Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Irã vai integrar bloco de cooperação com a China em julho, diz chanceler

    Ministro das Relações Exteriores do país, Hossein Amirabdollahian, diz que o país participará de cúpula da Organização de Cooperação de Xangai, da qual Índia e Rússia também participam 

    Da CNN

    O Irã deverá integrar em breve a Organização de Cooperação de Xangai, uma entidade de organização econômica e política dos países da Ásia Central em parceria com China. De acordo com o ministro das Relações Exteriores do país, Hossein Amirabdollahian, o processo será concluído em julho.

    “Nós nos tornaremos um membro de pleno direito da Organização de Cooperação de Xangai em julho, quando a próxima cúpula da associação for realizada”, disse ele nesta quinta-feira. As informações são das agências Tass, da Rússia, e da iraniana Tasnim.

    No ano passado, a cúpula da entidade contou com a presença do presidente iraniano Ebrahim Raisi. Na ocasião, ele assinou um memorando de compromisso para obter o estatuto de Estado membro da associação.

    A próxima cúpula será realizada no dia 4 de julho sob a presidência do primeiro-ministro indiano Narendra Modi em formato virtual. Como o Ministério das Relações Exteriores da Índia anunciou na terça-feira, todos os membros da organização participarão da cúpula. Irã, Belarus e Mongólia foram convidados como observadores. Além disso, o Turcomenistão participará como país convidado.

    A Organização de Cooperação de Xangai faz parte dos esforços da China de ampliar seus laços econômicos e políticos com os países asiáticos e, assim, conter a influência dos Estados Unidos na região. O governo de Pequim também tem estendido suas ações diplomáticas para outras regiões, como nas ilhas do Pacífico.

    A declaração sobre o estabelecimento da entidade foi assinada em Xangai em junho de 2001 por seis estados – Rússia, Cazaquistão, Quirguistão, China, Tadjiquistão e Uzbequistão. Atualmente, a organização também inclui a Índia e o Paquistão. Os estados observadores são Afeganistão, Belarus, Irã e Mongólia, os parceiros de diálogo são Azerbaijão, Armênia, Camboja, Nepal, Turquia e Sri Lanka.

    (Publicado por Fábio Mendes)