Giuliani, ex-advogado de Trump, é intimado a depor sobre invasão do Capitólio

Outras três pessoas também foram intimadas, incluindo um ex-assessor de Trump

Zachary CohenAnnie Grayerda CNN

Ouvir notícia

O comitê da Câmara dos Estados Unidos que investiga a invasão do Capitólio intimou, nesta terça-feira (18), Rudy Giuliani a depor. Ele é uma figura central na tentativa fracassada do ex-presidente Donald Trump de derrubar a eleição de 2020 com base em alegações infundadas de fraude eleitoral generalizada.

Além de Giuliani, o comitê emitiu intimações a dois outros advogados que promoveram várias conspirações de fraude eleitoral em nome de Trump: Jenna Ellis e Sidney Powell.

O ex-assessor de campanha de Trump Boris Epshteyn, que estava entre os que trabalhavam com Giuliani no “centro de comando” pós-eleitoral do Willard Hotel, também foi intimado.

“Os quatro indivíduos que intimamos hoje divulgaram teorias não fundamentadas sobre fraude eleitoral, pressionaram esforços para anular os resultados das eleições ou estavam em contato direto com o ex-presidente sobre tentativas de impedir a contagem de votos eleitorais”, disse o deputado democrata Bennie Thompson, da Mississippi, que preside o comitê.

As intimações marcam um avanço significativo na investigação, já que o comitê agora está buscando a cooperação daqueles que estão no centro do esforço de Trump para derrubar a eleição – incluindo Giuliani, que já atuou como seu advogado pessoal – e as investigações de fraude eleitoral predicadas com conspirações.

Os investigadores perguntaram a testemunhas sobre Giuliani e Powell durante entrevistas anteriores a portas fechadas, mas agora querem ouvir diretamente os ex-advogados de Trump.

Em sua carta a Giuliani, o comitê cita depoimentos de testemunhas e relatos públicos de que ele pediu a Trump que confiscasse as máquinas de votação mesmo depois que o Departamento de Segurança Interna (DHS) lhe disse que não tinha autoridade legal para fazê-lo.

A CNN informou anteriormente que, em dezembro de 2020, Giuliani perguntou ao ex-funcionário do DHS Ken Cuccinelli se o departamento poderia apreender máquinas de votação em certos estados para serem reexaminadas em busca de evidências de fraude eleitoral generalizada.

Cuccinelli, que a CNN informou anteriormente ter falado com o comitê, afirmou em outubro que disse a Giuliani que o departamento não tinha autoridade legal para apreender urnas ou interferir nas eleições estatais.

O ex-funcionário também disse que “ninguém em nenhum nível nos pressionou para fazer nada fora de nossos conjuntos de missões existentes”.

De acordo com uma fonte familiarizada com seu depoimento, o ex-comissário de polícia de Nova York Bernie Kerik foi questionado na semana passada sobre Giuliani e ele defendeu o ex-prefeito de Nova York como acreditando legitimamente que havia pelo menos “causa provável” de fraude eleitoral que deveria ser investigada e não uma “grande mentira”.

Kerik trabalhou ao lado de Giuliani nas semanas após as eleições presidenciais de 2020 para encontrar qualquer evidência de fraude eleitoral que pudesse influenciar Trump. Não há evidências de fraude eleitoral generalizada na eleição.

Quanto ao esforço de Giuliani para apreender as máquinas de votação – Kerik disse ao comitê que isso é algo que eles analisaram, conversaram com o DHS e concluíram que não poderiam fazê-lo.

Os legisladores também estavam perguntando sobre Powell e como ela foi separada da equipe jurídica de Trump.

Paula Reid, da CNN, contribuiu para esta reportagem

Mais Recentes da CNN