Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mais de mil pessoas são evacuadas após destruição de represa

    Autoridades nos lados controlados pela Rússia e pela Ucrânia anunciaram operações de retirada da população; estimativa é que volume de água aumentará ainda mais na quarta-feira  

    Imagens mostram alagamento em áreas à margem do rio Dnipro após o rompimento de barragem
    Imagens mostram alagamento em áreas à margem do rio Dnipro após o rompimento de barragem Vladyslav Kupreev/Suspilne Ukraine/JSC "UA:PBC"/Global Images Ukraine via Getty Images

    Da CNN

    Já passam de mil o número de pessoas retiradas de assentamentos ao longo do trecho sul do rio Dnipro, na Ucrânia, nesta terça-feira (6), depois que a água estourou na barragem rompida de Nova Kakhovka, submergindo ruas e praças.

    “Já evacuamos cerca de mil pessoas. Temos cerca de 50 ônibus circulando entre Kherson e as aldeias afetadas. Em Kherson, temos quatro locais de evacuação preparados”, informou Oleksandr Tolokonnikov, alto funcionário da administração militar ucraniana de Kherson. No lado controlado pela Rússia, centenas de pessoas também foram removidas.

    O colapso da barreira na ponta sul do vasto reservatório de Kakhovka desencadeou uma torrente, aumentando a miséria de milhares de pessoas que foram pegas na linha de frente da guerra entre a Ucrânia e a Rússia.

    Observando a partir da jusante, a Rússia controla a margem esquerda do Dnipro e a própria barragem, e a Ucrânia detém a margem direita. Cada lado culpou o outro por causar os danos que desencadearam a última crise do conflito.

    Imagens publicadas nas mídias sociais, nem todas verificadas de forma independente pela reportagem, mostram graves inundações na cidade controlada pela Rússia de Nova Kakhovka, que fica ao lado da represa.

    Anteriormente, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky afirmou que havia “cerca de 80 assentamentos na zona de inundação”. Ele postou a informação no Telegram após uma reunião de emergência do Conselho Nacional de Segurança e Defesa. Ele passou a traçar o cronograma dos eventos antes de enfatizar que todas as cidades e aldeias da região devem ser abastecidas com água.

    Inundações em várias regiões

    O prefeito da cidade, instalado pela Rússia, disse que os níveis de água na cidade subiram para mais de 11 metros e que alguns moradores foram levados ao hospital. Ele não deu detalhes. Em um clipe, cisnes passam nadando pelo prédio ornamentado do conselho da cidade, enquanto em outro um estádio esportivo próximo ao rio é inundado.

    A administração instalada pela Rússia na região de Kherson, na Ucrânia, disse que estava se preparando para evacuar três distritos – Nova Kakhovka, Golo Pristan e Oleshky. Os dois últimos ficam do outro lado da foz do rio Dnipro da capital regional controlada pela Ucrânia, Kherson.

    Os níveis de água já haviam subido mais de um metro, disseram os moradores, e devem subir ainda mais. “O fluxo de água no rio Dnipro e seus afluentes é muito poderoso”, disse o morador de Kherson, Oleksandr Syomyk, ao lado do rio cheio. “O nível da água subiu um metro. Vamos ver o que acontece a seguir, mas esperamos o melhor.”

    A polícia ucraniana divulgou um vídeo mostrando um policial carregando uma idosa para um local seguro e residentes caminhando para um local seguro com água até os joelhos na região de Kherson.

    Oleksandr Tolokonnikov alertou que o pior está por vir. “Amanhã haverá um pico (de inundações), depois haverá um declínio”, disse ele em entrevista coletiva online.

    A barragem fornece água a uma faixa de terras agrícolas do sul da Ucrânia e à península da Crimeia ocupada pela Rússia, além de resfriar a usina nuclear de Zaporizhzhia, controlada pelos russos.

    Sua destruição cria um novo desastre humanitário no momento em que a Ucrânia desencadeia uma contraofensiva há muito esperada para expulsar as tropas russas de seu território.

    Acusações mútuas

    Autoridades russas e ucranianas trocam acusações sobre a responsabilidade pelo incidente. “O exército russo cometeu outro ato de terror”, disse Oleksandr Prokudin, chefe da administração militar da região de Kherson, nomeado pela Ucrânia, em um vídeo no Telegram. “Ele explodiu a Usina Hidrelétrica de Kakhovka. A água atingirá um nível crítico em cinco horas. A evacuação na área de perigo já começou.”

    Por outro lado, uma autoridade instalada pela Rússia em Nova Kakhovka culpou o rompimento da barragem da cidade a ataques ucranianos, segundo a agência de notícias estatal russa TASS. Um vídeo de drone surgiu na segunda-feira (5) mostrando um dilúvio de água jorrando de uma brecha considerável na barragem.

    (Publicado por Fábio Mendes, com informações da Reuters e de Katharina Krebs, Anna Chernova, Olga Voitovych e Sebastian Shukla da CNN)