Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Gaza: o que sabemos sobre a atual situação da região após a contraofensiva de Israel

    Enclave é um dos territórios mais densamente povoados do mundo e tem condições de vida críticas desde antes da guerra

    Família de palestinos sentados sobre os escombros de um dos prédios destruídos em ataque aéreo de Israel em Rafah, na Faixa de Gaza
    Família de palestinos sentados sobre os escombros de um dos prédios destruídos em ataque aéreo de Israel em Rafah, na Faixa de Gaza Abed Rahim Khatib/Anadolu via Getty Images

    Laura Paddisonda CNN

    Israel se prepara para a próxima fase da guerra contra o Hamas, depois de uma semana de ataques aéreos na Faixa de Gaza, que mataram pelo menos 2.700 pessoas, devido ao atentado do grupo extremista islâmico em 7 de outubro no território israelense, que deixaram 1.400 pessoas mortas.

    O país judaico concentrou tropas e equipamentos militares na sua fronteira com o território palestino e alertou cerca de 1,1 milhão de pessoas na metade norte de Gaza para evacuar, de acordo com as ONU.

    Enquanto Israel se prepara para uma ofensiva terrestre em Gaza, veja abaixo o que precisa de saber sobre o enclave de 225 km² – um dos territórios mais densamente povoados da Terra.

    O que é Gaza

    Gaza é uma estreita faixa de terra, com apenas cerca de 40 quilômetros de comprimento e 11 quilômetros de largura – pouco mais do dobro do tamanho de Washington DC.

    A oeste fica o Mar Mediterrâneo, ao norte e a leste está Israel e o Egito está ao sul. É um dos dois territórios palestinos, sendo o outro a Cisjordânia – região majoritariamente ocupada por Israel.

    Quem mora ali

    Cerca de 2 milhões de pessoas vivem no território de 225 km². A maioria das pessoas é jovem, com 50% da população com menos de 18 anos, segundo a Organização Mundial da Saúde.

    Quase todos os habitantes de Gaza – 98-99% – são muçulmanos, de acordo com o CIA World Factbook, sendo a maioria dos restantes cristãos.

    Mais de 1 milhão de residentes de Gaza são refugiados, com oito campos de refugiados palestinos reconhecidos, de acordo com a Agência de Assistência e Obras das Nações Unidas.

    Faixa de Gaza no mapa / Google Maps

    História de Gaza

    Habitada há milhares de anos, Gaza já foi muitas coisas: uma base egípcia, uma cidade real para os filisteus e o local onde o hebreu Sansão, traído por Dalila, encontrou a morte.

    Fez parte do Império Otomano durante a maior parte do período do século 16 ao início do século 20, até que a Grã-Bretanha assumiu o controle da área após a Primeira Guerra Mundial.

    A disputa mais recente pela terra começou no final da Segunda Guerra Mundial, quando judeus que fugiam da perseguição viajaram da Europa em busca de refúgio após os horrores do Holocausto.

    Em 1947, a ONU criou um plano para dividir o então Mandato Britânico da Palestina em duas terras, uma para os judeus e outra para o povo árabe. David Ben Gurion, o fundador de Israel, proclamou o estabelecimento do Estado de Israel em 1948. Mais de 700 mil palestinos fugiram ou foram expulsos, e à maioria foi negado o retorno.

    Depois que Israel declarou a independência, o Egito atacou Israel através da Faixa de Gaza. Israel venceu, mas Gaza permaneceu sob o controle do Egito e a região recebeu uma grande quantidade de refugiados palestinos provenientes de Israel.

    Incapazes de migrar para o Egito e não autorizados a regressar às suas antigas casas em Israel, muitos viviam em extrema pobreza.

    Em 1967, eclodiu a guerra entre Israel, Egito, Jordânia e Síria. Durante o conflito, que ficou conhecido como a Guerra dos Seis Dias, Israel tomou Gaza e manteve-a durante quase 40 anos, até 2005, quando retirou as suas tropas e colonos. Desde então, as hostilidades eclodiram regularmente entre Israel e facções palestinas, incluindo o Hamas.

    Veja também: Ministro de Israel: território de Gaza precisa diminuir após a guerra

    Quem controla Gaza agora

    Em 2006, o Hamas obteve uma vitória nas eleições legislativas palestinas – as últimas eleições realizadas em Gaza.

    O Hamas é uma organização islâmica com uma ala militar formada em 1987, emergindo da Irmandade Muçulmana, um grupo islâmico sunita fundado no final da década de 1920 no Egito.

