Nos últimos 45 anos, reprovação de Biden só fica atrás da de Trump

Nove meses desde o início de seu mandato, o democrata é aprovado por somente 42% dos americanos

Presidente dos EUA, Joe Biden, conversa com jornalistas antes de viagem.
Presidente dos EUA, Joe Biden, conversa com jornalistas antes de viagem. Reuters

Chris Cillizzada CNN

Ouvir notícia

Aproximadamente nove meses desde o início de sua presidência, Joe Biden está prestes a escrever seu nome nos livros de história – e não de um jeito bom.

A última pesquisa da Gallup, empresa de pesquisa de opinião, indica a aprovação do presidente em apenas 42%, a mais baixa de seu mandato até agora e a segunda mais baixa de qualquer presidente neste momento em sua presidência nas últimas quase cinco décadas.

Aqui está a aprovação de Biden em comparação com seus antecessores nas pesquisa da Gallup:

  • Biden – 42% (272 dias em sua presidência)
  • Donald Trump – 37% (283 dias)
  • Barack Obama – 52% (271 dias)*
  • George W. Bush – 88% (288 dias)
  • Bill Clinton – 47% (271 dias)
  • George HW Bush – 70% (289 dias)
  • Ronald Reagan – 53% (286 dias)
  • Jimmy Carter – 54% (277 dias)

(Vale a pena notar: Ambos os Bushes tiveram avaliações extremamente altas nesta fase de suas presidências graças a eventos externos. Para George W. Bush, foi logo após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001. Para George HW Bush, seus números foram inflados após o ataque à Praça Tienanmen na China em junho de 1989 e a percepção do fim da Guerra Fria)

Os números de Biden caíram vertiginosamente nas pesquisas do Gallup nos últimos meses. Até junho, uma sólida maioria (56%) do país aprovava o trabalho que ele estava fazendo. Esse número começou a cair no final do verão americano – caindo de 49% em agosto para 43% em setembro – e permanece neste patamar.

As razões para o declínio das pesquisas de Biden são claras: uma confluência de eventos, incluindo uma retirada desastrosa das tropas americanas do Afeganistão, o aumento de casos da Covid-19 devido à variante Delta, problemas contínuos da cadeia de abastecimento e um foco nas lutas contínuas do presidente e democratas no Congresso para aprovar a maior parte de sua agenda doméstica.

Alguns desses desenvolvimentos – principalmente o surgimento da variante Delta e sua devastação dos não vacinados no país – não são culpa de Biden. Mas quando você é presidente, você tem que assumir a culpa pelo que está errado no país – seja ou não sua culpa. E é aí que Biden se encontra.

Agora, é importante notar – como os números acima deixam claro – a aprovação nove meses após o início do mandato nem sempre é uma previsão de como será a disputa por um segundo mandato. George HW Bush perdeu a reeleição apesar de estar com 70% dos 280 dias de sua presidência. Idem Jimmy Carter e sua aprovação de 54% neste estágio. Bill Clinton venceu, embora tivesse menos de 50%.

O perigo real na atual estagnação do índice de aprovação de Biden é para os candidatos de seu partido nas próximas eleições de meio de mandato. Se o índice de aprovação de um presidente for inferior a 50%, seu partido perde uma média de 37 cadeiras na Câmara. Média!

Em 2018, o índice de aprovação de Trump na pesquisa final do Gallup antes da eleição estava atolado na casa dos 40 e os republicanos perderam 40 cadeiras na Câmara (e a maioria). Em 2010, o índice de aprovação de Obama caiu para 45% e os democratas perderam 63 cadeiras (e a maioria). Em 1994, o índice de aprovação de Clinton era de 46% e os democratas perderam 53 cadeiras (e a maioria).

Você entendeu a ideia. As evidências são bastante conclusivas – e nenhuma delas aponta para boas notícias para os democratas em 2022.

Agora, é claro que vale a pena notar que estamos no final de outubro de 2021, não no final de outubro de 2022. E se Biden e os democratas no Congresso puderem encontrar uma maneira de chegar a um acordo tanto no plano de infraestrutura “forte” quanto na legislação da rede de segurança social, os democratas podem ter um pacote atraente de realizações para vender aos eleitores em novembro do próximo ano.

Também existe a realidade de que a tendência nos casos da Covid-19 está caindo e, se isso continuar, Biden pode muito bem se beneficiar de uma visão geral melhor da população.

Mas, neste momento, as lutas de índice de aprovação de Biden colocam seu partido em uma posição política terrível – e que eles têm capacidade limitada de controle.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN