Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Por que o Hezbollah está ameaçando um pequeno país da União Europeia?

    Líder do grupo acusou o Chipre de colaborar com Israel

    Líder do Hezbollah Sayyed Hassan Nasrallah durante discurso
    Líder do Hezbollah Sayyed Hassan Nasrallah durante discurso 5/1/2024 REUTERS/Mohamed Azakir

    Nadeen Ebrahimda CNN

    Num discurso inflamado esta semana, o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, destacou o vizinho Chipre, ameaçando atacar a pequena e dividida ilha do Mediterrâneo se ajudar Israel numa potencial guerra entre o grupo libanês e Israel.

    “Chipre também fará parte desta guerra” se abrir os seus aeroportos e bases às forças israelenses, disse o líder do grupo apoiado pelo Irã num discurso televisionado na quarta-feira (19), um dia depois de Israel ter alertado que a perspectiva de “uma guerra total” no Líbano estava “chegando muito perto”.

    Respondendo aos comentários, o presidente cipriota, Nikos Christodoulides, negou estar envolvido na guerra.

    “As declarações não são agradáveis, mas não correspondem de forma alguma ao que se tenta apresentar, uma imagem de que o Chipre está envolvido nas operações de guerra. De forma alguma”, disse ele, acrescentando que as linhas de comunicação estão abertas com os governos libanês e iraniano.

    A União Europeia veio na quinta-feira (20) em defesa do Chipre, dizendo que uma vez que a ilha “é um estado membro da UE, isso significa que a UE é o Chipre e o Chipre é a UE”.

    “Qualquer ameaça contra um dos nossos Estados-membros é uma ameaça contra a UE”, disse Peter Stano, porta-voz da UE, aos jornalistas.

    A vizinha Grécia também expressou a sua “solidariedade total” com o Chipre, dizendo no X que “a ameaça de uso da força é uma violação flagrante da Carta das Nações Unidas”.

    Numa aparente tentativa de controlar os danos, o Ministro dos Negócios Estrangeiros do Líbano, Abdallah Bou Habib, telefonou ao seu homólogo cipriota, Constantinos Kombos, expressando a “contínua confiança do Líbano no papel positivo desempenhado pelo Chipre no apoio à estabilidade na região”, de acordo com a mídia estatal libanesa.

    Embora os especialistas digam que a guerra entre Israel e o Hezbollah continua improvável, a simples menção do Chipre acrescenta uma nova dimensão ao conflito Israel-Hamas em Gaza. Corre o risco de arrastar uma nação da UE para uma guerra que já se espalhou por todo o Oriente Médio e coloca em destaque os laços do Chipre com Israel.

    Por que a localização do Chipre é importante?

    Uma ilha no Mediterrâneo Oriental localizada numa falha geopolítica entre o Oriente Médio e o Sul da Europa, o Chipre está geograficamente muito mais próximo dos conflitos no Oriente Médio do que dos centros de poder europeus.

    A ilha tem o dobro do tamanho do estado americano de Delaware e está dividida em duas partes: uma parte sul de língua grega conhecida como República do Chipre, e uma região de língua turca conhecida como República Turca do Norte de Chipre. A divisão da ilha reflete a rivalidade entre os inimigos regionais Grécia e Turquia. A maior parte da comunidade internacional reconhece apenas a soberania da parte grega do Chipre, e foi a essa nação que as ameaças de Nasrallah foram dirigidas.

    A República do Chipre é membro da UE, mas não da aliança de defesa da Otan, que obriga os países membros a defenderem-se uns aos outros em caso de ataque. É o lar de cerca de 920.000 pessoas, sendo Nicósia a sua capital.

    Quão próximos são os laços do Chipre com Israel?

    As relações diplomáticas entre Chipre e Israel começaram em 1960, após a independência da ilha do domínio colonial britânico, mas o Chipre só abriu uma embaixada em Tel Aviv em 1994. As relações azedaram nas décadas de 1980 e 1990 devido a questões como os laços estreitos de Israel com a Turquia e o conflito árabe-israelense, no qual o Chipre ficou do lado dos estados árabes e apoiou a criação de um Estado palestino.

    Os laços foram recuperados no final da década de 1990 e na década de 2000, quando Israel começou a recorrer ao Mediterrâneo Oriental em busca de parcerias econômicas, especialmente após a descoberta de gás natural na região. Especialistas dizem que Israel também olhou para o Chipre como um parceiro para frustrar ameaças regionais, especialmente da Turquia e de grupos ligados ao Irã.

