Militares proíbem empresários de telecomunicações de deixarem Mianmar

Empresas são pressionadas a passarem informações para Junta Militar e instalar softwares que permitam governo espionar cidadãos

Exército toma as ruas de Mianmar
Exército toma as ruas de Mianmar Foto: Hkun Lat/Getty Images

Fanny Potkin, da Reuters, em Cingapura

Ouvir notícia

Executivos estrangeiros de grandes empresas de telecomunicações em Mianmar foram informados pelo conselho de que não devem deixar o país sem permissão, disse uma pessoa com conhecimento direto do assunto.

Um pedido confidencial do Departamento de Correios e Telecomunicações (PTD) de Mianmar em meados de junho disse que executivos de alto escalão, tanto estrangeiros quanto cidadãos de Mianmar, devem buscar autorização especial para deixar o país, disse a fonte.

Uma semana depois, as empresas de telecomunicações receberam uma segunda carta informando que tinham até segunda-feira, 5 de julho, para implementar totalmente a tecnologia de interceptação que haviam sido solicitados a instalar para permitir que as autoridades espionassem chamadas, mensagens e tráfego da web e rastreassem usuários por si mesmas, disse a fonte. A Reuters não teve acesso aos pedidos.

As diretrizes seguem a pressão da junta militar sobre as empresas, que enfrenta protestos diários de seus oponentes e um número crescente de insurgências para ativar a tecnologia de spyware. 

Um porta-voz dos militares não respondeu a vários pedidos de entrevista. A junta nunca comentou sobre o esforço de vigilância eletrônica, mas anunciou logo após tomar o poder seu objetivo de aprovar um projeto de lei de segurança cibernética que exigiria que os provedores de telecomunicações fornecessem dados quando solicitados e remover ou bloquear qualquer conteúdo considerado como perturbador “da unidade, estabilização e paz”.

Também alterou as leis de privacidade para liberar as forças de segurança para interceptar comunicações.

A proibição de viagens ocorre após a intensificação da pressão de oficiais militares para concluir a implementação do equipamento de vigilância. A fonte, que falou sob condição de anonimato por medo de represálias, disse que o objetivo da proibição era pressionar as empresas de telecomunicações a finalizar a ativação da tecnologia de spyware, embora a ordem em si não especifique o motivo.

Três outras fontes de telecomunicações, também falando sob condição de anonimato, disseram que as autoridades aumentaram a pressão sobre as empresas para implementar a interceptação, mas se recusaram a dar mais detalhes.

Duas fontes disseram que as empresas foram advertidas repetidamente por funcionários da junta militar para não falar publicamente ou à mídia durante a interceptação.

A Telenor não quis comentar. Não houve resposta imediata aos pedidos de entrevistas da Ooredoo, estatal MPT e Mytel, uma joint venture entre o Viettel do Vietnã e um conglomerado militar de Mianmar.

Meses antes do golpe de 1º de fevereiro, provedores de serviços de telecomunicações e de internet receberam ordens de instalar spyware de interceptação para permitir que o exército espionasse as comunicações dos cidadãos, informou a Reuters em maio. 

A Reuters não foi capaz de estabelecer o quão amplamente a tecnologia de vigilância foi instalada e implementada, mas quatro fontes disseram que a Telenor ASA, da Noruega, e a Ooredoo, do Catar, ainda não a instalaram totalmente.

Uma das primeiras ações dos militares em 1º de fevereiro foi cortar o acesso à internet, que ainda não foi totalmente restabelecida, com as telecomunicações recebendo listas regulares de sites e números de telefone de ativistas para bloquear.

As mudanças deixaram o futuro incerto para o setor de telecomunicações de Mianmar, que era um dos países com crescimento mais rápido do setor em todo o mundo. A Telenor disse na sexta-feira (2) que está avaliando o futuro de suas operações no país, com uma fonte dizendo à Reuters que está analisando a venda de sua unidade em Mianmar. 

*Reportagem de Fanny Potkin em Cingapura; reportagem adicional de Poppy McPherson em Bangkok; edição de Matthew Tostevin, William Mallard e Daniel Wallis.

Mais Recentes da CNN