Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Guerra: saiba como foram as conversas secretas para acabar com o cerco de Mariupol

    Negociações entre ucranianos e russos impediram massacre e fizeram com que civis fossem evacuados da usina de Azovstal e soldados se tornassem prisioneiros de guerra

    Vista de instalações destruídas de Azovstal, em Mariupol
    Vista de instalações destruídas de Azovstal, em Mariupol 22/05/2022REUTERS/Pavel Klimov

    Sebastian ShuklaAlex MarquardtKosta Hakda CNN*

    Kiev, Ucrânia

    O presidente russo, Vladimir Putin, sentou-se em frente ao seu ministro da Defesa no Kremlin em abril passado, relaxado em sua cadeira e segurando a mesa. Eles estavam discutindo o cerco da Rússia à usina Azovstal Iron and Steel Works na cidade estratégica de Mariupol, no sudeste da Ucrânia.

    Para os ucranianos, Azovstal tornou-se um símbolo sombrio, mas potente, de resistência, abrigando cerca de 2.600 soldados e civis, enquanto a instalação semelhante a uma fortaleza foi atacada por bombardeios russos por semanas. Para Moscou, o vasto local era uma frustração, o último reduto teimoso em uma cidade que suas forças haviam assumido o controle semanas antes.

    “Bloqueie o local, para que nem mesmo uma mosca possa escapar”, Putin fez seu comando, transmitido pela televisão estatal.

    Mas quando o presidente russo ordenou um aperto no cerco em torno do enorme complexo fabril, um pequeno grupo estava prestes a iniciar negociações secretas para encerrá-lo. Eles envolveram dois dos generais mais graduados de Putin e um legislador ucraniano que já serviu como pára-quedista soviético. A CNN agora pode revelar com exclusividade os detalhes internos de como o acordo foi fechado e quem esteve envolvido nas negociações delicadas.

    Oleksandr Kovalov, membro do parlamento ucraniano da região de Donetsk e veterano da guerra soviético-afegã, disse à CNN que intermediou os estágios iniciais das negociações. Dois generais de alto escalão da agência de inteligência militar da Rússia, amplamente conhecida como GRU, representavam o outro lado: o tenente-general Vladimir Alexseyev, segundo no comando do GRU, e o major-general Alexander Zorin, ambos nascidos na Ucrânia.

    Alexseyev foi associado a uma série de incidentes internacionais descarados nos últimos anos. Ele estava entre os quatro oficiais do GRU sancionados pelo Departamento do Tesouro dos EUA em 2016 por ampla atividade cibernética maliciosa dirigida a minar os processos democráticos da América, incluindo interferência eleitoral. O Reino Unido e a União Europeia o sancionaram em 2019 pelo envenenamento do ex-oficial da inteligência russa Sergei Skripal na Inglaterra com um agente nervoso mortal.

    Zorin, por sua vez, serviu como enviado de Putin à Síria, desempenhando um papel ativo nas negociações entre o regime do presidente Bashar al-Assad e a oposição do país e as facções rebeldes.

    O envolvimento deles destaca a importância que Putin atribuiu à resolução do impasse de Azovstal e à tomada de Mariupol, assegurando sua ponte terrestre há muito procurada entre a Crimeia e a Rússia – um dos maiores prêmios da invasão russa.

    Também ilustra uma narrativa muito divulgada, mas difícil de provar, bem no topo do comando de Moscou na guerra da Ucrânia – que o presidente russo assumiu o controle do conflito brutal da principal agência de inteligência doméstica do país, o Serviço Federal de Segurança, ou FSB, e o colocou nas mãos dos espiões militares, o GRU.

    “Desde o verão passado, os generais da inteligência militar assumiram um papel mais proeminente quando Putin percebeu que não era mais uma ‘operação especial’, mas uma guerra convencional”, disse Andrei Soldatov, jornalista investigativo russo e especialista em inteligência agora exilado em Londres, à CNN. “Infelizmente, isso significa que Putin está preparando o país para uma longa guerra convencional.”

