Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Nasa diz que oceano “está com febre” devido a aumento histórico de temperatura na superfície

    Caribe registrou o verão mais quente na história, com águas em torno de 30,5ºC, o que afeta a vida marinha e pode ajudar a desenvolver furacões na região, segundo serviço meteorológico

    Getty Images

    Rafy Riverada CNN

    A Nasa publicou um artigo no início deste mês intitulado “O oceano está com febre”, que explica que em março e abril “as temperaturas médias da superfície do mar ultrapassaram os níveis mais elevados que tinham sido observado no registro de dados mantido pela Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos (Noaa).

    Segundo Josh Willis, oceanógrafo do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da Nasa, “temos um El Niño se desenvolvendo no Pacífico e isso se soma ao aquecimento global de longo prazo que há um século vem empurrando as temperaturas dos oceanos para cima de forma constante em quase todos os lugares”.

    O texto afirma que, em agosto, foram encontradas “anomalias” na temperatura da superfície do mar. É notável que algumas áreas dos mares do planeta tiveram temperaturas quentes superiores a 3ºC.

    Veja também: Sensação térmica em áreas litorâneas pode chegar perto dos 50º C, diz meteorologista à CNN

    Além disso, são mencionadas mudanças de temperatura nas águas do noroeste do Oceano Pacífico, próximo ao Japão, e do nordeste, próximo à Califórnia e Oregon, nos EUA. Da mesma forma, diferentes temperaturas foram registradas nos oceanos Índico, Ártico (Sul) e Antártico.

    Em Porto Rico, a ilha não foi exceção à onda de calor global que está ocorrendo. Desde junho, o Serviço Meteorológico Nacional dos EUA confirmou novos recordes de temperatura com índices de calor de até 46,6ºC.

    Alertas de calor extremo começaram a ser emitidos e não pararam desde então. Ainda segundo o Serviço Meteorológico Nacional, as temperaturas das águas que circundam a zona de Porto Rico mudaram e algumas alterações já são perceptíveis.

    “Não só tem um efeito direto na modulação das temperaturas mínimas na ilha. Vimos que os mínimos não estão chegando onde estavam no passado. Portanto, todas as manhãs acordamos com temperaturas já elevadas e quando isso acontece vemos que estamos mais expostos a essas temperaturas extremas em toda a ilha de Porto Rico”, disse Ernesto Morales, à CNN, coordenador de alerta do Serviço Meteorológico Nacional no escritório regional da Carolina, norte de Porto Rico.

    “E estas águas quentes também afetaram a vida marinha. Eles associaram um aumento do sargaço, bem como o ‘branqueamento’, o branqueamento dos recifes nas águas locais do Caribe.”

    Em plena temporada de furacões na região do Oceano Atlântico, que começou em 1º de junho e termina em 30 de novembro, o aquecimento dos mares pode trazer consequências inesperadas.

    “Este foi o verão mais quente relatado no Caribe e na história. E especialmente, as águas que estão em torno de 30,5ºC, especialmente no Caribe, e isso pode ajudar no rápido desenvolvimento de furacões perto de nossa região”, disse Morales.

    No artigo “O oceano está com febre”, Gavin Schmidt, diretor do Goddard Space Research Institute, da Nasa, concorda que o aumento da temperatura do mar está sendo registrado “em quase todo o lugar”.

    “Essa tendência de longo prazo é quase inteiramente atribuível às forças climáticas causadas pela atividade humana, ou seja, ao fato de termos lançado uma quantidade tão grande de gases com efeito de estufa na atmosfera desde o início da era industrial”, explicou Schmidt.

    Schmidt também concorda que o aumento do calor da água já está afetando o ecossistema.

    “As ondas de calor no Atlântico são significativas e terão efeitos graves na vida marinha e nas condições meteorológicas na Europa nos próximos meses. Mas foi o Pacífico que elevou a média mundial a níveis sem precedentes este ano”, disse Josh Willis.

    Por sua vez, Ernesto Morales explicou que o cenário de calor nos mares e novas altas temperaturas poderá mudar no devido tempo.

    “Esta é uma combinação de muitas coisas. Estamos falando de mudanças climáticas. O aquecimento das águas faz parte das alterações climáticas, mas o El Niño também ajudou a fazer com que as temperaturas destas águas, não só nas caribenhas, mas em todo o Atlântico e Pacífico, tenham aumentado significativamente.”

    “Veremos que quando o El Niño começar a passar para outra fase para o neutro, para a fase neutra ou também para a fase La Niña, isso pode estar ajudando a baixar essas temperaturas. Mas, também, isso é temporário, oscila dependendo da época do ano. Quando começarmos a entrar no que é outono e inverno veremos que essas temperaturas vão cair. Quanto? Essa é a grande questão.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original