    Nos últimos anos, Israel tem utilizado o território cipriota para treinar as suas tropas numa possível guerra com o Hezbollah. O terreno do Chipre é semelhante ao do Líbano, afirmaram as Forças de Defesa de Israel (FDI), segundo a mídia israelense.

    Em 2022, as FDI conduziram um exercício militar conjunto com as forças cipriotas. Parte do treinamento conjunto se concentrou no combate a múltiplas frentes e no combate ao Hezbollah no Líbano, informou a mídia israelense. Os seus últimos exercícios foram realizados em maio de 2023, no Chipre.

    A presidência cipriota disse no X na quinta-feira que o país “nunca facilitou e não facilitará qualquer ação agressiva ou ataque contra qualquer país”.

    Qual tem sido o papel do Chipre na guerra de Gaza?

    O Chipre tem feito questão de dissipar quaisquer sugestões de que esteja envolvido na guerra de Gaza, salientando os seus esforços humanitários que ajudaram a trazer alguma ajuda para Gaza.

    “A República do Chipre não faz parte do problema. A República do Chipre é parte da solução”, afirmou Christodoulides, o presidente. “E o nosso papel nisso, como demonstrado, por exemplo, através do corredor humanitário, é reconhecido não apenas pelo mundo árabe, mas pela comunidade internacional como um todo.”

    Em março, o Chipre começou a permitir que navios de ajuda partam dos seus portos como parte dos esforços internacionais para criar uma rota de ajuda humanitária via marítima em direção a Gaza.

    O primeiro carregamento marítimo para Gaza transportou 200 toneladas de alimentos, o que equivale a cerca de 500 mil refeições. Foi também criada uma plataforma logística da UE no Chipre para facilitar o fluxo de ajuda para Gaza.

    Nicósia criticou algumas das ações de Israel em Gaza, especialmente aquelas que dificultaram a entrega de ajuda humanitária.

    Em abril, o Chipre emitiu uma declaração conjunta com os Emirados Árabes Unidos, condenando o ataque mortal israelense ao grupo de caridade World Central Kitchen, que matou sete pessoas.

    Também condenou repetidamente o Hamas pelo seu ataque de 7 de outubro a Israel.

    Qual é a probabilidade do Chipre se envolver mais profundamente?

    A ilha já foi apanhada no fogo cruzado de conflitos regionais, um lembrete da sua proximidade com o volátil Oriente Médio. Em 2019, um suposto míssil de fabricação russa explodiu sobre a região do norte do Chipre. As autoridades cipriotas acreditavam que o míssil estava ligado a operações militares na Síria, dizendo que aterrou a menos de 24 quilômetros a norte da capital Nicósia.

    Um cenário em que Israel utilize bases cipriotas para as suas forças militares, contra o qual o Hezbollah alertou, “expandiria efetivamente a guerra de Gaza para a União Europeia”, escreveu Mohammad Ali Shabani, analista iraniano e editor do Amwaj.media, no X.

    Significaria que um país da UE estaria, pela primeira vez, diretamente envolvido numa guerra expandida em Gaza.

    Alguns especialistas afirmam que a perspectiva de o conflito Israel-Hezbollah se transformar numa guerra total é, no entanto, improvável, uma vez que nenhum dos lados deseja tal escalada.

    “A divulgação pelo Hezbollah de imagens de drones de posições sensíveis dentro de Israel tem o objetivo de ser um impedimento para Israel”, disse Lina Khatib, pesquisadora associada do Programa para Oriente Médio e Norte da África no think tank Chatham House em Londres, à CNN, referindo-se ao vídeo de drone de nove minutos divulgado pelo Hezbollah na terça-feira (18), mostrando locais civis e militares dentro e ao redor da cidade israelense de Haifa.

    “É normal que tanto Israel como o Hezbollah tenham planos militares em vigor para lidar com uma potencial escalada. Mas do jeito que as coisas estão, nem Israel nem o Hezbollah se beneficiam de uma guerra total”, disse Khatib, acrescentando que “o Hezbollah sabe que a guerra com Israel seria devastadora para o Líbano e que não há apetite popular por tal cenário no país”.

    Também é pouco provável que a administração Biden deixe Israel travar sozinho uma guerra em duas frentes, disse ela, acrescentando que o envolvimento dos EUA pode atrair “outros atores apoiados pelo Irã, bem como o potencial de o próprio Irã ser alvo”.

    “Este é um custo elevado que o Irã quer evitar pagar”, disse ela. “Os EUA também não querem encontrar-se em outro conflito no Oriente Médio, especialmente com as eleições presidenciais se aproximando”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original