    Durante anos, a Ucrânia fez parte do portfólio do FSB; entregar o controle da guerra ao GRU marcou uma mudança sísmica na forma como Putin via o serviço.

    Em um ensaio do Center for European Policy Analysis, Soldatov e sua colega Irina Borogan escreveram que Putin não ficou impressionado com o fato de os planos altamente secretos do FSB para a invasão terem sido obtidos pela inteligência ocidental. O presidente russo aparentemente também estava insatisfeito com a “completa ausência de levantes de pessoas que falavam russo” que lhe haviam sido prometidos.

    Siderúrgica de Azovstal em Mariupol, na Ucrânia / 05/05/2022 REUTERS/Alexander Ermochenko

    Refúgio subterrâneo

    Depois de invadir a Ucrânia em 24 de fevereiro, as forças russas invadiram a cidade de Mariupol em dias, mas depois passaram meses tentando capturá-la totalmente. Azovstal rapidamente se tornou o epicentro da luta.

    Um monstruoso labirinto de túneis, canos e chaminés empoleirados no Mar de Azov, a fábrica se estende por mais de 10 quilômetros quadrados e já empregou mais de 10 mil pessoas. Agora está em ruínas.

    As forças russas bombardearam a instalação dia e noite durante semanas. A última posição dos ucranianos tornou-se cada vez mais desesperada à medida que os suprimentos de comida e água diminuíam e centenas de vítimas ficaram sem cuidados médicos adequados. Aconchegados no subsolo em condições sombrias, muitos soldados e civis começaram a duvidar de que escapariam vivos da usina.

    Foi nesse ponto que Kovalov surgiu.

    O escritório de Kovalov em Kiev fica em um prédio administrativo não-identificado, a poucos minutos do parlamento ucraniano. Uma grande bandeira de sua organização filantrópica para veteranos está pendurada na parede, com o slogan retirado das Forças Aéreas Soviéticas: “Ninguém além de nós”. Contra a parede, um lobo de pelúcia chamado “Droog” (“amigo” em ucraniano) está parado com um rosnado congelado.

    O legislador representa um eleitorado da região de Donetsk, no leste do país, onde fez campanha para revogar uma lei estadual consagrando o ucraniano como língua oficial – uma questão importante para muitos falantes de russo na área.

    As lealdades de Kovalov foram examinadas no passado. Em 2014, ele foi acusado de ajudar na fuga de membros de uma extinta divisão especial da força policial, conhecida como Berkut, depois que eles realizaram uma violenta repressão a manifestantes pró-democracia em Euromaidan. Ele negou apoiar Berkut e disse à CNN que ajudou na fuga deles para evitar mais derramamento de sangue em Kiev.

    Esse objetivo tem sido fundamental para seu trabalho desde o início da guerra.

    À medida que o ataque da Rússia a Mariupol e Azovstal se arrastava, Kovalov disse que se lembrava de ter pensado que alguém tinha que tentar impedir a loucura. “Nem todas as pessoas querem a guerra. Muitos entendem que isso é ruim e todos em seu nível estão tentando encontrar uma brecha para uma pequena reconciliação”.

    Kovalov disse que aproveitou um contato do FSB em Moscou – Valentin Kryzhanovsky – na esperança de quebrar o cerco brutal. Kryzhanovsky, um ex-agente dos Serviços de Inteligência Ucranianos (SBU) que desertou para a Rússia em 2014 e ingressou no FSB, é amplamente visto como um traidor na Ucrânia.

    Os dois homens conversaram sobre os civis presos em Azovstal. “Existem mulheres, crianças, vamos pensar em algo”, Kovalov se lembra de ter dito.

    Segundo o parlamentar, muitos outros tentaram, sem muita sorte, negociar o acesso à siderúrgica Azovstal. “Houve 11 missões malsucedidas antes de mim e ninguém acreditava que fosse possível chegar lá”, disse ele. A CNN não pôde confirmar de forma independente sua afirmação.

