Israel reabrirá fronteira para pequenos grupos de turistas estrangeiros

Programa piloto para retomada do setor terá início em 19 de setembro; na lista vermelha do país, brasileiros ficam de fora da iniciativa

Após diminuir restrições contra Covid-19, Israel testará retomada do turismo
Após diminuir restrições contra Covid-19, Israel testará retomada do turismo Anadolu Agency via Getty Images (21.abr.2021)

Steven Scheerda Reuters

Ouvir notícia

Israel permitirá a visitação de pequenos grupos de turistas estrangeiros de países selecionados a partir de 19 de setembro sob um programa piloto para retomar o turismo, disse o governo no domingo (5).

Grupos turísticos de 5 a 30 pessoas de países nas listas verde, amarela e laranja de Israel terão permissão para entrar no país, desde que todos os membros do grupo tenham sido totalmente vacinados contra Covid-19, disse o Ministério do Turismo.

Turistas individuais, que não têm permissão para entrar em Israel desde o início da pandemia do novo coronavírus em março de 2020, a menos que estejam visitando membros da família, ainda não terão permissão para acessar o país.

Em maio, em meio a uma queda nas infecções por Covid-19, Israel permitiu pequenos grupos turísticos. Mais de 2.000 visitantes, principalmente dos Estados Unidos e da Europa, foram ao país aumentando as esperanças de recuperação de um dos setores mais afetados pela pandemia.

Mas a iniciativa foi interrompida em agosto, quando a variante Delta se espalhou, levando a um aumento nas infecções pelo novo coronavírus, apesar de Israel ser líder mundial na implementação vacinal.

Segundo o novo plano, não haverá restrições ao número de grupos turísticos que Israel permitirá, disse o ministério, mas grupos de países da lista vermelha – que atualmente compreende Bulgária, Brasil, México e Turquia – não serão elegíveis.

Os turistas estrangeiros devem comprovar que receberam uma segunda dose da vacina contra Covid-19 nos últimos seis meses ou uma dose de reforço para poderem entrar.

Os turistas também terão que apresentar um teste PCR negativo, feito até 72 horas antes da chegada, e serão submetidos a um teste sorológico assim que pousarem no aeroporto Ben Gurion, em Tel Aviv.

Em 2019, um recorde de 4,55 milhões de turistas visitaram Israel, adicionando 23 bilhões de shekels (US$ 7,2 bilhões) à economia local.

O ministério disse que “nenhum caso coronavírus foi identificado entre os grupos que entraram depois que as restrições foram afrouxadas em maio”.

A expectativa é que turistas individuais tenham permissão para visitar o país em um futuro próximo, “dependendo das taxas de morbidade em Israel e ao redor do mundo”.

Israel relatou quase 5.000 novos casos do novo coronavírus no sábado (4), abaixo do pico pandêmico de 11.201 relatado na quinta-feira (2) passada.

Da população de Israel de 9,3 milhões, 5,5 milhões de pessoas receberam a segunda dose e outros 2,5 milhões receberam uma terceira aplicação da vacina Pfizer / BioNTech.

Mais Recentes da CNN