Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Guaidó diz à CNN que ordem de prisão contra ele é ferramenta de manipulação de Maduro

    Autoridade venezuelana também deve pedir inclusão do nome do opositor na lista da Interpol

    Líder da oposição venezuelana Juan Guaidó
    Líder da oposição venezuelana Juan Guaidó 14/06/2022REUTERS/Leonardo Fernandez Viloria

    Stefano Pozzebonda CNN

    O líder da oposição na Venezuela, Juan Guaidó, disse à CNN, nesta sexta-feira (6), que não tem medo de ser deportado para o país, mesmo após o governo de Nicolás Maduro ter anunciado um mandado de prisão contra ele.

    O mandado foi emitido na quinta-feira (6) pelo procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, que disse que também solicitaria um alerta vermelho da Interpol para deportar o opositor.

    Veja também — Venezuela emite mandado de prisão contra Guaidó, anuncia procurador-geral

    O anúncio ocorreu poucas horas após a Administração Biden revelar que começará a deportar imigrantes venezuelanos que entrarem ilegalmente nos Estados Unidos, representando uma mudança significativa na política adotada até então.

    Até agora, os EUA consideravam a Venezuela “insegura” para o retorno de imigrantes devido à situação política, mas isso mudou à medida que mais imigrantes – muitos deles venezuelanos – cruzaram a fronteira para os Estados Unidos, gerando índices recordes neste ano.

    Durante entrevista à CNN, Guaidó disse que não acredita que os dois eventos estejam relacionados. No entanto, comentou que o mandado de prisão contra si é outro sinal de que Maduro está buscando reconhecimento internacional como chefe de Estado da Venezuela.

    Falando de Miami, Guaidó também observou que não considera que a crise imigratória envolvendo venezuelanos será resolvida enquanto o presidente Nicolás Maduro permanecer no poder.

    “A única coisa em que [Maduro] não discrimina é na repressão. Eles fazem isso contra todos. Claro que quero voltar para a Venezuela, mas pelo menos aqui estou vivo e livre, ao contrário de muitos venezuelanos que estão atrás das grades ou foram assassinados pela ditadura”, ponderou ele à CNN.

    “Os venezuelanos vão para Nova York por desespero, por falta de oportunidades, e isso acontece na Venezuela todos os dias. Eles não vão resolver a situação da imigração só porque param a migração ou conectam voos. Precisamos acabar com o regime e recuperar os direitos na Venezuela”, avaliou Guaidó.

    “A única coisa que Maduro procura é o reconhecimento, e mesmo estes voos de deportação vão ser apresentados como um reconhecimento de fato do seu regime. É isso que ele obtém com isto. Mas todos sabemos que esta nova política não é uma solução para a crise imigratória: a crise é vista em Nova York, mas suas raízes estão na Venezuela”, acrescentou o opositor à CNN.

    “Nunca esperamos que os imigrantes venezuelanos chegassem aos Estados Unidos diretamente, a pé, vindos da Venezuela. São milhares de quilômetros de desespero pela selva. Mas precisamos mudar a situação na Venezuela, devolver a democracia ao país, se quisermos resolver a crise da imigração”, observou.

    Guaidó foi presidente da Assembleia Nacional da Venezuela entre 2019 e 2023 e foi reconhecido pelos Estados Unidos e por mais de 50 outros países como o legítimo chefe de Estado da Venezuela.

    Depois de deixar o país, em abril, ele agora mora com a família em Miami, onde é pesquisador sênior da Florida International University.

    Um porta-voz de Guaidó havia dito à CNN anteriormente que o líder recebeu asilo político quando se mudou para os Estados Unidos.

    Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 7,5 milhões de venezuelanos deixaram o país nos últimos anos em busca de melhores oportunidades econômicas no exterior, a maior diáspora migrante no Hemisfério Ocidental.

    Embora a maioria destes imigrantes viva em outros países da América do Sul, nos últimos meses um número crescente mudou-se para o norte, para a fronteira sul dos Estados Unidos, pressionando ainda mais as instalações nas fronteiras.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original