Na Otan, Finlândia se comprometerá com a segurança da Turquia, diz presidente

Em discurso feito na Casa Branca, o finlandês Sauli Niinisto disse que seu país já está em discussões para abordar as preocupações turcas

O presidente dos EUA Joe Biden (C), a primeira-ministra da Suécia, Magdalena Andersson (D) e o presidente da Finlândia, Sauli Niinisto, posam para fotos em frente à Casa Branca.
O presidente dos EUA Joe Biden (C), a primeira-ministra da Suécia, Magdalena Andersson (D) e o presidente da Finlândia, Sauli Niinisto, posam para fotos em frente à Casa Branca. Getty Images

Steve HollandJeff MasonHumeyra Pamukda Reuters

em Washington

Ouvir notícia

O presidente finlandês Sauli Niinisto prometeu, nesta quinta-feira (19), se comprometer com a segurança da Turquia quando e se seu país se tornar membro da Otan, e disse que a Finlândia está aberta a discutir as preocupações de Ancara sobre sua proposta de adesão.

Falando na Casa Branca, onde o presidente Joe Biden recebeu os líderes da Finlândia e da Suécia após seu pedido formal de adesão à Otan, Niinisto disse que seu país já está em discussões para abordar as preocupações da Turquia e que essas conversas continuarão nos próximos dias.

“A Finlândia sempre teve boas e orgulhosas relações bilaterais com a Turquia. Como aliados da Otan, nos comprometeremos com a segurança da Turquia, assim como a Turquia se comprometerá com nossa segurança”, disse Niinisto.

“Levamos o terrorismo a sério. Condenamos o terrorismo em todas as suas formas e estamos ativamente engajados em combatê-lo. Estamos abertos a discutir todas as preocupações que a Turquia possa ter em relação à nossa adesão de maneira aberta e construtiva”, disse ele.

A Finlândia e a Suécia dizem que foram estimuladas a aderir à Otan pela invasão da Ucrânia pela Rússia, revertendo gerações de não-alinhamento militar para provocar o maior abalo na segurança europeia em décadas.

A Turquia surpreendeu os aliados da Otan na semana passada ao se opor à medida, acusando os dois países de abrigar militantes curdos.

Até agora, Washington minimizou as objeções turcas, dizendo que espera que as questões sejam resolvidas.

Mais Recentes da CNN