Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Homens armados matam policiais, padre e civis em ataque na Rússia

    Pelo menos 19 pessoas morreram e outras 25 ficaram feridas

    Darya TarasovaJen DeatonMariya KnightJosh Penningtonda CNN

    Homens armados abriram fogo contra locais de culto em duas cidades da província do Daguestão, no extremo sul da Rússia, no domingo (23), matando pelo menos 15 policiais, um padre ortodoxo e outros três de civis, no que parecia ser um ataque coordenado.

    Sergey Melikov, chefe da República do Daguestão, disse que pelo menos seis “militantes” também foram mortos após os ataques a igrejas, sinagogas e postos policiais nas cidades de Derbent e na capital regional Makhachkala, que ficam a cerca de 120 quilômetros de distância.

    Os ataques ocorreram na república do Daguestão, no norte do Cáucaso, uma região predominantemente muçulmana no Mar Cáspio que tem um histórico de violência separatista e militante. A turbulência na região foi ainda mais agravada pela guerra da Rússia na Ucrânia, onde as minorias étnicas foram desproporcionalmente mobilizadas para lutar.

    Vídeos e fotos mostraram grandes chamas e nuvens de fumaça saindo de uma sinagoga em Derbent, enquanto imagens filmadas da janela de um prédio em Makhachkala mostram pessoas não identificadas vestidas de preto atirando contra um carro da polícia em uma rua.

    Nenhum grupo assumiu ainda a responsabilidade pelos ataques, que ocorrem três meses depois de o ISIS-K, afiliado do ISIS, ter afirmado ter realizado um ataque a Crocus City Hall, em Moscou, que custou mais de 140 vidas, numa das atrocidades terroristas mais mortais da Rússia em anos.

    As agências russas de aplicação da lei disseram à agência de notícias estatal TASS no domingo que os homens armados no Daguestão eram “adeptos de uma organização terrorista internacional”.

    O Comitê Nacional Antiterrorista (NAC) da Rússia disse nesta segunda-feira (24) que “militantes armados atacaram duas igrejas ortodoxas, duas sinagogas e policiais” nas duas cidades e acrescentou que a operação antiterrorista em Makhachkala e Derbent terminou, informou a TASS.

    O Muftiyat da República do Daguestão, uma organização islâmica centralizada que anteriormente informou sobre as vítimas, apagou desde então todas as publicações associadas à contagem dos mortos e feridos. Anteriormente, as autoridades locais informaram que pelo menos nove pessoas morreram e 25 ficaram feridas.

    Numa atualização, o Muftiyat disse que “agentes da lei, clérigos e cidadãos comuns” estavam entre as vítimas, mas não forneceu números específicos.

    O chefe do Daguestão, Melikov, também disse em uma postagem no Telegram na manhã desta segunda-feira que a fase ativa das “medidas operacionais e de combate em Makhachkala e Derbent” foi concluída, mas novas investigações continuariam.

    Melikov descreveu o possível envolvimento de “células adormecidas” e sugeriu que os ataques podem ter tido ajuda estrangeira.

    “Serão realizadas medidas de busca operativa e de investigação até que sejam identificados todos os participantes das células adormecidas, que, sem dúvida, incluem alguns que foram organizados a partir do estrangeiro”, acrescentou.

    Três dias de luto foram declarados no Daguestão após os ataques mortais, com as bandeiras estaduais baixadas a meio mastro, disse Melikov. Também será dada assistência financeira às famílias das vítimas, segundo a TASS.

    Padre morto, sinagoga incendiada

    O Daguestão é o lar de uma pequena minoria cristã e de uma população judaica ainda menor que parecia estar entre os alvos dos ataques de domingo.

    Um padre morto durante um ataque a uma igreja em Derbent foi identificado como Padre Nikolay pelo presidente da Comissão de Monitoramento Público do Daguestão, Shamil Khadulaev.

    “Eles cortaram sua garganta. Ele tinha 66 anos e estava muito doente”, disse Khadulaev.

    Um vídeo, compartilhado pelo Ministério dos Assuntos Internos da República do Daguestão, mostrou pelo menos uma dúzia de agentes da lei – que parecem estar armados e usando equipamento tático – fora dos portões de uma catedral no noroeste de Makhachkala. A CNN localizou geograficamente o vídeo nos portões da Catedral da Assunção (Svyato-Uspenskiy Sobor), uma catedral ortodoxa russa na cidade.