    O grupo considera Israel um estado ilegítimo e uma potência ocupante em Gaza. Ao contrário de outros grupos palestinos, como a Autoridade Palestiniana, o Hamas recusa-se a dialogar com Israel.

    O grupo assumiu a responsabilidade por muitos ataques a Israel ao longo dos anos e foi designado como organização terrorista por países como os Estados Unidos, a União Europeia e Israel.

    A última guerra entre o Hamas e Israel foi em 2021, que durou 11 dias e matou pelo menos 250 pessoas em Gaza e 13 em Israel.

    Um dos maiores financiadores do grupo é o Irã, de acordo com o Departamento de Estado dos EUA, que afirmou num relatório de 2021 que o Irã fornece cerca de US$ 100 milhões por ano ao Hamas, entre outros “grupos terroristas palestinos”.

    O grupo também recebe armas e treino do Irã, bem como alguns fundos angariados nos países do Golfo Árabe, disse o Departamento de Estado.

    Bloqueio de Israel

    Apesar da retirada de Israel de Gaza, desde 2007 o país mantém um controle apertado sobre o território por meio de bloqueio terrestre, aéreo e marítimo.

    Durante quase 17 anos, Gaza esteve quase totalmente isolada do resto do mundo, com severas restrições à circulação de mercadorias e pessoas.

    O bloqueio foi ferozmente criticado por organização internacionais, incluindo a ONU, que afirmou num relatório de 2022 que as restrições tiveram um “impacto profundo” nas condições de vida e “prejudicaram a economia de Gaza, resultando em elevado desemprego, insegurança alimentar e dependência de ajuda”.

    Israel disse que o bloqueio é vital para proteger os seus cidadãos do Hamas.

    “Israel temia que, sem um bloqueio, o Hamas teria uma abordagem mais fácil ao contrabando de armas, ao armamento”, disse Bilal Saab, membro sênior e diretor fundador do programa de defesa e segurança do Instituto do Oriente Médio.

    Embora, disse ele à CNN, “francamente, não tenha sido feito um trabalho muito bom, dada a enorme infraestrutura de túneis que a organização construiu ao longo dos anos”.

    FOTOS – Veja imagens da guerra

    Condições de vida

    Mesmo antes dos ataques do Hamas e da retaliação de Israel em Gaza, as condições de vida no enclave eram terríveis.

    A Human Rights Watch chamou o território de “prisão ao ar livre” – os habitantes de Gaza têm acesso limitado a cuidados de saúde, educação e oportunidades econômicas.

    Os níveis de desemprego estão entre os mais elevados do mundo, com quase metade da população desempregada, segundo dados de 2022 da ONU. Mais de 80% vivem na pobreza.

    “Durante pelo menos a última década e meia, a situação socioeconômica em Gaza tem estado em declínio constante”, afirmou a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (UNRWA) em agosto.

    “Para além dos números, os profissionais de saúde mental em Gaza descrevem uma crise que passa despercebida”, disse Tania Hary, diretora executiva da Gisha, uma organização israelense de direitos humanos que se concentra na liberdade de circulação dos palestinos.

    Ainda há esperança, disse Hary à CNN: “Apesar destas estatísticas terríveis, Gaza também tem oito universidades e várias outras faculdades, uma pequena mas transformadora indústria, empresários numa variedade de campos e agricultores inovadores e resilientes”.

    No entanto, as condições tornaram-se piores desde que Israel declarou um “cerco total” ao enclave em retaliação aos ataques do Hamas, retendo fornecimentos essenciais de alimentos, combustível e água.

    A vida tornou-se ainda mais perigosa para o 1,1 milhão de habitantes de Gaza que vivem no norte do enclave na sexta-feira, quando Israel lhes disse para deixarem o norte e irem para o sul, o que levou os trabalhadores humanitários a alertar para uma “catástrofe completa”.

    O Programa Alimentar Mundial da ONU alertou no domingo (15) que estava “ficando sem suprimentos” para ajudar as pessoas em Gaza.

    Voos de ajuda chegaram ao Egito perto da passagem de Rafah, na fronteira sul de Gaza, mas até agora não conseguiram chegar ao enclave.

    Enquanto isso, o número de mortos continua a aumentar. Mais pessoas foram mortas no bombardeio desta semana ao enclave do que durante as seis semanas de guerra entre Israel e Hamas em 2014.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original