Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Trump é acusado formalmente em episódio envolvendo pagamento a atriz pornô

    Essa é a primeira vez que um presidente dos Estados Unidos enfrenta acusações criminais

    Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos
    Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos 02/08/2018REUTERS/Leah Millis

    Kara Scannellda CNN

    O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump foi acusado formalmente de crime no âmbito do episódio envolvendo um suposto pagamento de suborno a uma atriz de filmes pornográficos. A decisão foi tomada por um grande júri de Manhattan, em Nova York, segundo fontes.

    Nenhum outro presidente dos EUA, estando ou não no cargo, jamais enfrentou acusações criminais na história.

    De acordo com a investigação coordenada pelo promotor distrital de Manhattan, Alvin Bragg, a suspeita é de que Trump tenha participado de um esquema de pagamento de suborno à estrela de cinema adulto Stormy Daniels durante a campanha eleitoral à Presidência dos EUA de 2016 para encobrir um suposto caso que o republicano teve com ela.

    A denúncia foi protocolada sob sigilo e será divulgada nos próximos dias. As acusações específicas não são conhecidas publicamente neste momento, explicou uma fonte à CNN.

    O escritório do promotor distrital de Manhattan, Alvin Bragg, entrará em contato com os advogados de Trump para discutir sua rendição para enfrentar uma acusação.

    Ainda nesta quinta, Trump se manifestou e chamou a decisão judicial de “perseguição política e interferência eleitoral no nível mais alto da história”.

    Ele acusou os democratas –seus rivais na política norte-americana– de estarem por trás da decisão. Também pontuou acreditar que “esta caça às bruxas vai sair pela culatra” e atingir Joe Biden.

    “Os democratas mentiram, trapacearam e roubaram em sua obsessão em tentar ‘pegar Trump’, mas agora eles fizeram o impensável –indiciar uma pessoa completamente inocente em um ato de flagrante interferência eleitoral”, afirmou.

    A ação legal contra Trump leva a campanha presidencial de 2024 a uma nova fase –em que o ex-presidente prometeu continuar concorrendo mesmo diante de acusações criminais.

    O ex-presidente chamou frequentemente as várias investigações que o cercam de “caça às bruxas”, tentando influenciar a opinião pública sobre elas, colocando-se como vítima do que ele alegou serem investigações políticas lideradas por promotores democratas.

    À medida que a acusação se aproximava, ele convocou protestos de seus apoiadores contra sua eventual prisão, ecoando seus apelos após a eleição de 2020, enquanto tentava anular sua derrota para o presidente Joe Biden.

    O escritório de Bragg havia sinalizado recentemente, no início de março, que estava perto de apresentar acusações contra Trump depois de convidar o ex-presidente a testemunhar perante o grande júri que investigava o esquema de suborno.

    Os possíveis réus em Nova York são obrigados por lei a serem notificados e convidados a comparecer perante um grande júri que avalia as acusações. Mas o ex-chefe de Estado acabou se recusando a comparecer perante o painel.

    Os aliados republicanos de Trump – assim como seus rivais do Partido Republicano para 2024 – condenaram o escritório do promotor distrital de Manhattan pela acusação iminente, e o presidente da Câmara, Kevin McCarthy, prometeu iniciar uma investigação sobre o assunto.

    Em dezembro, a Organização Trump foi condenada por várias acusações de fraude fiscal, embora o próprio ex-presidente não tenha sido acusado nesse caso.

    Entenda o caso

    Stephanie Clifford, estrela de cinema adulto conhecida como Stormy Daniels, é uma das figuras centrais no processo contra Donald Trump. O republicano está sob investigação por seu papel em um esquema de suborno para Daniels.

    No fim de outubro de 2016, dias antes da eleição presidencial daquele ano, o então advogado pessoal de Trump, Michael Cohen, fez um pagamento de US$ 130 mil a Daniels para supostamente impedi-la de tornar público um suposto caso com o ex-presidente uma década antes. Trump negou o caso.

    O advogado efetuou o pagamento com recursos próprios e posteriormente recebeu um reembolso que Donald Trump alegou ser de seu dinheiro e não da campanha presidencial.

    Em 2018, ela publicou um livro no qual descrevia explicitamente o suposto caso com Trump.

    O então advogado da estrela do cinema adulto disse que o livro pretendia provar que sua história sobre fazer sexo com Trump é verdadeira.

    Foco nos pagamentos

    A investigação do promotor de Manhattan começou com o antecessor de Bragg, Cy Vance, quando Trump ainda estava na Casa Branca. Refere-se a um pagamento de US$ 130 mil feito pelo então advogado pessoal de Trump, Michael Cohen, a Daniels no final de outubro de 2016, dias antes da eleição presidencial de 2016, para silenciá-la de ir a público sobre um suposto caso com Trump uma década antes.

    Em causa na investigação está o pagamento feito a Daniels e o reembolso das Organizações Trump a Cohen.

    De acordo com documentos judiciais da própria promotoria federal sobre Cohen, os executivos da empresa de Trump autorizaram pagamentos ao advogado totalizando US$ 420 mil para cobrir seu pagamento original de US$ 130 mil e obrigações fiscais e recompensá-lo com um bônus.

    A investigação do promotor de Manhattan paira sobre Trump desde sua presidência e é apenas uma das várias investigações que o ex-presidente enfrenta ao fazer sua terceira candidatura à Casa Branca.

    O suborno em si não é crime

    Pagamentos pelo silêncio de alguém não são ilegais. As acusações não foram tornadas públicas, mas antes da acusação, os promotores estavam avaliando se deveriam acusar Trump de falsificar os registros comerciais da Trump Organization por como isso refletia o reembolso do pagamento a Cohen, que disse ter adiantado o dinheiro a Daniels. Falsificar registros comerciais é uma contravenção em Nova York.

    A Organização Trump observou os reembolsos como uma despesa legal em seus livros internos. Trump já havia negado conhecimento do pagamento.

    Quem é Stormy Daniels?

    Stephanie Clifford nasceu em Louisiana, estado do sul dos Estados Unidos.

    Em seu livro, ela revelou que teve uma difícil infância em meio à pobreza e constante abuso sexual.

    Quando adolescente, ela se mudou para a Califórnia por se interessar por entretenimento adulto. Nessa indústria, onde ficou conhecida como Stormy Daniels, Clifford trabalhou como dançarina exótica, atriz, diretora e produtora de filmes pornográficos.

    Clifford conta que em 2006 conheceu Donald Trump em um torneio de golfe em Lake Tahoe, Nevada.

    Segundo ela, o guarda-costas de Trump a levou para o quarto dele, onde ela esperava jantar com ele, mas depois houve uma relação íntima.

    Stormy Daniels garantiu que Trump prometeu incluí-la em seu programa de televisão “O Aprendiz” e por isso ela aceitou ter relações com ele, até que o então empresário lhe confirmou em 2018 que não poderia participar.

    Em entrevista à CBS, Daniels revelou que em 2011 negociou para contar à revista In Touch sobre seu relacionamento com Trump em troca de US$ 15.000, mas que o negócio não deu certo porque Michael Cohen ameaçou processar a publicação.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original