Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    O que é o Baluchistão, província do Paquistão atacada pelo Irã

    Ataques mútuos aumentaram ainda mais o receio de um conflito entre diversos países do Oriente Médio e região próxima

    Mapa indicando local onde mísseis do Irã atingiram a província do Baluchistão, no Paquistão
    Mapa indicando local onde mísseis do Irã atingiram a província do Baluchistão, no Paquistão Arte/CNN Brasil

    Da CNN

    Paquistão e Irã realizaram ataques contra territórios um do outro nesta semana, aumentando ainda mais o receio de um conflito entre diversos países do Oriente Médio e região próxima.

    Na terça-feira (16), o Irã atacou a província paquistanesa do Baluchistão. O governo do Paquistão afirmou que duas crianças morreram na ação; já autoridades iranianas disseram que destruíram dois redutos do grupo sunita Jaish al-Adl.

    Nesta quinta-feira (18), foi a vez do Paquistão atacar o que disse serem esconderijos de combatentes separatistas no Irã, na região Sistão-Baluchistão.

    Saiba abaixo o que é o Baluchistão e por que a província foi atacada.

    O que é o Baluchistão?

    O Baluchistão é a maior província do Paquistão em tamanho. Ainda assim, é a menor em população, abrigando cerca de 15 milhões de pessoas.

    Esse território é predominantemente árido, desértico e montanhoso, contendo riquezas minerais inexploradas.

    O Baluchistão faz fronteira com a província iraniana de Sistão-Baluchistão — onde o Paquistão atacou.

    Essa região paquistanesa é local-chave no Corredor Econômico China-Paquistão, que faz parte da iniciativa Cinturão e Rota do presidente Xi Jinping.

    Mapa indicando local onde mísseis do Irã atingiram a província do Baluchistão, no Paquistão
    Mapa indicando local onde mísseis do Irã atingiram a província do Baluchistão, no Paquistão / Arte/CNN Brasil

    A China empreendeu projetos de mineração na área e construiu um aeroporto internacional e um porto na cidade costeira de Gwadar, no sul da província.

    A mineradora canadense Barrick Gold possui participação de 50% na mina Reko Diq, no distrito de Chagai, no Baluchistão. O restante é propriedade do governo do Paquistão e da província.

    A Barrick considera a mina um dos maiores locais subdesenvolvidos do mundo para cobre e ouro.

    Quem são os separatistas Balúchis?

    O povo da região Balúchi, que engloba territórios no Paquistão, no Irã e no Afeganistão, se nega a ser governado tanto pelo Paquistão quanto pelo Irã.

    Assim, grupos como o Exército de Libertação do Baluchistão (ELB) e a Frente de Libertação do Baluchistão (FLB) lutam pela independência, alegando que a população não é beneficiada com a exploração das riquezas naturais da área, com um suposto monopólio do governo.

    Eles lutam há décadas contra os governos locais.

    O ELB está entre os insurgentes que frequentemente atacam projetos de gás, infraestruturas e postos de segurança, mas começaram a lançar ataques em outras partes do Paquistão.

    Também atacam projetos chineses e ocasionalmente matam trabalhadores chineses, apesar das garantias do Paquistão de que está fazendo tudo o que pode para proteger os projetos estrangeiros.

    Os ataques do Paquistão e do Irã

    A agência estatal de notícias do Irã diz que o país atacou redutos do grupo sunita Jaish al-Adl, conhecido no Irã como Jaish al-Dhulm, ou Exército da Justiça.

    O grupo separatista opera em ambos os lados da fronteira Irã-Paquistão e assumiu anteriormente a responsabilidade por ataques contra alvos iranianos.

    Seu objetivo final é a independência da província iraniana Sistão-Baluchistão.

    O Jaish al-Adl fazia parte de um grupo sunita maior chamado Jundallah, que se desintegrou depois que o seu líder foi executado pelo Irã em 2010, de acordo com o Centro Nacional de Contraterrorismo do governo dos EUA.

    Frequentemente, ele tem como alvo pessoal de segurança iraniano, funcionários do governo e civis xiitas, de acordo com o Centro Nacional de Contraterrorismo.

    Já o Paquistão afirmou que realizou uma série de ataques contra esconderijos do Exército de Libertação do Baluchistão e da Frente de Libertação do Baluchistão dentro do Irã.

    Em comunicado na quinta-feira (18), o ELB disse que não tem esconderijos no Irã e que nenhum combatente foi morto em ataques recentes. A FLB não comentou publicamente os ataques do Paquistão em território iraniano.

    Vários militantes foram mortos durante a operação, acrescentou o Ministério das Relações Exteriores do Paquistão.