    Ele disse que deixou seus planos claros para o gabinete do major-general Kyrylo Budanov, chefe da agência de inteligência militar da Ucrânia. Embora Budanov duvidasse de suas chances, Kovalov disse que lhe deu sua bênção.

    Negociações avançam em Mariupol

    Em 25 de abril, Kovalov fez sua primeira viagem ao sul da Ucrânia ocupada pela Rússia desde o início da guerra, armado com senhas secretas e dispositivos de comunicação criptografados de Budanov, disse ele, para facilitar a passagem pelos postos de controle no território ucraniano controlado pela Rússia e fazer a ligação com os comandantes da Azov.

    Ele ficou chocado com a devastação que testemunhou nesta breve excursão escoltada pela cidade – a primeira de três – e documentou a cena em vídeos e fotos, que foram compartilhados com a CNN. A CNN examinou seus metadados, ou informações de arquivo, que se alinhavam com a hora e a data das viagens de Kovalov. Um clipe filmado de um carro, que mostra arranha-céus enegrecidos e fachadas de lojas destruídas, foi geolocalizado na Avenida Metalurhiv em Mariupol usando imagens de rua disponíveis.

    “Fomos bombardeados. Estávamos em uma cidade completamente destruída. Uma cidade praticamente apagada da face da terra. Estávamos exatamente no centro da guerra”, disse ele.

    Para chegar até a usina, um cessar-fogo teve que ser implementado.

    Em 27 de abril, Kovalov foi retratado em uma fotografia que lembrava uma cena de um filme de espionagem. A imagem capturou Kovalov com Kryzhanovsky e o tenente-general Andrey Sychevoy, do 8º Exército de Armas Combinadas da Guarda do Distrito Militar do Sul da Rússia, sentado no meio da estrada em torno de uma pequena mesa.

    Kovalov disse que passou o dia sentado com o general, apelidado de “Don”. Sychevoy foi o responsável por liderar o ataque a Mariupol e, segundo rumores, substituiu o coronel-general Alexander Zhuravlyov após os estágios iniciais vacilantes da guerra; ele também foi sancionado pela UE por suas ações militares na Ucrânia.

    Enquanto a foto da reunião fazia parecer que tudo estava calmo, Kovalov disse: “Na verdade, tudo estava explodindo. Fizemos de tudo para que Azovstal ficasse quieta.”

    Os civis eram uma prioridade, seus apelos desesperados e a piora da saúde atraíram a atenção do mundo.

    Kovalov desempenhou seu papel em sua eventual libertação, dizendo à CNN que ajudou a convencer “o outro lado de que salvar, antes de tudo, crianças, mulheres e feridos, será um ato de sanidade, um ato de humanismo”.

    No início de maio, as Nações Unidas e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha evacuaram centenas de civis de Azovstal e outras áreas da cidade portuária em uma série de operações, que o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, descreveu como “complexas”. Em 7 de maio, a vice-primeira-ministra da Ucrânia, Iryna Vershchuk, disse que “todas as mulheres, crianças e idosos” foram retirados com segurança da siderúrgica.

    Mas os soldados permaneceram e os ataques russos à fábrica recomeçaram.

    Oleksandr Kovalov, à esquerda, se encontra com o tenente-general russo Andrey Sychevoy, no meio, e seu contato do FSB Valentin Kryzhanovsky, à direita, em uma estrada deserta em Mariupol. / Divulgação / Oleksandr Kovaliov

    Kovalov voltou a Mariupol e à mesa de negociações em 9 de maio, comemorado como o “Dia da Vitória” na Rússia. Desta vez, as negociações de ambos os lados foram aceleradas, disse ele.

    A essa altura, Budanov insistiu em que seus representantes estivessem nas reuniões e despachou o principal deputado Dmitrii Usov. Os russos decidiram que também precisavam melhorar seu jogo.

    Kovalov disse que não ficou surpreso ao ver os generais russos Alexseyev e Zorin na mesa de negociações. “Este processo foi considerado uma operação especial”, fora da guerra, disse Kovalov. Essas conversas precisavam de um toque especial.

