Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Meu corpo não aguenta”: indianos relatam onda de calor sufocante

    Temperaturas atingiram quase 50°C nas últimas semanas

    O motorista de riquixá Sagar Mandal disse que o calor não é normal, durante uma entrevista à CNN em Nova Delhi, Índia, em 20 de junho.
    O motorista de riquixá Sagar Mandal disse que o calor não é normal, durante uma entrevista à CNN em Nova Delhi, Índia, em 20 de junho. Esha Mitra/CNN via CNN Newsource

    Andrew Chungda CNN

    As noites na capital da Índia, Nova Délhi estão cada vez mais desconfortáveis e perigosamente quentes, uma vez que os habitantes da nação mais populosa do mundo sentem pouco alívio das temperaturas incontroláveis durante a noite.

    O norte da Índia tem enfrentado um verão escaldante, e uma parte da capital, Nova Délhi, registrou a temperatura mais alta do país, 49,9°C, no início deste mês.

    Contudo, o calor sufocante persiste mesmo depois que o sol intenso se põe.

    A cidade tem esfriado apenas 8,5°C à noite, em comparação com 12,2°C nas áreas urbanas periféricas, segundo um relatório publicado pelo Centro de Ciência e Meio Ambiente (CSE) no mês passado, que rastreia o estresse térmico urbano em Délhi.

    As noites mais quentes privam as pessoas do descanso e da recuperação após longas horas de exposição ao calor excessivo, principalmente para as pessoas sem acesso a ar condicionado.

    O motorista de bicicleta-riquixá Sagar Mandal disse à CNN que tem recebido menos passageiros porque as pessoas optam por táxis com ar-condicionado em vez de transporte ao ar livre.

    “Meu corpo não aguenta, mas tenho que continuar pedalando. Estamos acostumados ao trabalho físico, não estamos reclamando disso. Mas esse calor não é normal, algo tem que mudar”, disse o homem de 39 anos, que leva as pessoas para pedalar pela cidade.

    “Ninguém se importa se vivemos ou morremos, não importa em quem você vote, esse é um problema que ninguém pode resolver”, disse ele.

    Nikhil Kumar, um motorista de tuk-tuk, disse que seus dias de trabalho estão ficando mais longos e mais difíceis em meio ao calor.

    “Não melhora nada à noite, mesmo à noite estou suando, choveu um pouco ontem à noite, mas veja como está quente hoje, não há alívio”, disse o motorista de 26 anos.

    Cientistas alertam que as noites mais quentes são uma consequência da crise climática, aumentando os riscos à saúde que são causados pelo estresse térmico.

    Estudos demonstraram que temperaturas noturnas mais altas tornam mais difícil adormecer e reduzem as ondas profundas e o REM (movimento rápido dos olhos), ambos essenciais para que o corpo se repare e se refresque à noite.

    Nos Estados Unidos, por exemplo, as noites estão esquentando mais rápido do que os dias na maior parte do país, segundo a Avaliação Climática Nacional de 2018.

    Mandal, o motorista de bicicleta-riquixá, disse que tem dormido no telhado de sua casa para ter alguma esperança de ar mais fresco, mas apenas por algumas horas.

    “Mal consigo dormir nesses dias”, disse ele.

    De acordo com um estudo de 2019, a exposição a ondas de calor durante a gravidez também pode estar associada a resultados adversos, como parto prematuro. Adultos mais velhos podem apresentar frequências cardíacas mais altas e mais estresse fisiológico quando dormem em temperaturas mais quentes.

    Um estudo australiano de 2008 descobriu até mesmo que as mortes por transtornos mentais e comportamentais aumentavam durante as ondas de calor, especialmente para adultos mais velhos.

    Falta de energia, problemas com a água e estresse térmico

    O aumento das temperaturas a noite é ainda mais comum em cidades como Délhi devido ao efeito de ilha de calor urbana, no qual as áreas metropolitanas são significativamente mais quentes do que seus arredores. Áreas com muito asfalto e prédios de concreto denso absorvem mais calor do sol do que áreas com amplos parques, rios e ruas arborizadas.

    Esses dias e noites quentes estão desafiando os limites da rede elétrica e do abastecimento de água do país, e a pressão sobre os recursos já está deixando as pessoas doentes.

    Moradores enchem seus recipientes com água fornecida por um caminhão-tanque municipal em Nova Délhi, no dia 19 de junho. / Money Sharma/AFP/Getty Images via CNN Newsource

    “Moramos neste bairro há 40 anos, mas nunca vimos um verão como este”, disse Kalyani Saha, de 60 anos, moradora do bairro de Lajpat Nagar, na capital.

    “Não há energia elétrica há duas horas, o que é insuportável no meio do dia”, disse Saha à CNN, afirmando que os cortes de energia também inutilizam o sistema de ar-condicionado.

    “Recebemos água apenas uma vez por dia, e ela é escaldante. A menos que você encha um balde e deixe-o esfriar o dia todo antes de usá-lo, não é possível tomar banho com essa água”, disse ela.

    Saha também disse que seu neto está doente há uma semana.

    “Eles são pequenos, não conseguem lidar com isso, esse não é um nível de calor humano”, disse ela.

    Um funcionário do Ministério da Saúde informou à CNN na quinta-feira que pelo menos 40.000 casos de insolação foram registrados na Índia desde março, e pelo menos 110 pessoas morreram em todo o país devido à suspeita de insolação.

    O Dr. Ajay Chauhan, responsável pela primeira unidade de insolação do tipo no hospital Ram Manohar Lohiya (RML), em Delhi, disse que noites mais quentes significam maior estresse para os corpos.

    “Quando uma pessoa sofre um golpe de calor, as coisas progridem muito rapidamente, portanto, sem intervenção precoce, a taxa de fatalidade dos golpes de calor é muito alta”, disse Chauhan.

    Chauhan explicou que as pessoas que trabalham ao ar livre o dia todo precisam de tempo para se refrescar e se recuperar, mas ele admite que “isso não tem sido possível”.

    Pelo menos 11 pessoas morreram em decorrência das ondas de calor em seu hospital desde 29 de maio, e, só na quinta-feira, mais de 20 pessoas deram entrada no hospital com várias doenças relacionadas ao calor.

    Nas últimas cinco décadas, a Índia passou por mais de 700 eventos de ondas de calor que causaram mais de 17.000 mortes, de acordo com um estudo de 2021 sobre condições climáticas extremas publicado na revista Weather and Climate Extremes.

    Délhi registrou o maior número de mortes de desabrigados dos últimos cinco anos durante o período de 9 dias.

    Entre 11 e 19 de junho, Délhi registrou 192 mortes relacionadas à onda de calor entre sua população em situação de rua, um recorde em comparação com o mesmo período dos últimos cinco anos, de acordo com um relatório da ONG Centre for Health Development India.

    “Quase todas as pessoas que estão nas ruas relataram ter insônia”, disse o relatório, acrescentando que elas sofriam de várias doenças relacionadas ao calor.

    Sarita Kumari tem dormido nas ruas de Délhi com seus três filhos e disse à CNN que seu filho de três anos tem tido febre alta durante toda a semana.

    “Temos uma casa, mas somos muitos e, quando a energia acaba, a situação se torna sufocante”, disse Kumari.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original