Ministro da Saúde britânico pede que manifestantes não participem de protestos

Europa teme segunda onda de infecções pelo novo coronavírus após manifestações contra o racismo no continente

O ministro da Saúde do Reino Unido, Matt Hancock
O ministro da Saúde do Reino Unido, Matt Hancock Foto: Divulgação/Facebook

Da CNN

Ouvir notícia

O ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, disse nesta quinta-feira (11) que as pessoas não devem, por questão de saúde pública, participar de grandes manifestações, após protestos em apoio ao movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) atraírem dezenas de milhares na última semana.

“Entendo que as pessoas querem mostrar sua paixão por uma causa com a qual se preocupam profundamente, mas este é um vírus que prospera no contato social, independentemente da sua causa”, disse em entrevista coletiva diária.

Assista e leia também:

Estátua de comerciante de escravos vai para museu com itens sobre racismo

Pandemia de Covid-19 está ‘se acelerando’ na África, alerta OMS

A recomendação do ministro é que os britânicos não participem de quaisquer reuniões que incluam mais de seis pessoas. O temor é o de que a proximidade social em protestos e semelhantes adiantem uma possível segunda onda na Europa

“Se você orienta todos a manter um metro e meio de distância entre si, e todas as pessoas ficam próximas umas das outras, se abraçando, então eu não tenho um bom pressentimento sobre isso”, comentou Jozef Kesecioglu, que comanda a Sociedade Europeia de Cuidados Intensivos em Medicina.

(Com informações da Reuters)

Mais Recentes da CNN