Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Negociação sobre reféns entre Israel e Catar é “positiva”, mas acordo não está próximo, diz fonte

    Participaram do encontro o primeiro-ministro do Catar, o chefe da agência de espionagem israelense Mossad e o chefe da Agência Central de Inteligência (CIA, na sigla em inglês) dos EUA

    Veículo da Cruz Vermelha com reféns do Hamas liberados chega à fronteira de Rafah, no sul da Faixa de Gaza
    Veículo da Cruz Vermelha com reféns do Hamas liberados chega à fronteira de Rafah, no sul da Faixa de Gaza 30/11/2023REUTERS/Ibraheem Abu Mustafa

    Alexander Cornwellda Reuters

    em Dubai

    Uma reunião entre autoridades do Catar, Israel e EUA, nesta segunda-feira (19), sobre os próximos passos para libertar mais reféns do Hamas foi “positiva”, mas nenhum acordo está iminente, disse uma fonte com conhecimento dos esforços diplomáticos.

    Participaram do encontro o primeiro-ministro do Catar, o chefe da agência de espionagem israelense Mossad e o chefe da Agência Central de Inteligência (CIA, na sigla em inglês) dos EUA.

    Os três reuniram-se na capital da Polónia, Varsóvia, para discutir um potencial novo acordo para garantir a libertação de reféns israelenses detidos em Gaza em troca de uma potencial libertação de palestinos em prisões de Israel e de uma “pausa humanitária” pela paz na guerra em Gaza.

    Veja também: CNN tem acesso à Gaza e testemunha crise humanitária

    “As negociações foram positivas, com os negociadores explorando e discutindo diferentes propostas na tentativa de avançar nas negociações”, disse a fonte à Reuters.

    “No entanto, não se espera um acordo iminente”, completou.

    Em um comunicado divulgado nesta terça-feira, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse ter “enviado duas vezes o chefe da Mossad à Europa para promover um processo de libertação dos nossos reféns”, sem dar detalhes do que foi discutido.

    “Não pouparei esforços nesse assunto e a exigência é trazer todo mundo (para casa)”, disse Netanyahu.

    A CIA se recusou a comentar.

    As conversas entre o primeiro-ministro do Catar, Mohammed bin Abdulrahman Al Thani, que também atua como ministro catari de Relações Exteriores, o diretor do Mossad, David Barnea, e o diretor da CIA, Bill Burns, aconteceu após uma reunião dos três na Europa na semana passada.

    O Catar disse que está trabalhando para reparar um acordo de trégua humanitária que fracassou após sete dias em 1º de dezembro, e pressionando por um fim abrangente à guerra entre Israel e Hamas, que já dura mais de dois meses e que causou um desastre humanitário em Gaza.

    O Catar e o Egito foram mediadores entre Israel e o Hamas na trégua do final de novembro, durante a qual o Hamas libertou 110 mulheres, crianças e estrangeiros que detinha em troca de 240 mulheres e adolescentes palestinos libertados das prisões de Israel.