Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Guerra em Gaza: quantos palestinos os ataques de Israel mataram?

    Este artigo analisa como o número de mortos palestinos é calculado, quão confiável ele é, a distribuição de civis e combatentes mortos e o que cada lado diz

    Ataque israelense na Cidade de Gaza 7/7/2024 REUTERS/Dawoud Abu Alkas
    Ataque israelense na Cidade de Gaza 7/7/2024 REUTERS/Dawoud Abu Alkas REUTERS

    Da Reuters

    Autoridades de saúde palestinas dizem que a campanha terrestre e aérea de Israel em Gaza matou mais de 38 mil pessoas, a maioria civis, e expulsou a maior parte dos 2,3 milhões de habitantes do território de suas casas.

    A guerra começou em 7 de outubro, quando militantes do Hamas invadiram a fronteira em comunidades israelenses. Israel diz que os militantes mataram mais de 1.200 pessoas, a maioria civis, e arrastaram 253 para cativeiro em Gaza.

    Este artigo analisa como o número de mortos palestinos é calculado, quão confiável ele é, a distribuição de civis e combatentes mortos e o que cada lado diz.

    Como as autoridades de Gaza calculam o número de mortos?

    Nos primeiros meses da guerra, o número de mortos era calculado inteiramente a partir da contagem de corpos que chegavam aos hospitais, e os dados incluíam nomes e números de identidade da maioria dos mortos.

    À medida que o conflito avançou e menos hospitais e necrotérios continuaram a operar, as autoridades também adotaram outros métodos.

    Desde o início de maio, o Ministério da Saúde atualizou sua análise do total de fatalidades para incluir corpos não identificados, que respondem por quase um terço do total.

    Omar Hussein Ali, chefe do centro de operações de emergência do Ministério na Cisjordânia ocupada por Israel, disse que esses eram corpos que chegaram a hospitais ou centros médicos sem dados pessoais, como números de identidade ou nomes completos.

    Ataque israelense contra casa no centro de Gaza / 9/7/2024 REUTERS/Ramadan Abed

    A contagem também começou a incluir mortes relatadas virtualmente por familiares que tiveram que inserir informações, incluindo números de identidade.

    O número de mortos em Gaza é completo?

    Os números “não refletem necessariamente todas as vítimas devido ao fato de que muitas vítimas ainda estão desaparecidas sob os escombros”, diz o Ministério da Saúde Palestino.

    Em maio, estimou-se que cerca de 10 mil corpos não foram contados dessa forma.

    A revista médica Lancet publicou uma carta de três acadêmicos em 5 de julho estimando que mortes indiretas, causadas por fatores como doenças, podem significar que o número de mortos é muitas vezes maior do que as estimativas oficiais palestinas.

    A carta dizia que “não era implausível estimar que até 186 mil ou mais mortes poderiam ser atribuídas ao atual conflito em Gaza”.

    Os autores disseram que o número, que ganhou as manchetes globais, foi baseado no que eles disseram ser uma estimativa conservadora de quatro mortes indiretas para uma morte direta com base em tendências de conflitos anteriores.

    O escritório de direitos humanos da ONU e o Laboratório de Pesquisa Humanitária da Escola de Saúde Pública de Yale também disseram durante o conflito que os números reais provavelmente são maiores do que os publicados, sem dar detalhes.

    Quão confiável é o número de mortos em Gaza?

    Antes da guerra, Gaza tinha estatísticas populacionais robustas e melhores sistemas de informação de saúde do que a maioria dos países do Oriente Médio, disseram especialistas em saúde pública à Reuters.

    Dezenas de corpos de palestinos entregues a Gaza através da passagem Karm Abu Salem, também conhecida como passagem Kerem Shalom, por Israel são enterrados em uma vala comum em Rafah, Gaza, em 30 de janeiro de 2024 / Yaser Fq Qudaih/Anadolu via Getty Images

    Um porta-voz da Organização Mundial da Saúde disse que o Ministério tem “boa capacidade de coleta/análise de dados e seus relatórios anteriores foram considerados confiáveis”.