    No início do domingo, a TASS informou que um segurança foi morto em um tiroteio na catedral e 19 pessoas se trancaram dentro do local durante o ataque. Aqueles que estavam escondidos lá foram retirados para um local seguro, informou a TASS, citando o Ministério de Assuntos Internos do Daguestão.

    Entretanto, duas sinagogas no Daguestão – uma em Derbent e outra em Makhachkala – também foram atacadas, de acordo com um comunicado do Congresso Judaico Russo (RJC).

    Quarenta minutos depois da oração da noite, homens armados invadiram a sinagoga em Derbent e “incendiaram o edifício usando coquetéis molotov”, enquanto policiais e guardas de segurança foram mortos do lado de fora, disse o RJC.

    Fotos mostraram chamas e nuvens de fumaça saindo de uma série de janelas em pelo menos um andar da estrutura.

    A pequena comunidade judaica do Daguestão faz parte dos judeus da montanha que historicamente viveram durante séculos em partes do Azerbaijão e no que é hoje o Cáucaso da Rússia, de acordo com Yad Vashem, o Centro Mundial de Memória do Holocausto em Israel.

    O Ministério das Relações Exteriores de Israel disse que a sinagoga de Derbent “foi totalmente queimada” e que os guardas locais foram mortos, enquanto a sinagoga em Makhachkala foi atacada por tiros.

    “Tanto quanto se sabe, não havia fiéis nas sinagogas no momento do ataque e não há vítimas conhecidas da comunidade judaica”, afirmou o ministério num comunicado.

    Guardas de segurança foram colocados fora das sinagogas locais desde que uma multidão antissemita invadiu o aeroporto local em outubro, numa tentativa de bloquear um avião de passageiros que chegava de Tel Aviv.

    Os confrontos deixaram pelo menos 10 feridos e vídeos mostraram uma multidão dentro do aeroporto Makhachkala Uytash e na pista, alguns agitando a bandeira palestina, outros forçando passagem pelas portas fechadas do terminal internacional.

    O ataque ao aeroporto ocorreu em meio à crescente indignação pública na região devido ao bombardeio e bloqueio de Gaza por Israel, em resposta aos ataques mortais do Hamas em 7 de outubro contra Israel.

    Investigação em andamento após policial morto

    Um ataque também foi relatado no domingo em um posto policial de trânsito em Makhachkala.

    Um dos policiais mortos foi Mavludin Khidirnabiev, chefe do departamento de polícia “Luzes do Daguestão”, de acordo com o canal Telegram do Ministério de Assuntos Internos do Daguestão.

    Numa postagem anterior no Telegram, o chefe do Daguestão, Melikov, disse: “pessoas desconhecidas fizeram tentativas de desestabilizar a situação social. Policiais do Daguestão intervieram. Segundo informações preliminares, há vítimas entre eles.”

    As identidades dos agressores estavam sendo estabelecidas, disse ele.

    “Os ataques, a invasão da nossa irmandade, da nossa unidade multinacional, da nossa indivisibilidade confessional, são uma tentativa de dividir a nossa unidade, criando assim divisões entre nós”, disse Melikov mais tarde num discurso em vídeo.

    A Direção de Investigação do Comitê de Investigação da Rússia para a República do Daguestão disse ter lançado uma investigação de terrorismo sobre os ataques ao abrigo do Código Penal da Federação Russa.

    “Todas as circunstâncias do incidente e das pessoas envolvidas nos ataques terroristas estão sendo apuradas, e suas ações receberão uma avaliação jurídica”, afirmou a agência em comunicado.

    Enquanto a investigação está em curso, algumas autoridades russas locais apontaram o dedo à Ucrânia, sem fornecer provas. O deputado da Duma do Daguestão, Dmitry Gadzhiyev, disse acreditar que “serviços especiais da Ucrânia e dos países da Otan” podem estar por trás do ataque.

    Mas o senador russo Dmitry Rogozin contestou a afirmação, dizendo num post no Telegram que considerar todos os ataques terroristas como “maquinações da Ucrânia e da Otan” levaria a “grandes problemas” para a Rússia.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original