Médico da Casa Branca diz estar preocupado com a situação do Brasil

Anthony Fauci avalia que país vive uma 'situação bastante difícil' e afirma que se encontrará em breve com autoridades brasileiras

Renan de Souza

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O governo americano expressou preocupação com a situação da pandemia no Brasil. Anthony Fauci, principal infectologista dos Estados Unidos e consultor da Casa Branca para o combate à Covid-19, afirmou que vai se encontrar em breve com autoridades brasileiras e que o Brasil vive uma situação “bastante difícil”. Ele já havia oferecido apoio técnico às autoridades brasileiras. 

Andy Slavitt, coordenador da Casa Branca para o combate à doença, disse que está conversando com pessoas no país para entender a gravidade do que está acontecendo.

300 mil mortos

O Brasil ultrapassou a marca de 300 mil mortos na pandemia nesta quarta-feira (25). De acordo com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), 300.675 brasileiros foram vítimas da Covid-19. As famílias de 300.675 pessoas – de todas as regiões, classes sociais, etnias, credos, orientações políticas e ideológicas – estão em luto. O país está em luto.

Hoje, pouco mais de um ano depois do início da crise global – a data oficial da Organização Mundial da Saúde (OMS) é 11 de março de 2020 -, o Brasil é o epicentro da pandemia.

É aqui que morrem mais pessoas por dia atualmente – 1.999 nas últimas 24 horas, segundo o Conass.

É daqui que saem variantes do coronavírus capazes de pôr a perder todas as conquistas da medicina.

E é aqui que todos os cidadãos estão vulneráveis a contrair a Covid-19 e morrer dela – talvez sem acesso a uma UTI, sem oxigênio e sem condições de um sepultamento digno.

Se um ano atrás era, em alguma medida, possível definir grupos de risco para a Covid-19, no Brasil de março de 2021 o risco é simplesmente ser brasileiro.

A doença não mais discrimina por idade e, segundo médicos, jovens lotam as unidades de tratamento intensivo dos hospitais. 

Negacionismo

O cenário que estamos enfrentando está ligado a uma série de negacionismos de parte das autoridades. É o que conclui a microbiologista Natalia Pasternak, diretora-presidente do Instituto Questão de Ciência e pesquisadora visitante do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP) no Laboratório de Desenvolvimento de Vacinas.

“Em relação à existência da pandemia, às medidas protetivas, como a máscara e o lockdown, e ao real tratamento, às vacinas”.

A afirmação é confirmada no Relatório Mundial 2021, produzido pela Human Rights Watch, organização internacional não-governamental referência em pesquisas sobre direitos humanos. 

O documento é categórico ao apontar que o governo federal “tentou sabotar medidas de saúde pública destinadas a conter a propagação da pandemia da Covid-19”. O texto cita episódios em que o presidente Jair Bolsonaro:

– referiu-se à Covid-19 como “gripezinha, nos dias 20 e 24 de março de 2020;

– recusou-se a adotar medidas para proteger a si mesmo e as pessoas ao seu redor, questionando o uso da máscara e vetando trechos da lei que obrigava o uso da proteção em locais públicos; 

– disseminou informações equivocadas, como no dia 21 de outubro, em que ele disse que “os números têm apontado que a pandemia está indo embora”; 

– criticou os governos estaduais que buscaram impor medidas de distanciamento social, como no dia 28 de janeiro deste ano.

O texto também cita a demissão, em 16 de abril, do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta. Ele foi substituído por Nelson Teich, que em 15 de maio também deixou o cargo no ministério em razão do presidente defender o uso de medicamentos sem eficácia comprovada para tratar a Covid-19.

Depois disso, o general Eduardo Pazuello ainda foi substituído pelo médico Marcelo Queiroga.

 Anthony Fauci
Imunologista Anthony Fauci,
Foto: CNN Conteúdo

 

Mais Recentes da CNN