    Christo Grozev, do grupo investigativo online Bellingcat, que há anos acompanha as atividades dos serviços de segurança russos e suas operações no exterior, disse que a presença de Alexseyev faz sentido. “Alexseyev é o homem de guerra da Ucrânia para o GRU. Ele está totalmente encarregado de tudo relacionado à guerra”, disse ele à CNN.

    A CNN compartilhou duas fotos das reuniões com Grozev, e ele confirmou que as imagens parecem ser de Alexseyev e Zorin.

    De acordo com Kovalov, Alexseyev faria pausas regulares nas negociações de 9 de maio para ligar para Moscou. Ele tinha uma “conexão via satélite direta” com o ministério da defesa russo, Kovalov entendeu.

    “Alexseyev está no topo da cadeia alimentar”, disse Grozev. “Acho que ele pode se reportar diretamente a (Nikolai) Patrushev”, o chefe do Conselho de Segurança da Rússia. Patrushev, por sua vez, se reporta diretamente a Putin.

    A CNN procurou o Ministério da Defesa da Rússia para comentar as negociações.

    ‘Um momento de confiança’

    À medida que as negociações avançavam, uma terceira visita a Mariupol foi marcada e uma das cenas mais marcantes da guerra se desenrolou – um encontro entre os generais russos que dirigiam a sangrenta guerra e os oficiais ucranianos que Moscou descreveu como “neonazistas”.

    Na manhã de 16 de maio, Kovalov gravou um vídeo se aproximando uma das entradas de Azovstal. Zorin e Alexseyev são visíveis na caminhada até a fábrica danificada. Tubos de metal empenados e detritos cobrem o chão em um dia ensolarado.

    Kovalov participou de várias negociações, incluindo uma reunião entre as delegações ucraniana e russa realizada em uma das entradas de Azovstal. / Divulgação / Oleksandr Kovaliov

    Nos vídeos e imagens, a delegação russa é recebida por um grupo de pelo menos seis soldados ucranianos, incluindo o tenente-coronel Denys Prokopenko, chefe do Batalhão Azov, a quem Moscou tem regularmente acusado de fazer parte da extrema direita da Ucrânia, ou “ movimento nazista”.

    “Esses são os momentos com os quais estávamos preocupados”, disse Kovalov. “Um momento de confiança. Quando fizemos de tudo para que os dois lados se unissem, olhassem nos olhos um do outro, o lado russo prometeu que haveria uma saída civilizada para nossos soldados”.

    Kovalov disse que, quando as negociações começaram a sério, os termos eram simples: os combatentes ucranianos parariam de lutar, desistiriam da fábrica e seriam levados sob custódia russa.

    “Aqui estavam as condições para um cessar-fogo mútuo, uma rendição civilizada de Azovstal, condições civilizadas para nossos prisioneiros de guerra e uma troca”, disse ele.

    O acordo foi implementado sem problemas, disse Kovalov. Mais tarde naquele dia, os feridos mais graves foram removidos da fábrica em macas.

    Naquela noite, o vice-ministro da Defesa da Ucrânia anunciou que a evacuação dos soldados ucranianos de Azovstal havia começado. Hanna Maliar disse que 53 soldados feridos foram levados para um hospital russo e 200 foram transferidos para um centro de detenção em Olenivka, na autodeclarada República Popular de Donetsk (DPR).

    Fora de Azovstal, mas nas mãos dos russos

    No dia seguinte, 17 de maio, por volta do meio-dia, um fluxo aparentemente interminável de soldados iniciou sua procissão para o cativeiro – magros e pálidos, muitos de muletas ou macas, outros mancando e alguns gravemente mutilados.

    Kovalov disse que era profundamente desagradável ver as tropas ucranianas naquela condição, mas também destacou a necessidade do acordo. “Eles pediram ajuda, e nós fizemos de tudo para que essa ajuda chegasse até eles. Vendo como eles deixaram Azovstal, percebi que nossos esforços não foram em vão.”