    As Nações Unidas citam regularmente os números de mortes do ministério, ao mesmo tempo em que citam o ministério como a fonte.

    No início do conflito, depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, lançou dúvidas sobre os números de vítimas, o Ministério da Saúde publicou uma lista detalhada das 7.028 mortes que haviam sido registradas até aquele momento.

    Acadêmicos que analisavam detalhes das vítimas listadas disseram em um artigo revisado por pares no periódico médico Lancet em novembro que era implausível que os padrões mostrados na lista pudessem ser resultado de fabricação.

    No entanto, há questões específicas sobre a inclusão de 471 pessoas que teriam sido mortas em uma explosão em 17 de outubro no hospital al-Ahli al-Arab, na Cidade de Gaza.

    Um relatório não classificado da inteligência dos EUA estimou que o número de mortos está “na extremidade inferior do espectro de 100 a 300”.

    O Hamas controla os números?

    Embora o Hamas governe Gaza desde 2007, o Ministério da Saúde do território também responde ao ministério geral da Autoridade Palestina em Ramallah, na Cisjordânia.

    Os corpos de bebês em decomposição são vistos em camas de hospital dentro da enfermaria de UTI do hospital Al-Nasr, no norte de Gaza, nesta captura de tela tirada de um vídeo filmado pelo repórter do Al Mashhad, Mohamed Baalousha, supostamente em 27 de novembro. A imagem foi desfocada devido à sua natureza gráfica / Mohamed Baalousha/Al Mashhad

    O governo de Gaza, comandado pelo Hamas, pagou os salários de todos os contratados em departamentos públicos desde 2007, incluindo o Ministério da Saúde. A Autoridade Palestina ainda paga os salários dos contratados antes disso.

    A extensão do controle do Hamas em Gaza agora é difícil de avaliar, com as forças israelenses ocupando a maior parte do território, incluindo locais próximos a grandes hospitais que fornecem números de vítimas, e com os combates em andamento.

    O que Israel diz?

    Autoridades israelenses disseram que os números são suspeitos por causa do controle do Hamas sobre o governo em Gaza.

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Oren Mamorstein, disse que os números foram manipulados e “não refletem a realidade no local”.

    No entanto, os militares israelenses também aceitaram em coletivas que os números gerais de vítimas em Gaza são amplamente confiáveis.

    Palestinos procuram vítimas no local de ataques israelenses a casas no campo de refugiados de Al Shati, na Cidade de Gaza / 22/06/2024 REUTERS/Ayman Al Hassi

    Em maio, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu disse que 14 mil combatentes do Hamas e 16 mil civis palestinos foram mortos na guerra.

    Quantos civis foram mortos?

    Os números do Ministério da Saúde não fazem distinção entre civis e combatentes do Hamas, que não usam uniforme formal nem portam identificação separada.

    Israel fornece periodicamente estimativas de quantos combatentes do Hamas acredita terem sido mortos. A mais recente foi a estimativa de Netanyahu de 14 mil.

    Autoridades de segurança israelenses dizem que tais estimativas são obtidas por meio de uma combinação de contagem de corpos no campo de batalha, interceptações de comunicações do Hamas e avaliações de inteligência de pessoal em alvos que foram destruídos.

    O Hamas disse que as estimativas israelenses sobre suas perdas são exageradas, mas não disse quantos de seus combatentes foram mortos.

    O Ministério da Saúde Palestino diz que mais de 70% dos mortos são mulheres e crianças. Para a maior parte do conflito, seus números mostraram que as crianças representavam pouco mais de 40% de todos os mortos.

    No entanto, as condições nos hospitais que compilam os números pioraram em meio aos conflitos e muitos dos mortos podem não ser identificáveis ​​devido aos ferimentos.