Menino de 12 anos morre após explosão de granada comprada em antiquário nos EUA

Explosivos eram do modelo MK2 que foi usado na segunda Guerra Mundial

Ilustração em 3D de uma granada MK2
Ilustração em 3D de uma granada MK2 Foto: Divulgação

Alisha Ebrahimji, da CNN

Ouvir notícia

Um menino de 12 anos do estado da Virgínia morreu com a explosão de uma granada, que os investigadores acreditam ter sido comprada em uma loja de antiguidades na Carolina do Norte. Agora, as autoridades alertam que outras podem ter sido vendidas e podem estar ativas.

Pensava-se que as granadas estavam quimicamente inativas. Elas eram do modelo MK 2, o mesmo tipo utilizado na Segunda Guerra Mundial, de acordo com a Agência de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos dos Estados Unidos (ATF, na sigla em inglês).

Leia e assista também:
Câmera de segurança registra queda de avião nos EUA
México publica regulamentação para cannabis medicinal e busca criar novo mercado
Irlanda tem as maiores taxas de Covid-19 no mundo

A criança, cuja identidade foi preservada, morreu no dia 23 de dezembro de 2020 devido à explosão de uma granada que a ATF acredita ter sido comprada em 13 de junho no Fancy Flea Antique Mall na cidade de Shallotte, Carolina do Norte.

A CNN entrou em contato com a loja de antiguidades, mas não obteve resposta.

Quando a granada foi vendida, a agência disse que o vendedor e o comprador não acreditavam que as “granadas funcionassem ou fossem perigosas”.

A ATF pede que outras pessoas que possam ter comprado uma granada na mesma loja entrem em contato com a agência, temendo que as “granadas compradas do vendedor possam conter explosivos ativos e ser perigosas para o público”.

Esta não é a primeira vez que uma granada considerada inerte foi encontrada e estava comprovadamente ativa. Em dezembro de 2019, também na Carolina do Norte, uma granada ativa foi encontrada dentro de uma cômoda doada para a entidade Habitat ReStore, na cidade de Durham.

Um voluntário a encontrou e a tirou do prédio, e a polícia foi chamada. Não houve feridos.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

Mais Recentes da CNN