Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mulher israelense refém do Hamas fala sobre sequestro e agressão sexual em Gaza

    Amit Soussana ficou sob o poder do Hamas por 55 dias

    Manifestantes, em Tel Aviv, seguram cartazes exigindo a libertação de reféns detidos na Faixa de Gaza depois de terem sido capturados por homens armados do Hamas em 7 de outubro
    Manifestantes, em Tel Aviv, seguram cartazes exigindo a libertação de reféns detidos na Faixa de Gaza depois de terem sido capturados por homens armados do Hamas em 7 de outubro 21/11/2023REUTERS/Amir Cohen

    Lauren IzsoJeremy DiamondEyad Kourdida CNN

    Amit Soussana tornou-se a primeira mulher israelense a falar publicamente sobre suportar o que ela diz ser uma agressão sexual e outras formas de violência durante seus 55 dias em cativeiro, após o ataque liderado pelo Hamas a Israel em 7 de outubro, de acordo com a reportagem do The New York Times na terça-feira (26).

    Sequestrada de sua casa por pelo menos 10 homens, Soussana disse que foi submetida a uma série de eventos horríveis desde que foi espancada e arrastada para Gaza.

    Os detalhes do cativeiro de Soussana mostram um cenário sombrio de seu sofrimento; de ser trancada sozinha e acorrentada pelo tornozelo, sendo forçada a realizar atos sexuais sob a ameaça de uma arma, de acordo com o The New York Times.

    Soussana, uma advogada, foi libertada no final de novembro de 2023 como parte de uma troca de reféns em Gaza que foram sequestrados pelo Hamas por prisioneiros palestinos.

    “O corajoso testemunho de Amit Soussana detalhando seu horrível cativeiro é um dos muitos relatos angustiantes de reféns mantidos pelo Hamas”, disse o Fórum de Famílias de Reféns em um comunicado.

    Ele acrescentou: “Amit é uma heroína, como são todos os reféns suportando este inferno vivo por 172 dias agonizantes. Devemos trazer essas mulheres e homens corajosos para casa antes que seja tarde demais.”

    As oito horas de entrevistas de Soussana ao The New York Times lançaram luz sobre o tormento psicológico e físico que ela disse ter experimentado nas mãos de seus captores, oferecendo extensos detalhes de sua provação em vários locais em Gaza, incluindo em casas particulares e um túnel subterrâneo.

    Após vários dias de cativeiro, ela disse, seu guarda começou a perguntar sobre sua vida sexual.

    Soussana disse que estava sozinha em um quarto de criança, acorrentada pelo tornozelo esquerdo. Às vezes, o guarda entrava, sentava-se ao lado dela na cama, levantava a camisa e a tocava, contou ao The New York Times.

    Soussana acrescentou que o guarda perguntou repetidamente quando sua menstruação terminaria. Quando acabou, em torno de 18 de outubro, ela tentou afastálo, fingindo que estava sangrando por quase uma semana.

    Por volta de 24 de outubro, o guarda, que se chamava Muhammad, a atacou, disse ela.

    Naquela manhã, ela disse, Muhammad abriu a corrente e a deixou no banheiro. Depois que ela se despiu e começou a se lavar na banheira, Muhammad voltou e ficou na porta, segurando uma pistola.

    “Ele veio em minha direção e empurrou a arma na minha testa”, lembrou Soussana. Depois de bater em Soussana e forçá-la a remover sua toalha, “Muhammad apalpou-a, sentou-a na borda da banheira e bateu nela novamente”, relatou o The New York Times, citando Soussana.

    A Dra. Ayelet Levy Shachar, mãe da refém de 19 anos Naama Levy, que foi capturada em vídeo sendo arrastada por seu cabelo da parte de trás de um jipe com uma arma em Gaza, suas calças manchadas de sangue disse, “o horrível testemunho de Amit é mais uma prova de que nossos entes queridos em Gaza sofrem tortura física, sexual e psicológica todos os dias. Cada dia que passa é como uma eternidade.”

    Ela disse que o que aconteceu com Amit “é o mesmo pesadelo que tantos outros reféns, mulheres e homens, enfrentam todos os dias em cativeiro. Talvez até mesmo neste exato momento. Estamos implorando – suas vidas estão em jogo. Traga nossas filhas e todos os nossos entes queridos de volta para nós agora – antes que seja tarde demais”.

    No início de março, as Nações Unidas publicaram um relatório indicando que estupro e estupro coletivo, entre outros atos de violência sexual, provavelmente ocorreram durante o ataque de 7 de outubro do Hamas e disseram que havia evidências “claras e convincentes” de que reféns foram estuprados enquanto estavam detidos em Gaza, e que aqueles atualmente mantidos em cativeiro ainda estão enfrentando esse abuso.

    O oficial do Hamas, Basem Naim, negou o relatório da ONU sobre agressões sexuais em uma entrevista à CNN no início deste mês.

    Na terça-feira, o presidente israelense Isaac Herzog disse que Soussana “fala por todos aqueles que não podem falar. Ela fala por todas as vítimas dos desprezíveis crimes e abusos sexuais do Hamas. Ela fala por todas as mulheres em todos os lugares”, de acordo com um post em sua conta X comentando sobre o artigo do The New York Times.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original