Honduras extradita ex-presidente aos EUA para responder por tráfico de drogas

Departamento de Justiça dos EUA alegou que Hernández estava envolvido em uma conspiração para proteger e lucrar com contrabandistas que transportavam cocaína da América Central e do Sul para os Estados Unidos

Ex-presidente de Honduras Juan Orlando Hernández é escoltado por policiais após ser detido em sua casa em Tegucigalpa
Ex-presidente de Honduras Juan Orlando Hernández é escoltado por policiais após ser detido em sua casa em Tegucigalpa 15/02/2022 Polícia Nacional de Honduras/Divulgação via REUTERS

Karol SuarezHannah RabinowitzBertha RamosElvin Sandovalda CNN

Ouvir notícia

Juan Orlando Hernández, ex-presidente de Honduras, foi extraditado na quinta-feira (21) para os Estados Unidos, onde responderá por acusações federais de tráfico de drogas e porte de armas de fogo.

Ao mesmo tempo, o Departamento de Justiça dos EUA alegou que Hernández estava envolvido em uma conspiração para proteger e lucrar com contrabandistas que transportavam cocaína da América Central e do Sul para os Estados Unidos.

A acusação no Tribunal Distrital dos EUA no Distrito Sul de Nova York acusa Hernández de conspiração para importação de cocaína, posse de metralhadoras e dispositivos destrutivos e conspiração para posse de metralhadoras e dispositivos destrutivos.

“Como é acusado na acusação, Hernández abusou de sua posição como presidente de Honduras de 2014 a 2022 para operar o país como um narcoestado”, disse o procurador-geral dos EUA, Merrick Garland, em uma entrevista coletiva anunciando as acusações.

O governo hondurenho disse que Hernández, que negou as acusações contra ele, estava sendo levado de avião para Nova York.
Ele foi levado de uma prisão das forças especiais da polícia para uma base aérea em Tegucigalpa, capital, para o voo. O Hernández algemado, vestindo uma jaqueta azul e jeans, foi escoltado por mais de uma dúzia de policiais, como visto na televisão local.

Hernández foi colocado em um avião da Agência Antidrogas dos EUA que decolou do Aeroporto Internacional de Toncontin por volta das 16h20, horário local, disseram autoridades hondurenhas.

A esposa de Hernández, Ana Garcia, postou um vídeo do ex-presidente em sua conta no Twitter.

“A verdade é uma força libertadora quando é revelada, é minha oração, da minha família e de milhares de famílias hondurenhas, para que a verdade seja revelada e prevaleça no meu caso. Sou inocente, fui e sou tratado injustamente pela processo”, disse.

“Você sabe que trabalhei incansavelmente para restaurar a paz em Honduras. Demos nosso máximo esforço para nossa nação, e é lamentável que aqueles que transformaram Honduras em um dos países mais violentos da Terra, esses vilões, agora querem ser heróis”, afirmou.

A Suprema Corte de Honduras autorizou a extradição no mês passado. Hernández deixou o cargo em janeiro após oito anos como presidente.

O ex-líder foi preso em sua casa em 15 de fevereiro a pedido do governo dos Estados Unidos. Cerca de um mês antes, promotores federais alegaram que Hernández ajudou um suposto traficante de drogas a entregar milhares de quilos de cocaína aos EUA em troca de subornos. Seu governo negou a acusação.

A extradição para os Estados Unidos do ex-diretor da Polícia Nacional de Honduras, Juan Carlos Bonilla Valladare, também foi aprovada pelo Supremo Tribunal de Justiça de Honduras na quinta-feira, segundo um comunicado de imprensa do Judiciário de Honduras.

Valladare também é procurado pelo Tribunal Distrital dos EUA no Distrito Sul de Nova York por conspirar para importar, fabricar e distribuir uma substância controlada nos Estados Unidos e usar ou transportar armas de fogo para importar narcóticos, entre outras acusações. Valladare está detido desde 10 de março, enquanto aguardava para ser enviado aos EUA, segundo o comunicado de imprensa.

O irmão de Hernández, Tony Hernández, está atualmente cumprindo pena de prisão perpétua em uma prisão federal dos EUA por tráfico de drogas.

De acordo com documentos judiciais nesse caso, as autoridades norte-americanas acreditam que Hernández foi um co-conspirador na operação, canalizando dinheiro das drogas para ajudar a financiar suas campanhas presidenciais. Hernández negou repetidamente essas alegações.

De acordo com a acusação, Hernández se associou a alguns dos mais violentos grupos de narcotraficantes, recebendo milhões de dólares de uma rede que canalizava cocaína através de Honduras e para os Estados Unidos. Ele usou o dinheiro, diz a acusação, para enriquecer, financiar sua ascensão política e, posteriormente, permanecer no poder.

Em troca, Hernández forneceu às organizações de tráfico informações de aplicação da lei que ajudaram a proteger os líderes das organizações de investigações criminais, protegeu os líderes da extradição para os EUA e permitiu que cometessem violência praticamente sem consequências, dizem as autoridades americanas.

Garland disse que os anos de investigação do Departamento de Justiça sobre as organizações de tráfico de drogas levaram à “condenação de vários traficantes de drogas hondurenhos responsáveis ​​pela importação de mais de 500.000 quilos de cocaína para os Estados Unidos e dezenas de assassinatos no exterior”.

“Se você acha que pode se esconder atrás do poder de sua posição, está errado”, disse a administradora da DEA, Anne Milgram, durante a entrevista coletiva.

Com contribuição de Stefano Pozzebon, da CNN, e Sahar Akbarzai, Valentina Di Donato e Harmeet Kaur

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN