram que eram contra os esforços para aprovar uma proibição nacional. E ninguém declarou claramente que assinaria uma proibição federal do aborto após seis semanas – mesmo que tivessem aprovado tais leis como governadores.

    Mais de um ano depois de o Supremo Tribunal ter anulado Roe vs. Wade, a política de aborto ainda é uma questão complicada para os candidatos republicanos, apanhados entre a necessidade de demonstrar a sua boa-fé antiaborto e de abordar as realidades do cenário político, onde os eleitores rejeitaram restrições rigorosas ao aborto e os candidatos que as apoiaram.

    Num extremo do espectro estava Haley, que discutiu com Pence sobre a possibilidade de aprovar uma proibição federal. Haley apelou aos outros candidatos para “serem honestos” com o povo americano sobre as baixas probabilidades de conseguir que 60 senadores superem uma obstrução e aprovem uma proibição federal do aborto.

    Em vez disso, ela pressionou por consenso em questões como encorajar a adoção e permitir que médicos e enfermeiros com objeções morais ao procedimento tivessem o direito de não realizá-los.

    “Consenso é o oposto de liderança”, disse Pence em resposta. Mas mesmo Pence não estava disposto a ir além de endossar uma proibição federal do aborto após 15 semanas, o limite oferecido em um projeto de lei que o senador da Carolina do Sul, Lindsey Graham, apresentou no ano passado.

    “Uma proibição de 15 semanas é uma ideia cuja hora chegou”, disse Pence. Scott também apoiou a proibição de 15 semanas no palco.

    Dois candidatos que sancionaram a proibição do aborto após seis semanas – DeSantis e o governador de Dakota do Norte, Doug Burgum – não chegaram a dizer que fariam o mesmo em nível nacional. Burgum disse que sua oposição a uma proibição nacional decorre de seu apoio à 10ª Emenda. DeSantis, questionado se assinaria uma proibição federal de seis semanas, simplesmente disse que “ficaria do lado da vida”.

    “Eu entendo que Wisconsin fará isso de forma diferente do Texas”, disse DeSantis. “Mas apoiarei a causa da vida como governador e como presidente”.

    DeSantis tenta, mas não consegue, evitar a pergunta sobre 6 de janeiro após ser pressionado por Pence

    Quando os moderadores perguntaram a DeSantis se Pence estava certo ao rejeitar a campanha de pressão de Trump para anular as eleições presidenciais de 2020, o governador da Flórida tentou esquivar-se – ignorando o que lhe tinha sido perguntado e queixando-se do “armamento” do governo federal.

    Mas Pence insistiu, colocando DeSantis em uma posição difícil. “O povo americano merece saber se todos neste palco concordam que mantive o meu juramento à Constituição naquele dia. Não há dever mais importante, então responda à pergunta”, disse ele.

    “Mike cumpriu seu dever. Não tenho nenhum problema com ele”, disse DeSantis, tentando seguir em frente rapidamente.

    O momento ilustrou o quão cauteloso é o governador da Flórida em alienar a base de Trump. Christie, porém, zombou da resposta de DeSantis, chamando-a de “um discurso pré-enlatado”.

    Ele disse que Pence “não merece crédito relutante; ele merece nossos agradecimentos como americanos”.

    Haley se inclina para as eleições gerais

    Haley, ex-governadora da Carolina do Sul e embaixadora dos EUA nas Nações Unidas na administração Trump, trouxe ao palco na quarta-feira uma mensagem que foi dirigida mais diretamente a um eleitorado geral do que aos seus rivais. O que está menos claro é se ela fez o suficiente para impressionar os eleitores republicanos para chegar lá.

    Haley recusou a proibição federal do aborto, dizendo que a realidade do limite de 60 votos do Senado para quebrar a obstrução e a necessidade de uma maioria na Câmara significa que é necessário um “consenso” sobre a questão. Ela também disse que a contracepção deveria estar disponível para todas as mulheres.

    Ela foi uma das poucas candidatas a reconhecer que as mudanças climáticas são reais. Ela foi a primeira a criticar Trump nominalmente, apontando para o aumento dos gastos durante sua presidência. Elogiou as ações de Pence em 6 de janeiro de 2021, apesar da pressão de Trump sobre o ex-vice-presidente para tentar anular o resultado das eleições de 2020 e chamou seu ex-chefe de “o político mais odiado da América”.

    “Não podemos vencer uma eleição geral dessa forma”, disse ela.

    E ela criticou Ramaswamy durante uma discussão sobre a Rússia, enquanto Haley defendia o apoio dos Estados Unidos à Ucrânia. “Você não tem experiência em política externa, e isso fica evidente”, disse ela durante uma das conversas mais acaloradas da noite.

    Republicana Nikki Haley durante participação em programa da Fox News, em janeiro de 2023.
    Republicana Nikki Haley durante participação em programa da Fox News, em janeiro de 2023 / Theo Wargo/Getty Images

    Scott segue a rotina do Sr. Bonzinho

    O plano para Scott entrar no debate era manter sua atitude de “mate-os com gentileza”. Na primeira parte do debate, ele fez isso. O problema é que essa abordagem o manteve fora da maioria das discussões.

    Enquanto os outros candidatos debatiam e discutiam sobre o aborto, a Ucrânia ou se Trump deveria ser perdoado, Scott não estava realmente envolvido. Ele tentou inserir-se com advertências sobre o “armamento” do governo federal e o crime na América. Mas todos os seus comentários e argumentos ficaram em segundo plano quando os candidatos mirando em Ramaswamy ou Christie elogiaram Pence por suas ações em 6 de janeiro de 2021.

    Quando Scott teve a oportunidade de opinar sobre a fronteira sul, a imigração ilegal e o fentanil, deu uma longa resposta sobre como seria importante e fácil terminar o muro fronteiriço de Trump.

    “Como próximo presidente dos Estados Unidos, completarei esse muro na fronteira”, disse Scott, estendendo cada palavra da frase final. Ele fez uma pausa para os aplausos. Não houve nenhum.

    Antes do debate, os estrategistas republicanos argumentaram que esta era a abordagem que Scott queria adotar porque é o seu eu autêntico. A questão agora é se o senador da Carolina do Sul continuará com isso daqui para frente.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original