    Vídeos mostraram os soldados, homens e mulheres, jogando seus fuzis na traseira de caminhonetes e imediatamente se tornando prisioneiros. Em seguida, eles foram enviados para o local combinado de Olenivka. Outros locais foram inicialmente lançados, de acordo com Kovalov, como a usina nuclear de Zaporizhzhia, controlada pelos russos, perto de Enerhodar, mas não havia espaço suficiente lá.

    Kovalov conseguiu acesso aos soldados em 18 de maio no DPR. Lá ele filmou suas condições de vida e os médicos que estavam à disposição para o tratamento. Esta foi a última vez que os viu.

    Dois meses depois, em 29 de julho, uma explosão misteriosa no centro de detenção de Olenivka deixou mais de 50 prisioneiros de guerra mortos, incluindo combatentes que se renderam em Azovstal. Rússia e Ucrânia trocaram a culpa pelo ataque mortal, com Moscou acusando Kiev de usar um lançador de foguetes fornecido pelos EUA conhecido como HIMARS (High Mobility Artillery Rocket System) para matar suas próprias tropas, em um ataque destinado a impedir que os soldados compartilhassem informações.

    A Ucrânia negou veementemente as acusações, com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky chamando-o de “crime de guerra deliberado dos russos”. Uma investigação da CNN descobriu que a versão russa dos eventos era muito provavelmente uma invenção e que quase não havia chance de que um foguete HIMARS causasse danos ao depósito onde os prisioneiros estavam detidos.

    Hoje, cerca de 2 mil combatentes do Azovstal permanecem no campo de prisioneiros de Olenivka, segundo outro interlocutor ucraniano que participou das negociações com Kovalov. Kovalov diz que ainda está trabalhando para levá-los para casa, talvez por meio de uma das trocas de prisioneiros que acontecem regularmente.

    “Eles pedem ajuda, pedem por parentes. Estamos planejando e fazendo de tudo para chegar até eles”, afirmou.

    Embora Kovalov tenha dito que rapidamente passou grande parte da negociação em Azovstal para oficiais de inteligência ucranianos, ele foi reconhecido por seu trabalho pelo governo.

    Em uma carta ao chefe do parlamento ucraniano, compartilhada com a CNN por Kovalov, o chefe da inteligência militar Budanov escreveu: “Kovalov forneceu apoio importante e inestimável à Diretoria Principal de Inteligência do Ministério da Defesa da Ucrânia”.

    O legislador arriscou “pôr em risco a própria vida e saúde, foi o único que acompanhou os defensores de Mariupol e Azovstal aos seus locais de detenção… o que por si só é um grande feito”, disse Budanov.

    O escritório de Budanov recusou-se a comentar sobre o envolvimento de Kovalov, mas a Diretoria Principal de Inteligência da Ucrânia, GUR, confirmou que Dmitrii Usov participou das negociações.

    De volta a seu escritório na véspera do aniversário da invasão da Ucrânia pela Rússia, Kovalov minimizou seu envolvimento.

    “Este é um sucesso geral, não só meu. O mais importante nestas negociações é salvar a vida dos nossos combatentes, dos nossos heróis, como disse o nosso presidente: aproveitem todas as oportunidades para salvar o nosso povo”.

    Esse sucesso tem nuances. Mariupol está sob controle russo e a maioria dos combatentes de Azovstal permanecem prisioneiros de guerra, embora Kovalov tenha dito que novas negociações estão planejadas para tentar garantir sua libertação.

    Ainda assim, Kovalov espera que a história de Azovstal, que é indelével na psique nacional ucraniana por seu horror e escala, mostre que oportunidades para negociações entre as partes em conflito – embora estreitas – são possíveis.

    “As pontes de comunicação funcionam, nem tudo está perdido nesta vida, você ainda pode ser humano. Mesmo na guerra”, acrescentou.

    * Com informações de Ingrid Formanek, da CNN, e Victoria Butenko, em Kiev

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original