Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Número de desertores norte-coreanos quase triplica em 2023, diz Coreia do Sul

    Fluxo inclui dissidentes do regime de Kim Jong Un e pessoas que fogem da pobreza e da fome

    Parada militar na Coreia do Norte
    Parada militar na Coreia do Norte CNN

    Gawon BaeJessie Yeungda CNN

    de Seul

    O número de desertores norte-coreanos que entraram na Coreia do Sul quase triplicou em 2023 em comparação com os dois anos anteriores, disseram as autoridades nesta quinta-feira (18) – incluindo um número maior de jovens e membros da elite norte-coreana.

    O Ministério da Unificação da Coreia do Sul registrou 196 desertores entrando no país no ano passado, informou em um comunicado. Mais da metade tinha entre 20 e 30 anos, e cerca de 84% eram mulheres ou meninas, de acordo com dados do governo.

    O número total é apenas uma fração dos níveis pré-pandemia – 1.047 desertores chegaram em 2019 – mas ainda marca um aumento significativo após um declínio acentuado durante a pandemia de Covid-19.

    A Coreia do Norte fechou suas fronteiras já restritas em 2020, mergulhando a nação em um isolamento ainda maior. Apenas 63 desertores entraram na Coreia do Sul em 2021 e 67 em 2022, de acordo com dados do governo.

    O país começou a flexibilizar as regras de fronteira em 2023, permitindo que os cidadãos que vivem no exterior retornassem e retomando voos internacionais para certos países, incluindo China e Rússia. Mas o Ministério da Unificação disse que alguns norte-coreanos que vivem no exterior optaram por não retornar – e fugiram para o sul.

    Cerca de 10 pessoas da elite norte-coreana estavam entre os que desertaram no ano passado, o maior número desse grupo desde 2017, segundo o ministério. Eles incluem diplomatas, outros funcionários e estudantes no exterior (que) foram orientados a retornar no ano passado à medida que a situação pandêmica entrou em uma nova fase”, disse uma autoridade do ministério.

    “Muitos devem ter achado inaceitável depois de experimentar o que (era) viver no mundo livre, sabendo que a situação econômica piorou e os controles internos se fortaleceram na Coreia do Norte”, disse a autoridade.

    O ministério disse que mais detalhes não podem ser dados por razões de segurança.

    A razão mais citada para a deserção em 2023 foi a dissidência em relação ao regime de Kim, disseram autoridades sul-coreanas – seguida pela falta de comida e fome na Coreia do Norte, que já havia sido a razão mais citada nos últimos anos.

    Enquanto milhões de norte-coreanos vivem em condições empobrecidas sob a ditadura dinástica do líder Kim Jong Un, a elite rica do país, como altos funcionários do governo e suas famílias, supostamente têm acesso a luxos como ar condicionado, café e até smartphones – embora os telefones só possam acessar a intranet administrada pelo governo fortemente censurada.

    Esses moradores vivem principalmente na capital Pyongyang, onde poucos privilegiados desfrutam de instalações como cinemas, lojas de departamento e academias cobertas.

    A maioria dos que entraram na Coreia do Sul no ano passado, de fato, deixou a Coreia do Norte anos atrás, permanecendo em países terceiros por um longo tempo antes de fazer a viagem para Seul, disse o ministério – acrescentando que a diversificação das rotas de deserção representou a “muito difícil” situação na Coreia do Norte.

    Muitos desertores saem pela fronteira da Coreia do Norte para a China, atravessando o rio Yalu que separa os dois países. Depois de entrar na China, muitos atravessam a fronteira ilegalmente para o Laos ou Mianmar e vão para a embaixada sul-coreana nesses países ou continuam até a Tailândia.

    Enquanto o governo sul-coreano está trabalhando para apoiar a solução de desertores norte-coreanos que entram no país, também está observando de perto a possibilidade de que o número de desertores possa aumentar gradualmente se a Coreia do Norte abrir sua fronteira com a China, disse o ministério.

    A China, um aliado próximo de Pyongyang, não considera os desertores norte-coreanos como refugiados, mas os vê como migrantes econômicos ilegais. Sob um acordo de fronteira com a Coreia do Norte, Pequim os deporta à força.

    Uma vez de volta à Coreia do Norte, os desertores enfrentam possíveis torturas, violência sexual, trabalhos forçados, prisão em campos políticos ou de reeducação, ou mesmo execução pelo Estado norte-coreano, de acordo com ativistas.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original