Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Israel não sabe o que pode encontrar caso invada Faixa de Gaza, afirma especialista

    Incursão terrestre pelas forças israelenses pode tornar situação mais delicada, segundo Uriã Fancelli

    João Nakamurada CNN*

    São Paulo

    O especialista em Relações Internacionais Uriã Fancelli afirmou, em entrevista à CNN nesta quinta-feira (12), que o conflito entre Israel e o Hamas vai tomar maiores proporções caso se inicie uma incursão terrestre contra a Faixa de Gaza, e que a operação pode ser imprevisível para as Forças de Defesa de Israel (FDI).

    “O complicado disso tudo é justamente não saber o que eles vão encontrar assim que entrarem [em Gaza]. Podem haver armadilhas. [Com a invasão], O número de mortes vai ser imenso”, pontou Fancelli em entrevista à CNN.

    O internacionalista explica que Israel enxerga a operação terrestre como “uma das únicas alternativas” para controlar o Hamas e resgatar os civis israelenses sequestrados pelo grupo.

    A guerra em Israel chega ao sexto dia de conflito com pelo menos 2.500 mortes. O Ministério da Saúde palestino afirmou nesta quinta-feira (12) que desde o início do embate, 1.457 pessoas foram mortas na Faixa de Gaza.

    Fancelli chama atenção para o fato de que, mesmo sem a invasão terrestre, a guerra possui proporções graves.

    “Quando há intencionalmente ataques a estruturas civis e isso deixa mortos, é um crime de guerra”, diz o especialista, citando os ataques israelenses. 

    Caso a situação se agrave ainda mais, Fancelli explica que a comunidade internacional pode passar a condenar Israel, levando a um eventual afastamento.

    “É importante que Israel se acalme um pouco e mande uma mensagem apenas posicionando seus armamentos, reservistas e o aporte dos Estados Unidos para não perder o apoio desde já. Ao que tudo indica, essa guerra será longa e o país sozinho não vai dar conta de lutar”, defende o internacionalista.

    Fancelli explica que esse era o momento que “o Hamas queria”. De acordo com o internacionalista, o grupo esperava uma resposta forte por parte de Israel para que fossem condenados pelo mundo. “Biden e a União Europeia já pediram cautela para Israel”, afirma o especialista.

    *Sob supervisão de Marcelo Tuvuca

    Veja também: Imagens revelam a destruição deixada pelo conflito em Gaza