Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Netanyahu promete avançar em Gaza, mesmo após críticas de Biden

    Premiê israelense disse que ofensiva terrestre em Rafah, cidade do sul do território palestino, vai acontecer

    Joe Biden conversa com Benjamin Netanyahu em Tel Aviv
    Joe Biden conversa com Benjamin Netanyahu em Tel Aviv 18/10/2023 REUTERS/Evelyn Hockstein

    Nadeen Ebrahimda CNN

    As divergências entre o presidente dos EUA, Joe Biden, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, explodiram novamente no fim de semana, enquanto os dois trocaram farpas em entrevistas sobre a guerra de Israel contra o Hamas em Gaza.

    Durante uma entrevista no sábado (9) à MSNBC, Biden disse que Netanyahu estava “prejudicando Israel mais do que ajudando o país” na sua guerra em Gaza, acrescentando que quer “ver um cessar-fogo” no contexto de um acordo que também traga de volta os reféns israelenses detidos lá por Hamas.

    Biden alerta há meses que Israel corre o risco de perder o apoio internacional devido ao aumento das vítimas civis em Gaza, onde o número de mortos ultrapassou os 31.000.

    Netanyahu, em resposta, disse que o presidente americano estava errado em sua avaliação e defendeu com veemência suas políticas em Gaza, especialmente uma iminente operação terrestre na cidade de Rafah, no extremo sul, contra a qual Biden e outros líderes mundiais alertaram.

    “Não sei exatamente o que o presidente [Biden] quis dizer, mas se com isso ele quis dizer que estou seguindo políticas privadas contra a vontade da maioria dos israelenses, e que isso está prejudicando os interesses de Israel, então ele está errado em ambos os aspectos. ”, disse Netanyahu em entrevista ao Politico e ao meio de comunicação alemão Bild, referindo-se aos comentários de Biden sobre suas decisões terem prejudicado Israel.

    Estima-se que 1,5 milhão de palestinos estejam abrigados em Rafah, que está sob bombardeio israelense há semanas. Amontoadas em uma extensa cidade de tendas junto à fronteira egípcia, as famílias vivem com grave escassez de alimentos, água, medicamentos e abrigo, e correm o risco diário de serem mortas.

    Na entrevista de sábado, Biden disse que uma invasão israelense em Rafah seria uma linha vermelha, antes de acrescentar ao mesmo tempo que atravessá-la não resultaria em medidas punitivas contra Israel.

    “É uma linha vermelha, mas nunca vou deixar Israel”, disse Biden. “A defesa de Israel ainda é crítica, então não há limite para o corte de todas as armas.”

    Netanyahu disse no domingo (10) que pretende avançar com a invasão, apesar do aviso de Biden e independentemente de um acordo de cessar-fogo com reféns. A operação não duraria mais de dois meses, disse ele, mas não deu detalhes sobre o cronograma.

    “Nós iremos lá. Não vamos sair [de Gaza]”, disse Netanyahu no domingo em entrevista ao canal alemão Axel Springer. “Você sabe, eu tenho uma linha vermelha. Você sabe qual é a linha vermelha? Que o 7 de outubro não aconteça novamente.”

    No entanto, duas autoridades norte-americanas disseram à CNN que a administração Biden não prevê que as forças israelenses estejam prestes a ampliar as operações militares em Rafah.

    Até este fim de semana, a administração Biden ainda não viu qualquer tipo de plano humanitário ou de retirada do governo israelense que busque garantir a segurança dos civis em Rafah antes de lançar uma operação militar lá, disseram as duas autoridades americanas no domingo.

    Os EUA apoiaram fortemente Israel durante a sua guerra em Gaza, que até agora matou mais de 31.000 pessoas e feriu mais de 72.000, segundo o Ministério da Saúde de Gaza, que é controlado pelo Hamas.

    O aumento do número de mortos, a destruição generalizada e o desenrolar da crise humanitária lançaram uma sombra sobre a candidatura de Biden à reeleição em 2024, à medida que a raiva pela forma como a sua administração lidou com a guerra de Israel desencadeou uma campanha para convencer os eleitores democratas do Michigan a votarem em protesto.

    Biden e Netanyahu se conhecem há décadas e já tiveram divergências ainda antes de 7 de outubro, incluindo o mal-estar do presidente com o governo de extrema-direita do líder israelense. Conforme o conflito em Gaza se arrasta e aumenta a pressão dentro do seu partido para controlar Israel, as críticas de Biden se tornaram mais contundentes.

    No mês passado, Biden descreveu a guerra como “exagerada”, uma das suas críticas mais duras desde o início do conflito. No final do ano passado, Biden e Netanyahu discutiram publicamente sobre os planos para Gaza do pós-guerra.

    A retórica do governo só ficou mais forte ultimamente. A vice-presidente Kamala Harris pediu, na semana passada, “um cessar-fogo imediato” e mais ajuda humanitária a Gaza, “dada a imensa escala de sofrimento” no enclave.

    “Israel não pode ter mais 30.000 palestinos mortos”, disse Biden à MSNBC no sábado. E em uma declaração que marca o início do mês islâmico do Ramadã no mesmo dia, o presidente disse que a crise humanitária em Gaza está “na mente” de muitos, incluindo ele. “Mais de 30 mil palestinos foram mortos, a maioria deles civis, incluindo milhares de crianças”, disse ele.

    Em um momento sincero captado por um microfone aberto, Biden revelou a sua frustração com Netanyahu após o seu discurso sobre o Estado da União na semana passada.

    “Eu disse a ele, Bibi – e não repita isso – mas você e eu vamos ter uma reunião com Jesus”, Biden disse ao secretário de Estado Antony Blinken e ao senador Michael Bennett.

    Questionado sobre o momento, Biden disse à MSNBC que o comentário significa que pretende ter uma reunião séria em breve com Netanyahu. “Conheço Bibi há 50 anos e ele sabia o que eu queria dizer com isso.”

    “O que está acontecendo é que ele tem o direito de defender Israel, o direito de continuar a perseguir o Hamas”, disse Biden.

    “Mas ele deve, deve, deve, deve prestar mais atenção às vidas inocentes que estão sendo perdidas como consequência das ações tomadas.”

    Na segunda-feira (11), Biden disse aos repórteres que atualmente não há planos para uma reunião “venha a Jesus” com Netanyahu e não há planos para ele se dirigir ao parlamento israelense “neste momento”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original